domingo, 21 de abril de 2024
Dourados
29ºC
Acompanhe-nos
(67) 99257-3397
DOURADOS

Frente parlamentar se reúne para traçar soluções em área de conflitos por terra

03 abril 2024 - 17h50Por Da Redação

A Frente Parlamentar em Defesa da Solução de Conflitos entre Indígenas e Proprietários de Terras do Município de Dourados, criada na Câmara de Vereadores local, se reuniu na manhã desta quarta-feira (03), no Plenarinho da Casa para compartilhar informações sobre as últimas ações desenvolvidas no primeiro trimestre de 2024.

A Frente tem o reconhecimento da comunidade indígena e dos agricultores, por conseguir estabelecer a pacificação entre as partes, cujos confrontos deixaram de acontecer e os interesses começaram a ser tratados com a moderação dos vereadores integrantes da Frente, do Ministério Público e da Funai.

Entre as ações, em fevereiro ocorreu reunião com o Ministério Público Federal para discutir as propostas de acordo mais adequadas ao cenário da região, onde indígenas e sitiantes disputam áreas localizadas no entorno da Reserva Federal.

Na ocasião, entendeu-se que a proposta de pagamento em dinheiro seria a mais viável para os produtores presentes, enquanto a proposta de permuta com imóveis da União seria uma alternativa viável, podendo ser destinada aos proprietários e aos indígenas. Também, como alternativa, falou-se com fundos internacionais ou do Projeto Itaipu. Nesse sentido foi acordado a elaboração de um projeto para ser encaminhado às instituições de fomento e outras partes interessadas.

Em março a Frente reuniu-se com produtores para revisar os laudos de avaliação de suas propriedades. Foi destacada a necessidade de qualificar os imóveis rurais propostos e seus valores venais em moeda vigente para o projeto de aquisição de recursos. Também em março, aconteceu reunião com o Ministério Público Federal para iniciar a elaboração do projeto a ser enviado às instituições de fomento e outras partes interessadas. Participaram o procurador Marco Antônio, um antropólogo e um assessor do MPF, responsável pela comunicação com os indígenas. Foram definidas as responsabilidades de cada parte envolvida.

Ainda em março, reunião técnica com a juíza auxiliar da Presidência do Supremo Tribunal Federal, Trícia Navarro Xavier Cabral, responsável pelo Núcleo de Solução Consensual de Conflitos (Nusol). Foi informado ao STF sobre os trabalhos na região, a participação da frente parlamentar e as possibilidades de acordo. Foi questionado se um acordo poderia ser homologado pelo Supremo para garantir a segurança jurídica aos envolvidos e a resposta foi positiva. Nova reunião está agendada para o dia 9 de abril.

Além das agendas pontuadas, os assessores jurídicos da Frente Parlamentar, Joao Waimer e Francielo Juliano de Moraes, também coletaram e atualizaram os laudos de avaliações dos imóveis nas propriedades localizadas nas áreas de conflito. No total, foram produzidos oito laudos, os quais incluem informações sobre localização, área, benfeitorias e valor venal. Nem todos os produtores forneceram as informações necessárias. Os laudos apresentados abrangem uma área de 113.4 hectares, avaliados em R$ 56.920.919,00, entretanto, uma área aproximada de 325 hectares ainda não possui avaliação ou proposta por parte dos proprietários.

PRÓXIMOS PASSOS

O presidente da Frente Parlamentar, Rogério Yuri, definiu com os demais participantes os próximos passos com propósito de trazer novas informações, capazes de elucidar dúvidas e fundamentar as próximas ações, como, por exemplo, laudo da Agraer; laudo do Sindicato Rural, com estimativa em hectares do prejuízo ao produtor em razão da invasão; laudo Associação Comercial, com estimativa do prejuízo dos empresários caso haja paralisação das atividades econômicas e se já houve empresas que paralisaram ou encerraram atividades.

Também deve ser providenciado, entre outras, levantamento no cartório das áreas lindeiras à Reserva Indígena; perícia topográfica, certidões vintenárias; matrículas georeferenciamento das aldeias Jaguapiru e Bororó que compõem a Reserva Indígena de Dourados, além de cópia da matrícula das aldeias Jaguapiru e Bororó e georeferenciamento da Reserva Indígena.

Deixe seu Comentário

Leia Também

Brasil deve exportar 96 milhões de toneladas de soja em 2024
ESTIMATIVA

Brasil deve exportar 96 milhões de toneladas de soja em 2024

SAÚDE

Apenas 22% do público-alvo se vacinou contra a gripe

CONSUMIDOR

Senacon notifica sites de e-commerce por venda de dióxido de cloro

CULTURA

Mulheres sambistas lançam livro-disco infantil com protagonista negra

FUTEBOL

Palmeiras e Flamengo se enfrentam pelo Campeonato Brasileiro

CULTURA

Intervenções urbanas descortinam outra Brasília

EDUCAÇÃO

Seleção oferta bolsas para estudantes-atletas do IFMS

HEMISFÉRIO SUL

'Cometa do Diabo' poderá ser visto em todo o Brasil neste domingo

UNIVERSIDADE

Mestrado em Agronomia abre inscrições para aluno regular

DOURADOS

Investigado por importunação sexual é preso após denúncia

Mais Lidas

DOURADOS 

Jovem é estuprada após ser abordada por desconhecido em Saveiro branco

COTAÇÃO

Soja segue em destaque no mercado do agro em Dourados, confira cotação

DOURADOS

Justiça manda arquivar processo de improbidade contra envolvidos na Operação Pregão

DOURADOS 

Mulher de 46 anos morre atropelada por motocicleta na MS-156