Menu
Busca quarta, 16 de junho de 2021
(67) 99257-3397
GREVE GERAL

Em manifesto, sindicalistas dizem que "pressão" contra o governo continuará

14 junho 2019 - 16h35Por Gizele Almeida

Na tarde desta sexta-feira (14), manifestantes se reuniram em frente a sede do INSS (Instituto Nacional do Seguro Social), na avenida Weimar Gonçalves Torres, em Dourados para dar sequência a ato da Greve Geral. O movimento teve início nesta sexta-feira (14),pela manhã, na Praça Antônio João, e foi retomado nesta tarde, com pautas contra a Reforma da Previdência, cortes na Educação Pública, intervenção nas Universidades Federais e privatizações. 

Por volta das 14h, o ato reuniu centenas de participantes entre representantes sindicais, estudantes e público em geral, em frente à sede do Instituto. Posteriormente os manifestantes seguiram em caminhada pela Marcelino Pires e terminou na Havan, rede de lojas de propriedade de Luciano Hang, que mantém posicionamento oposicionista às medidas da esquerda brasileira. 

Durante a ação, panfletagem foi realizada com população e comerciantes e também intervenções culturais com danças, encenações e ‘batucadas’ na via. 

Ronaldo Ramos, do Sindicato dos Bancários, diz notar que os movimentos em todo o país tem refletido no andamento da Reforma da Previdência. Ele cita alguns pontos da proposta que para os manifestantes representam retirada de direitos e que acredita que deveriam ser revistos. 

“Os Governadores e deputados da oposição tem buscado modificações no texto da Reforma e vemos que os movimentos tem feito a diferença, temos mostrado nossa indignação. Somos contra a aprovação da pauta como tem sido colocada, com aumento do tempo de contribuição, desconstitucionalização, afetando o servidor público e também trabalhadores, em especial os que vão receber de um a dois salários mínimos. Precisamos desse enfrentamento para que haja alterações no texto”, pontua. 


Ele destacou que os participantes vão traçar outras ações referentes a pauta, as quais visam também alcançar a população, sendo que “a pressão continuará”. 

Estudantes da UFGD além da “bandeira” contra cortes de gastos na educação, se posicionavam contrários a nomeação da reitora interina Mirlene Ferreira Damazzio. Para eles, a decisão do ministro Abraham Weintraub sem levar em conta a consulta prévia, interfere na independência universitária. 

A Polícia Militar acompanhou os atos nesta tarde (14) e auxiliou o trânsito para maior segurança. 

 

 

 

Deixe seu Comentário

Leia Também

POLÍTICA
Câmara aprova incentivo fiscal a quem doar a pesquisas contra covid-19
IMUNIZAÇÃO
População indígena lidera índice de vacinação no Brasil
FUTEBOL
Náutico domina Vila Nova, mantém 100% e segue na ponta da Série B
STF
Ministro concede a Wilson Witzel direito de não comparecer à CPI da Covid
Câmara aprova MP que libera verba para municípios atingidos por chuvas
POLÍTICA
Câmara aprova MP que libera verba para municípios atingidos por chuvas
MINISTÉRIO DO TURISMO
Nove em cada 10 empreendedores que acessaram recursos são pequenas empresas
JUSTIÇA
CNJ aprova resolução sobre orientações jurídicas para casamentos
UNIGRAN
XVIII Jornada Acadêmica de Psicologia aborda efeitos da pandemia na Psicanálise
FUTEBOL
Copa América: seleção treina na Granja Comary
CODESUL
Governador propõe unificação de atas de preços e mutirão pós-pandemia

Mais Lidas

DOURADOS
Adolescente morre atropelado na BR-163 e condutor foge do local
DOURADOS
Homem tem carro furtado depois de ir com quatro pessoas para motel na BR-463
DOURADOS
Adolescentes e jovem são levados para DP para esclarecer furto de carro em motel
DOURADOS
Após filas e aglomerações, secretário faz duras críticas à população