Menu
Busca terça, 04 de agosto de 2020
(67) 99659-5905
DESEMPREGO

Em meio a pandemia, mais de 100 merendeiras da Rede Municipal são demitidas em Dourados

09 julho 2020 - 10h02Por Adriano Moretto

Em meio a pandemia do novo coronavírus, 120 merendeiras que prestam serviço em Dourados para a Aex Alimenta Comércio de Refeições e Serviços Ltda, terceirizada contratada via processo licitatório pela Secretaria Municipal de Educação em 2018, foram informadas sobre a demissão via aplicativo de mensagem whatsapp. 

A partir de amanhã (10/7) e por ordem alfabética, o grupo começará a realizar os exames demissionais. 

Com as aulas presenciais suspensas desde a segunda metade de março, as trabalhadoras vinham recebendo os vencimentos em dia, porém, acabaram surpreendidas com a determinação no início da semana. 

De acordo com uma dessas pessoas demitidas, que não terá o nome divulgado, a empresa justifica o caso com a não continuação de contrato partindo da administração municipal. 

“Dizem que é quebra de contrato por causa da pandemia. Caráter de urgência, falta de verbas”, contou. 

O fato foi confirmado na manhã desta quinta-feira (9/7) pelo departamento jurídico da Aex. 

“Estamos sem contrato desde março, quando houve a suspensão das aulas. Durante esse período ainda arcamos com as profissionais, porém, como não há perspectiva do retorno e a manutenção dos repasses, estamos sem condições de mantê-las”, diz o setor que representa a empresa. 

As merendeiras estão paradas desde o início das ações de combate a pandemia em Dourados. Cada uma delas é contratada para prestar serviço por 8h diárias nas escolas, com rendimento médio de R$ 1.062. 

Mesmo com a suspensão das aulas presenciais e o não deslocamento das trabalhadoras às unidades educacionais, esses recursos eram repassados em dia e o grupo recebia normalmente. 

“A única coisa que nos cortaram foi o ticket alimentação”, disse uma das fontes ouvidas, prosseguindo em seguida: “temos filhos pequenos, alguns maridos estão desempregados, é complicado”, relata. 

Acordo 

De acordo com o departamento jurídico da Aex, após a paralisação, um ofício foi encaminhado pela administração municipal informando sobre a perda de objeto do contrato vigente. 

Segundo o setor, como resposta foi proposto uma revisão contratual e ainda a suspensão das trabalhadoras baseada na Medida Provisória 936, que permite acordo entre empresa e funcionário, evitando a demissão por prazo de dois meses com a União repassando parte dos salários. 

“Foi realizada essa proposta, mas, não houve retorno. Como não podemos mais  bancar os custos, tivemos que demitir, com a promessa de, caso o contrato seja retomado, realizaremos a nova admissão”, relata. 

Prefeitura

O Dourados News buscou informações e justificativas sobre o assunto junto ao secretário de Educação Upiran Gonçalves, que não atendeu as ligações. 

Na tarde de ontem (8/7), o procurador-Geral do Município, Sérgio Henrique Martins de Araújo chegou a ser consultado sobre o tema, porém, disse que apenas o gestor da pasta poderia se manifestar.

A reportagem também foi atrás de posicionamento com a assessoria de comunicação da prefeitura por e-mail na manhã desta quinta-feira (9/7). 

Em resposta, a administração confirmou a pandemia e a ausência das aulas presenciais como motivos pela não continuação do contrato. 

O Município também alegou não ser possível justificar o empenho pago à Aex ao Tribunal de Contas do Estado, já que a prestação de serviço não é realizada. 

“A suspensão das aulas presenciais, nas unidades educacionais da REME, na segunda quinzena de março, devido a pandemia, consequentemente fez com que a merenda deixasse de ser preparada nas mesmas. Diante disso, perante o Tribunal de Contas não há como justificar o empenho de R$ 348 mil reais pagos a terceirizada Aex para contratação das merendeiras, visto que a mão de obra destas nas unidades educacionais não tem ocorrido. Tão logo ocorra o retorno das aulas presenciais, a situação deverá ser revista”, diz a nota encaminhada ao Dourados News.

Licitação

Vencedora do processo licitatório aberto em 2017 pela administração municipal, mas, finalizado apenas em março do ano seguinte, a Aex teve empenhado em 2020 para pagamento por parte do Município, R$ 5.573.688,40 divididos em três parcelas. 

O valor pago até o momento é de R$ 1.393.168,25, conforme aponta o Portal da Transparência da prefeitura de Dourados. 

 

Deixe seu Comentário

Leia Também

RIO NEGRO
Mulher é agredida ao pedir que netas parassem com som alto e bebedeira
RACHADINHAS
Procuradoria pede ao STJ que mande Fabrício Queiroz de volta à cadeia
PEDREIRO ASSASSINO
PM encontra com suspeito de estupro motocicleta de vítima de serial killer
JUSTIÇA
Ex-prefeito de Aquidauana é multado em R$ 13 mil por falta de transparência
BATAGUASSU
Polícia serra assoalho de veículo e encontra 108 quilos de maconha
UEMS
Inscrições abertas para seleção de docente Tradutor e Intérprete de Libras
POLÍTICA
Senador Nelsinho Trad conseguiu liberar R$ 59,4 milhões para MS em julho
NOVA ANDRADINA
Homem é preso por desacato e dirigir veículo sob influência do álcool
JUSTIÇA
TJ/MS lança Consulta Pública e declara aberto Planejamento Estratégico 2021-2026
INVESTIMENTO
Sanesul assina ordem de serviço para melhorias da rede de água em Aparecida do Taboado

Mais Lidas

TRÁFICO DE DROGAS
Força Aérea persegue pilotos que sobrevoavam MS com mais de 1 t de cocaína
DOURADOS
Quatro pessoas são presas acusadas de fazerem parte de facção criminosa
CORONAVÍRUS
Dourados confirma o 57º óbito e chega a 4.357 casos registrados desde o início da pandemia
DOURADOS
Condutor de veículo que atropelou ciclista e fugiu sem prestar socorro é identificado