Menu
Busca quinta, 09 de abril de 2020
(67) 9860-3221

Heróis Dourados: panegírico a Nicanor Coelho, por Wilson Biasotto

08 fevereiro 2013 - 09h43

Dificilmente escrevo uma crônica dirigida em especial a alguma pessoa. De memória lembro-me de ter me referido a Emmanuel Marinho, nosso poeta maior, a Dona Ercília Pompeu de Toledo, uma pioneira, verdadeira enciclopédia da história do cotidiano douradense e Alaércio Abraão, figura impoluta que amava Dourados tanto quanto dona Ercília.

A crônica de hoje dedico-a ao jornalista Nicanor Coelho, personagem um tanto irreverente, senhor de um temperamento que nem sempre agrada a gregos e troianos, mas uma pessoa com propósitos admiráveis, um sonhador-guerreiro que bem poderia ter a sua história contada no livro “Heróis Dourados”, não fora ele próprio o autor.

Em um trabalho de cadastramento de livros publicados em Dourados que estou desenvolvendo e postando no site www.biasotto.com.br no link “livros douradenses” faço uma breve resenha sobre o último lançamento de Nicanor Coelho, com os seguintes comentários:

“Heróis Dourados foi lançado no dia 12/12/12, no espaço Kikão restaurante, juntamente com outros três livros já cadastrados nesse site –refiro-me ao site acima citado - (Prosa Douradense, Uma luz na escuridão e Lueji). Fui ao evento imaginando que somente Nicanor Coelho estivesse lançando o seu livro e, confesso, compareci muito mais em consideração ao autor do que propriamente pelo título do livro de Nicanor Coelho, quer dizer fui meio a contragosto pois essa história de heróis é coisa superada. Imaginava que o livro iria tratar, como é comum quando ocorrem esses títulos, de figurões da cidade, mas para minha surpresa e encanto a obra traz histórias de gente do povo, homens e mulheres, na maioria dos casos humildes, que dedicam ou dedicaram grande parte de suas vidas em prol de ideais humanísticos.

Algumas das histórias são trágicas, outras demonstram a luta árdua, constante e duradoura, mas nem sempre coroada de êxito. Isso talvez seja o fator que justifica o título de heróis, pois os personagens denotam a persistência, a tenacidade, a fibra de pessoas que embora não tenham conseguido alcançar a riqueza material ou a glória da vitória em suas lutas, jamais desistiram ou se arrependeram por terem lutado”.

A resenha é curta, apenas uma nota informativa sobre a obra e não uma resenha crítica, essa sim seria mais profunda e, por via de consequência, mais longa. Nessa crônica pensei em imitar Nicanor e fazer dele um dos “heróis dourados”, o que pode ter duplo sentido, como o título do livro, ou seja, os heróis podem ser de Dourados ou, por valerem ouro, serem dourados.

Mas como as crônicas têm as suas limitações espaciais, acrescento apenas que o livro merece ser lido pelos douradenses para saberem que ao lado dos homens públicos que deram nomes às ruas e logradouros, estiveram também pessoas humildes, mas capazes de atos edificantes, não obstante não ocuparem cargos elevados ou terem posses materiais que pudessem utilizar para realizar boas obras.

Quanto a Nicanor Coelho, é um idealista e como tal sonhou com muitos projetos artísticos e culturais, incluindo o grupo Arandu e a Academia Douradense de Letras. Mas o que mais impressiona e merece os mais efusivos elogios é que Nicanor Coelho, mesmo sem grandes posses, não tendo ao menos uma gráfica, criou uma editora e já publicou, entre 1992 e 2012, mais de duas centenas de livros, 217, para ser mais preciso.

Foram 20 anos de dedicação e de perseverança de um amador de livros, sempre solícito e procurando abrir espaços para os novos escritores numa cidade, estado e país onde ainda se lê muito pouco. Ao distribuir tantos livros Nicanor Coelho faz-me lembrar Castro Alves: “Oh! Bendito o que semeia / Livros… livros à mão cheia… / E manda o povo pensar! / O livro caindo n'alma / É germe - que faz a palma, / É chuva - que faz o mar”.


suas críticas são bem vindas: biasotto@biasotto.com.br






Wilson Valentim Biasotto *

• Membro da Academia Douradense de Letras; aposentou-se como professor titular pelo CEUD/UFMS, onde, além do magistério e desenvolvimento de projetos de pesquisas, ocupou cargos de chefia e direção.

Deixe seu Comentário

Leia Também

SANEAMENTO BÁSICO
Esquema envolvendo funcionários de estatal desviava materiais de construção
SAÚDE
Municípios do interior começam a receber respiradores hospitalares nesta semana
FLAGRANTE
Contrabando de cigarros é apreendido escondido em meio a fenos
REGIÃO
Após investigações, polícia prende dupla realizava furtos em Maracaju
ARTIGO
Dourados não pode errar!
POLÍCIA
Acusado de tentar matar duas pessoas em chácara acaba preso
EMERGENCIAL
Receita regulariza CPFs com pendências para pagamento de auxílio
CONTRA O COVID-19
Com início do feriado, MS registra 58 mil pessoas abordadas em barreira
REGIÃO
Operação fecha ‘boca de fumo’ com cinco ‘funcionários’ em Juti
BALANÇO
Em 3 meses, AGU cobra R$ 37 mi de autores de irregularidades em autarquias

Mais Lidas

DOURADOS
Mulher tenta desviar de buraco, é atropelada por carreta e morre
DOURADOS
Assassinos de homem no Parque das Nações roubaram celular de testemunha
DOURADOS
Na volta ao atendimento, populares formam filas longas em frente a agências bancárias
DOURADOS
Mulher morta em acidente cursava pedagogia e terá corpo levado a Naviraí