Menu
Busca terça, 14 de julho de 2020
(67) 99659-5905
APOIO

Dourados tem passeata em protesto contra prisão de produtores rurais

07 outubro 2017 - 11h03Por Da Redação

O Sindicato Rural de Dourados participou neste sábado, dia 07 de outubro, de uma passeata realizada na Avenida Marcelino Pires, em protesto contra a prisão de cinco produtores rurais de Caarapó, que voltaram para a cadeia por decisão do STF (Supremo Tribunal Federal).
 
Liderados pelo presidente Lúcio Damália, diretores e filiados do sindicato se uniram a amigos e familiares dos produtores e marcharam pela principal avenida de Dourados, para pedir paz no campo, pelo direito de propriedade e para cobrar liberdade a Nelson Buanain Filho, Jesus Camacho, Virgílio Mettifogo, Dionei Guedin e Eduardo Yoshio Tomanaga.
 
Carregando faixas e cartazes e usando um carro de som, os produtores chamaram a atenção das pessoas que circulavam pelo centro e que estavam nas lojas do comércio douradense sobre a importância do respeito ao direito de propriedade e às leis do país. Também destacaram a força do agronegócio para a economia brasileira e pediram apoio de toda a população. Em plena avenida, cantaram o Hino Nacional.
 
“Não somos contra os indígenas, porque somos todos vítimas das ações do governo e dos políticos. Defendemos o nosso direito de produzir em paz, com respeito às leis do país”, afirmaram os líderes do movimento.
 
“Os produtores estão presos injustamente por um conflito que aconteceu quando defendiam suas terras. São todas pessoas de bem. Tem tanto bandido solto e eles estão lá, precisando trabalhar, estamos na época do plantio e eles presos”, afirmou o vice-presidente do Sindicato Rural de Caarapó, Carlos Eduardo Macedo, o Kaká.
 
Esse foi o segundo ato em protesto contra as prisões realizado nesta semana com apoio do Sindicato Rural. Na terça-feira (3), no auditório da entidade, centenas de produtores se reuniram para cobrar justiça e se manifestarem contra ações adotadas pelo MPF (Ministério Público Federal).
 
“Vivemos um momento delicado, de insegurança jurídica, de violação de direitos, de abuso de autoridade por parte daqueles que deveriam justamente defender o bom emprego da lei”, afirma Lúcio Damália. “Não defendo a violação dos direitos de ninguém, nem de indígena, nem de quilombola, nem de sem-terra, da mesma forma que não posso aceitar que nossos direitos de produtores rurais sejam violados em nome de uma causa que não é nossa”.
 
 

 

Deixe seu Comentário

Leia Também

PANDEMIA
Mais três municípios solicitam à Assembleia reconhecimento de estado de calamidade
BRASIL
AGU pede ao STF que União defina aplicação de recursos da Lava Jato
MATO GROSSO DO SUL
Saúde divulga novo mapa hospitalar de leitos para coronavírus
BRASIL
Diabetes afeta rotina familiar de 80% dos pacientes, diz pesquisa
CAMPO GRANDE
Mulher é multada por atear fogo em resíduos no quintal
BRASIL
Indenização para profissional da saúde afetado por covid-19 é aprovada
MS
MPT solicita inspeção em frigoríficos para verificar medidas sanitárias diante de pandemia
CORUMBÁ
Suspeito de matar dona de restaurante é preso em motel
ECONOMIA
Dólar fecha em queda após atingir R$ 5,45
RESSOCIALIZAÇÃO
Estado lidera ranking de políticas positivas voltadas a presas

Mais Lidas

DOURADOS
‘Deus no comando amem’: antes de crimes, atirador postou pregação religiosa
BARBÁRIE
Homem assassina ex, atira em crianças e se mata no altar de igreja em Dourados
DOURADOS
Atirador baleou criança de quatro anos na cabeça ao abrir fogo para matar ex-mulher
DOURADOS
Atirador chegou em igreja na hora da comunhão e entrou dizendo ter feito bobagem