Menu
Busca quinta, 28 de maio de 2020
(67) 99659-5905

Entidades de Dourados agradecem Marçal Filho por asfalto

01 fevereiro 2010 - 08h01

Presidentes e membros de entidades, com sedes na região do Altos do Indaiá, estão felizes com a iniciativa do deputado federal Marçal Filho de buscar recursos para beneficiar essa área da cidade. A diretoria da Associação de Moradores do Jardim das Primaveras, outro bairro que será contemplado no projeto, também está contente com a notícia divulgada pela imprensa, na última segunda-feira, sobre a cerimônia de assinatura do convênio de R$ 2 milhões empenhados pelo deputado, junto ao Ministério da Integração Nacional e que serão investidos em obras de drenagem e asfalto nos bairros Altos do Indaiá e Jardim das Primaveras, em Dourados.

Na semana passada, em seu gabinete, o deputado recebeu um grupo de membros da Associação da Colônia Paraguaia, do município, que sem esconder o contentamento, elogiou o trabalho que o deputado vem desenvolvendo em seu terceiro mandato na Câmara Federal, mesmo estando há pouco tempo, pois assumiu o cargo no final de julho do ano passado.

O presidente da Colônia Paraguaia Elizeu Rodriguez Cristaldo, espera com expectativa o início das obras na região. “Hoje as ruas estão em péssimo estado. Toda fez que realizamos eventos na Colônia Paraguaia é um sofrimento. Quando chove fica intransitável e temos que cancelar as festas.
Já em dia de sol precisamos redobrar o cuidado com a higiene dos alimentos, por conta da poeira. Com esse benefício poderemos melhorar a recepção dos nossos visitantes e até aumentar o número de associados”, concluiu o presidente da entidade.

O presidente da Associação de Moradores do Jardim das Primaveras, Honório José Ferreira conta que há muito tempo a população vem sofrendo com poeira, buracos e principalmente a lama. “O barro atola até caminhão, a circular deixa de passa, porque não entra. O asfalto não vai beneficiar somente os moradores, mas toda a cidade de Dourados, porque melhora o acesso às várias
entidades e também ao Hospital Universitário. Toda a população está muito grata ao deputado e jamais vai esquecer esse gesto dele”, salienta Honório.
Outras entidades que serão beneficiadas pelo convênio são a Associação Médica e a Casa de Apoio, da Congregação Cristã no Brasil. Essa última conta com um prédio de mais de 1.000 metros m² de área construída com 44 apartamentos, além banheiros, cozinha e refeitório, para receber pessoas que vem de fora para tratamento médico.

O empresário Raimundo Libório, que é diácono da Obra da Piedade, explica que o prédio foi construído com doações da irmandade e está avaliado em mais de R$ 2,5 milhões. Ele conta que os trabalhos, que devem iniciar no mês de março, podem ser prejudicados por conta das condições das ruas. “Hoje a situação é bastante difícil. Do lado onde o prédio foi construído, se chover, nenhum carro de passeio entra e principalmente ambulância. O asfalto vai ajudar muito”, conclui Libório.

Deixe seu Comentário

Leia Também

NO PALÁCIO DA ALVORADA
Ação contra fake news é para censurar mídias sociais, diz Bolsonaro
MATO GROSSO DO SUL
Projeto prevê suspensão da restrição do CPF por dívidas relativas ao IPVA
PANDEMIA
Ainda com baixa incidência, taxa de contágio de MS é uma das maiores do país
BRASIL
Aras se manifesta contra pedido para apreender celular de Bolsonaro
PANDEMIA
Novo coronavírus ainda não chegou aos distritos de Dourados
DOURADOS
Primeiro dia de barreira sanitária flagrou três suspeitos de coronavírus
ARTIGO
Home Office
COVID-19
MPE pede multa diária de R$ 30 mil ao município por falta de estudo epidemiológico de casal
COVID-19
Curva segue ascendente e Dourados ultrapassa 200 casos de coronavírus
APARECIDA DO TABOADO
Proprietário de fazenda é autuado em quase R$ 13 mil por exploração ilegal de madeira

Mais Lidas

DOURADOS
Paciente com suspeita de coronavírus afasta mais de 20 profissionais da saúde no HV e UPA
PANDEMIA
Dourados é "campeã" de casos de coronavírus em MS pelo 3º dia consecutivo
PANDEMIA
Dourados investiga morte com suspeita do novo coronavírus
DOURADOS
Empresários cobram de Délia prova científica para justificar toque de recolher