Menu
Busca quinta, 28 de maio de 2020
(67) 99659-5905

Marcelo Barros é contra aumento do IPTU em Dourados

05 janeiro 2010 - 14h41

O vereador do DEM, Marcelo Barros, condenou a atitude do prefeito Ari Artuzi que aproveitou o clima de festa de final de ano quando as pessoas estão preocupadas com confraternização e sorrateiramente aumentou o IPTU através de decreto. “O prefeito pode até ter utilizado uma válvula de escape que a legislação permite, mas agiu de má fé e foi desonesto com a população de Dourados ao aumentar o IPTU sem o respaldo dos vereadores e dos contribuintes”, afirmou o vereador, criticando a “falta de coragem” de Artuzi em assumir publicamente suas posições contrárias aos interesses da população. 
O comportamento do prefeito deixa claro que a preocupação maior de sua administração é conseguir recursos a qualquer custo, independente das formas utilizadas para isso. A legislação pode até prever que em determinadas circunstâncias o prefeito possa lançar mão de decretos para administrar, mas nesse caso, segundo apontou o vereador “a atitude do prefeito foi, no mínimo, desonesta com a população douradense”. 
“Esconder-se nas brechas oferecidas pela legislação é vergonhoso para alguém que se propõe a administrar com clareza e transparência. Mas este parece não ser o caso do senhor Ari Artuzi que só quer dinheiro e mais dinheiro para fazer sabe-se lá o quê”, observou o vereador democrata acrescentando ainda que “se ao menos os recursos da prefeitura fossem utilizados para tapar os buracos das ruas da cidade ou adquirir medicamentos e equipamentos para a prestação de um melhor serviço na área da saúde e no aspecto geral da administração, seria discutível. 
Marcelo lamentou que as intenções de Artuzi ao aumentar o IPTU “no apagar das luzes do ano de 2009” era a de ludibriar a população, pois deve ter achado que ninguém iria perceber da arbitrariedade que estava cometendo. O Diário Oficial do dia 30 de dezembro de 2009, de número 2668 (último publicado no ano) traz o decreto do prefeito. Ao que tudo indica a prefeitura ainda lança mão do artifício de não permitir a leitura do decreto uma vez que na internet o acesso é dificultado por questões aparentemente “técnicas” (a página que contem o diário oficial não abre), impedindo assim uma divulgação maior do feito. 
O vereador está estudando com sua assessoria uma forma de conter esse “ímpeto famigerado do prefeito” em querer aume4ntar a arrecadação de Dourados de qualquer maneira. “Desde já conclamo a sociedade a se levantar contra essa medida do prefeito e exigir que nossos direitos e nossas posições sejam respeitadas”, disse Marcelo Barros. 
Por outro lado o vereador lamentou também que Artuzi tenha desrespeitado, mais uma vez, a Câmara de Vereadores. “Quanto a mim que sou oposição aos desmandos e arbitrariedades cometidas pelo prefeito é normal, mas o cidadão que o elegeu e os vereadores que lhe oferece apoio na Câmara foram desrespeitados e enganados com mais essa atitude desonesta do senhor Artuzi”, concluiu o democrata.

Deixe seu Comentário

Leia Também

CAPITAL
Golpista clona WhatsApp de vereador e pede dinheiro a pelo menos 30 pessoas
AJUDA DE 600 REAIS
Mais 2,5 milhões de pessoas recebem hoje o Auxílio Emergencial
MORENINHAS
Idoso morre carbonizado durante incêndio em residência
IMPOSTO
Licenciamento de veículos com placas final 1 e 2 vence nesta sexta
INVESTIGAÇÃO
Governo pede ao STF que suspenda depoimento de Weintraub
SIDROLÂNDIA
Motociclista morre em acidente com caminhão boiadeiro na BR-060
TEMPO
Quinta-feira de sol com algumas nuvens em Dourados; não chove
CORREIOS
Cadela encontra droga avaliada em R$ 200 mil em encomendas despachadas
ECONOMIA
Senado Federal aprova MP do aumento salário mínimo para R$ 1.045
CORUMBÁ
Cinco funcionários são presas acusadas de venda e receptação de tijolos

Mais Lidas

DOURADOS
Paciente com suspeita de coronavírus afasta mais de 20 profissionais da saúde no HV e UPA
PANDEMIA
Dourados é "campeã" de casos de coronavírus em MS pelo 3º dia consecutivo
PANDEMIA
Dourados investiga morte com suspeita do novo coronavírus
DOURADOS
Empresários cobram de Délia prova científica para justificar toque de recolher