Menu
Busca quarta, 15 de julho de 2020
(67) 99659-5905
AGENTES DE SAÚDE

Mobilização pede derrubada da nova Política Nacional de Atenção Básica

05 outubro 2017 - 11h35Por Guilherme Pires

Agentes Comunitários de Saúde e Endemias, enfermeiros, representantes do Conselho Bucal e do Conselho Municipal de Dourados, realizaram na manhã desta quinta-feira (05), na Praça Antônio João, uma mobilização contrária à nova Política Nacional de Atenção Básica, votada no último dia 21, que unifica cargos atribuindo novas funções a um único profissional e também o repasse de verbas não mais de forma específica. 

Outra mudança é a não obrigatoriedade do profissional dentista nas unidades de atendimentos, caberá ao gestor decidir se terá ou não. Além disso, os agentes de endemias passarão a entender como agente de saúde e vice-versa, em relação aos agentes de saúde. 

Solange Machado de Menezes, agente comunitária de saúde e Secretária dos Agentes de Saúde e Endemias, diz que os profissionais entendem a medida já aprovada, como um retrocesso e morte do SUS (Sistema Único de Saúde). 

“Esta política é um retrocesso na saúde pública, não só para nós profissionais, mas também para a população. Agora, teremos mais funções e a pessoa que possui uma doença crônica, por exemplo, pode ser atendido por um agende de endemia, isto é, o mesmo que vacina um animal”, afirma. 

Um ponto também questionado como afirmado no início da matéria, é o fato que a verba repassada não será mais específica. Antes era assim, uma quantia x era destinada especificamente para a saúde, agora o valor repassado será usado conforme o gestor quiser. 

Para o vice-presidente do Sindicato Regional dos Agentes Comunitários de Saúde e Combate a Endemia (Sindracse), isto faz com que não ocorra mais prevenção de doenças, mas somente a cura delas. “O investimento será para curar, ou seja, quando a pessoa já estiver com a doença, sendo que atualmente além de tratar as pessoas que já estão doentes, trabalhamos com a prevenção”, conclui. 

Derrubada

Em Brasília, o deputado Mandetta (DEM-MS), deu entrada no Projeto de Decreto Legislativo 786/17, que susta a Portaria do Ministério da Saúde 2.436/2017. 

O deputado alega que o quantitativo é mínimo e sobrecarregará os profissionais. “A cobertura limita-se a dispor apenas do quantitativo mínimo para cada equipe, também prevê a adesão e o financiamento de equipes da Atenção Básica sem a previsão da obrigatoriedade do profissional Agente Comunitário de Saúde, que foi o maior responsável pelo grande avanço na prevenção”, finaliza.

 

Deixe seu Comentário

Leia Também

PANDEMIA
Mais três municípios solicitam à Assembleia reconhecimento de estado de calamidade
BRASIL
AGU pede ao STF que União defina aplicação de recursos da Lava Jato
MATO GROSSO DO SUL
Saúde divulga novo mapa hospitalar de leitos para coronavírus
BRASIL
Diabetes afeta rotina familiar de 80% dos pacientes, diz pesquisa
CAMPO GRANDE
Mulher é multada por atear fogo em resíduos no quintal
BRASIL
Indenização para profissional da saúde afetado por covid-19 é aprovada
MS
MPT solicita inspeção em frigoríficos para verificar medidas sanitárias diante de pandemia
CORUMBÁ
Suspeito de matar dona de restaurante é preso em motel
ECONOMIA
Dólar fecha em queda após atingir R$ 5,45
RESSOCIALIZAÇÃO
Estado lidera ranking de políticas positivas voltadas a presas

Mais Lidas

DOURADOS
‘Deus no comando amem’: antes de crimes, atirador postou pregação religiosa
BARBÁRIE
Homem assassina ex, atira em crianças e se mata no altar de igreja em Dourados
DOURADOS
Atirador baleou criança de quatro anos na cabeça ao abrir fogo para matar ex-mulher
DOURADOS
Atirador chegou em igreja na hora da comunhão e entrou dizendo ter feito bobagem