Menu
Busca sábado, 04 de abril de 2020
(67) 9860-3221
GREVE GERAL

Em manifesto, sindicalistas dizem que "pressão" contra o governo continuará

14 junho 2019 - 16h35Por Gizele Almeida

Na tarde desta sexta-feira (14), manifestantes se reuniram em frente a sede do INSS (Instituto Nacional do Seguro Social), na avenida Weimar Gonçalves Torres, em Dourados para dar sequência a ato da Greve Geral. O movimento teve início nesta sexta-feira (14),pela manhã, na Praça Antônio João, e foi retomado nesta tarde, com pautas contra a Reforma da Previdência, cortes na Educação Pública, intervenção nas Universidades Federais e privatizações. 

Por volta das 14h, o ato reuniu centenas de participantes entre representantes sindicais, estudantes e público em geral, em frente à sede do Instituto. Posteriormente os manifestantes seguiram em caminhada pela Marcelino Pires e terminou na Havan, rede de lojas de propriedade de Luciano Hang, que mantém posicionamento oposicionista às medidas da esquerda brasileira. 

Durante a ação, panfletagem foi realizada com população e comerciantes e também intervenções culturais com danças, encenações e ‘batucadas’ na via. 

Ronaldo Ramos, do Sindicato dos Bancários, diz notar que os movimentos em todo o país tem refletido no andamento da Reforma da Previdência. Ele cita alguns pontos da proposta que para os manifestantes representam retirada de direitos e que acredita que deveriam ser revistos. 

“Os Governadores e deputados da oposição tem buscado modificações no texto da Reforma e vemos que os movimentos tem feito a diferença, temos mostrado nossa indignação. Somos contra a aprovação da pauta como tem sido colocada, com aumento do tempo de contribuição, desconstitucionalização, afetando o servidor público e também trabalhadores, em especial os que vão receber de um a dois salários mínimos. Precisamos desse enfrentamento para que haja alterações no texto”, pontua. 


Ele destacou que os participantes vão traçar outras ações referentes a pauta, as quais visam também alcançar a população, sendo que “a pressão continuará”. 

Estudantes da UFGD além da “bandeira” contra cortes de gastos na educação, se posicionavam contrários a nomeação da reitora interina Mirlene Ferreira Damazzio. Para eles, a decisão do ministro Abraham Weintraub sem levar em conta a consulta prévia, interfere na independência universitária. 

A Polícia Militar acompanhou os atos nesta tarde (14) e auxiliou o trânsito para maior segurança. 

 

 

 

Deixe seu Comentário

Leia Também

CAPITAL
Polícia localiza jovem que estava desaparecida desde quarta-feira
POLÍTICA
'Médico não abandona paciente', diz Mandetta sobre eventual demissão
CAPITAL
Mulher vê filha ser estuprada pelo avô que também a violentou quando criança
COVID-19
Saúde de MS recebe seis mil testes rápidos para diagnóstico do coronavírus
FRONTEIRA
Polícia Militar apreende 327 quilos de maconha em dois veículos
Marie Claire
Ex-BBB20 Felipe Prior é acusado de violentar mulheres, diz revista
SEU BOLSO
Governo antecipa prazo final de saque do abono do PIS-Pasep
JUSTIÇA
Mulher ofendida por rede social será indenizada por dano moral
ESCOLTA
PRF realiza escolta no repatriamento de brasileiros vindos da Bolívia
SAÚDE
Estudantes da UFGD criam site para divulgar dados atualizados da covid-19

Mais Lidas

DOURADOS
Exame de jovem que morreu no HU testa negativo para coronavírus
COVID-19
Dourados tem mais um caso confirmado de coronavírus
DOURADOS
Jovem morre no HU e município pede agilidade no resultado do exame de coronavírus
CORONAVÍRUS
Dourados registra mais dois casos de Covid-19 e MS tem 60 confirmações