Menu
Busca segunda, 06 de julho de 2020
(67) 99659-5905

Dourados registra sete casos de abuso sexual contra menores em apenas dois meses

26 fevereiro 2013 - 08h32

Fabiane Dorta, do Diário MS

Os casos de abuso sexual contra crianças e adolescentes lideram as ocorrências que chegam até o Creas/Paef (Centro de Referência Especializado de Assistência Social, de Proteção e Atendimento à Família e ao Indivíduo), relacionadas aos menores de 18 anos. Os registros têm aumentado com o passar dos anos e muitos daqueles que cometem este tipo violação são pessoas próximas ao convívio de amizade ou familiar dos jovens.

Este ano foram registrados sete casos de abuso sexual. No ano passado todo foram 90, quase 70% do total de 129 ocorrências que chegaram até o Centro. O local atende também casos de violência psicológica, física, negligência, abandono e trabalho infantil, registrados no disque denúncia ou encaminhados por outras instituições, como é o caso do Conselho Tutelar, delegacias e órgãos de Judiciário.

Segundo a psicóloga do Creas, Adriana Garritano, muitos dos casos de abuso ocorrem no ambiente familiar, já que o agressor geralmente espera ter a confiança da criança, seja este homem ou mulher. “Essa história de que alguém encontra e violência na rua é rara, a maioria é com um conhecido da família que tem acesso à intimidade da criança”, explica. Ela ainda lembra que a lei brasileira considera abuso não só o estupro, mas inclui desde forçar a criança a assistir pornografia.

De acordo com ela, a família deve ficar atenta às mudanças de comportamento da criança. “O pai e a mãe precisam criar um espaço de diálogo aberto para a criança, dando assim segurança emocional para que ela se sinta a vontade para falar coisas difíceis. Muitas crianças acham que a culpa foi dela, por isso a criança não conta”, afirmou. Ainda lembra que é importante não expor a criança a outros tipos de violência.

Para Kézia Gouvêa Zago, coordenadora do Conselho Tutelar – órgão que recebe boa parte das denúncias –, a tendência é que os casos aumentem com o passar dos anos. Um dos fatores é a ‘banalização da sexualidade’, que acaba colaborando para abrir brecha para os casos de abuso.

“A sexualidade de uma maneira geral e, também das crianças, está muito aflorada hoje e, muitas vezes, os próprios pais são responsáveis por isso porque permitem que elas tenham contato com programas de televisão com cenas de sexo, musicais sensuais. Hoje vemos crianças de dois ou três anos rebolando de shortinho e meninas de 10 ou 11 anos tendo relação sexual com meninos de 15 ou 16 anos”, explica. A conselheira ainda lembra que os pais têm papel importante em atuar como protetores dos filhos, já que muitos dos casos ocorrem em lares desestruturados.

Deixe seu Comentário

Leia Também

DOURADOS
Acidente entre moto e carro deixa homem com suspeita de fratura em uma das pernas
HOSPITAL DA VIDA
Condutor de veículo que atingiu ciclista presta depoimento no hospital
DOURADOS
Semana começa com previsão de sobe e desce de temperatura, entre 8ºC e 34ºC
IZIDRO PEDROSO
Acusado de matar secretário de Agricultura será ouvido nesta manhã
BR-163
Acidente envolvendo carro e carreta deixa duas pessoas mortas
TV DOURADOS NEWS
Como ficam as novas regras para as eleições 2020? Quem explica é o advogado Noemir Felipetto
OPORTUNIDADE
MS tem 700 vagas de trabalho; 99 delas em Dourados
IGUATEMI
Homem morre e médico desconfia de envenenamento
TRÊS LAGOAS
Menina de três anos morre em hospital após cair na piscina e se afogar
BRASIL
Caixa deposita saque emergencial do FGTS para nascidos em fevereiro

Mais Lidas

POLÍCIA
Assassinado no Izidro é secretário de Agricultura Familiar de Dourados
DOURADOS
Ex-funcionário é o suspeito de matar secretário de Agricultura
DOURADOS
Antes do crime, homem que matou secretário havia sido demitido por não usar máscara
DOURADOS
“Um amigo, um conselheiro”, diz Délia após assassinato de secretário