Menu
Busca segunda, 25 de outubro de 2021
(67) 99257-3397
DOURADOS

MP contesta prefeitura e diz que dinheiro não é motivo para não convocação de remanescentes da Guarda

24 outubro 2020 - 11h15Por Adriano Moretto

O MPE (Ministério Público Estadual) encaminhou na sexta-feira (23/10) à Justiça, documento contestando resposta dada em 25 de setembro pela prefeitura de Dourados sobre os motivos para a não convocação de remanescentes do concurso de 2016 da Guarda Municipal. 

Na peça, a titular da 16ª Promotoria de Justiça, Rosalina Cruz Cavagnolli, alega que a crise financeira causada pela pandemia, uma das justificativas da administração municipal para o não chamamento dos servidores, não pode ser motivo para o não cumprimento da legislação. 

Conforme previsto na Lei Federal n° 13.022/2014, feita com base na densidade populacional de cada município brasileiro, Dourados deveria ter atualmente pelo menos 273 guardas municipais, porém, conta com número inferior a esse.

Através de Ação Civil Pública, o MPE quer a convocação de, no mínimo, 12 remanescentes, com o intuito de atingir efetivo de 200 guardas na cidade.

Como argumentação, a promotoria aponta que a crise apontada pelo município não deve se sobrepor às garantias legais à população. 

No entender do órgão fiscalizador, a ausência de profissionais atuando na segurança pública vem causando prejuízos à sociedade e também ao patrimônio público, já que diversos prédios vêm sendo depredados e ocupados por pessoas em situação de vulnerabilidade social. 

“Lado outro, vislumbra-se inaplicável a tese relacionada a eventual crise financeira enfrentada pelo requerido (município), porquanto tais limitações não devem se sobrepor à garantia de adequação da situação posta aos ditames legais (número suficiente de guardas), notadamente quando se tem por objetivo a garantia da efetivação do direito fundamental à segurança pública, constitucionalmente assegurado (art. 144, CF) aos munícipes”, diz trecho da resposta dada pelo Ministério Público. 

PROCESSO

No dia 24 de abril de 2020, uma petição foi assinada pelo promotor de Justiça Ricardo Rotunno em ação civil pública protocolizada na 6ª Vara Cível de Dourados pedindo a convocação de remanescentes aprovados no concurso da GMD.

Quase quatro meses depois, em 10 de agosto, o juiz José Domingues Filho, da 6ª Vara Cível de Dourados, indeferiu a tutela de urgência apresentada pelo MPE que obrigava a prefeita Délia Razuk (sem partido) a convocar os concursados. 

Deixe seu Comentário

Leia Também

Churrasco de peões em fazenda termina com um morto e outro ferido
SUSTENTABILIDADE
Inscrição em edital para organizações quilombolas termina amanhã
TRÊS LAGOAS
Mulher é espancada pelo marido enquanto dormia por suspeita de traição
DORES LOMBAR
Roberto Jefferson pede atendimento médico e é levado para hospital
FRONTEIRA
Homem ameaça matar família, atira contra residência e foge
CONTAS
Guedes reafirma flexibilização do teto de gastos e cobra reformas
Idosa denuncia ter sido agredida por homem que conhece desde criança
IMUNIZAÇÂO
Confira como será a vacinação contra a Covid-19 nesta segunda-feira
JARDIM
Motociclista não resiste e morre ao cair sozinha de motocicleta
FÓRMULA 1
Verstappen segura Hamilton, vence GP dos EUA e amplia liderança

Mais Lidas

CÁRCERE PRIVADO
Tentativa de sequestro a criança termina com jovem preso em Dourados
CLIMA
Vendaval atinge Dourados e deixa rastro de destruição
ACIDENTE
Morto em acidente na BR-163 voltava de festa em Caarapó
DOURADOS
Vento supera 40 quilômetros por hora e grande perigo de tempestade inicia de tarde