quarta, 19 de janeiro de 2022
Dourados
37°max
25°min
Campo Grande
34°max
24°min
Três Lagoas
36°max
23°min
Acompanhe-nos
(67) 99257-3397

Dourados registra 300 casos de abuso sexual

24 setembro 2003 - 13h29

 Desde de que foi implementado, em junho de 2001, pela administração do prefeito Laerte Tetila, o programa Sentinela registrou 300 casos de exploração e abuso sexual. O Sentinela tem como meta amparar e orientar as crianças, adolescentes e seus familiares, vítimas deste tipo de violência com apoio de psicólogos, assistentes sociais e pedagogos. De acordo com a secretária de Assistência Social e Economia Solidária, Ledi Ferla, a maior parte dos violentados é do sexo feminino com 245 vítimas, a maioria na faixa etária de 7 a 14 anos. Com tantas vítimas a prefeitura de Dourados está organizando uma campanha para estimular as pessoas a usarem a denúncia como “arma” de combate a estes crimes. “Esta violência só pode ser combatida por meio da denúncia”, ressalta Ledi Ferla. “As pessoas não precisam ter medo. O denunciante não será identificado, mas é muito importante que as pessoas não sejam omissas porque a omissão também é um crime”.  Segundo a secretária, a exploração sexual de adolescentes ocorre tanto no meio familiar quanto em redes organizadas de exploração como boates, bares, motéis e hotéis. “São casos difíceis de serem investigados porque as próprias vítimas negam o fato e estas redes de exploração são muito bem organizadas”, lamenta Ledi Ferla. Todavia, a maior violência e que vem sendo pouco divulgada de acordo com a secretária é relacionada aos portadores de deficiência. “Temos 6 vítimas portadoras de deficiência e nestes casos, os agressores agem com mais tranqüilidade porque as vítimas, muitas vezes têm dificuldade em se expressar o que facilita a impunidade”, alerta a secretária.  Segundo a pedagoga que trabalha no Sentinela Nilza dos Santos, não é difícil perceber quando uma criança é vítima de abuso sexual. “Elas ficam tristes, abatidas, choram sem causa aparente, tem pesadelos ou comportamentos agressivos. São reações que um familiar mais próximo, ou até mesmo os professores, podem perceber a alteração de comportamento”, afirma Nilza. “Em geral, as crianças não têm parâmetro para reconhecer o abuso como agressão. Em muitos casos, quando percebem que foram vítimas de violência sexual se calam por medo, vergonha ou culpa. Além disso, elas temem represálias dos abusadores”, ressalta a especialista. Qualquer pessoa pode fazer a denúncia pelo telefone 0800-647-0444 ou ainda procurar os locais específicos (veja tabela abaixo). O programa funciona 24 horas Onde denunciar:Programa Sentinela 0800-647-0444Delegacias de políciaDelegacia Especializada em Atendimento à mulher (DEAM)Conselho TutelarHospital da MulherHospital EvangélicoPostos de Saúde 

Deixe seu Comentário

Leia Também

EMPREGO

Marinha abre dois concursos para 980 vagas de nível médio

ABIGEATO

Ladrões invadem sítio e fogem levando 32 cabeças de gado nelore

Delegacia da Mulher de Dourados passa a contar com intérprete de Guarani
IDIOMAS

Delegacia da Mulher de Dourados passa a contar com intérprete de Guarani

AGU aponta mais de 70 casos de erro em vacinação infantil no MS
IMUNIZAÇÃO

AGU aponta mais de 70 casos de erro em vacinação infantil no MS

ESPORTE

Projeto reconhece jogo de queimada como modalidade esportiva

RIO VERDE

Procurado por força-tarefa, homem é morto enquanto tentava fugir

SAÚDE

Fiocruz submete novo teste de covid-19 à Anvisa

REGIÃO

Três indivíduos são presos por contrabando de pneus

DOURADOS

Atendimento para vacinação infantil contra Covid-19 é ampliado

EDUCAÇÃO

Prazo para pedir atendimento especializado no Revalida vai até sexta

Mais Lidas

GRIPE

Influenza H3N2 mata douradense de 25 anos sem comorbidades

DOURADOS

Idoso é flagrado mantendo relações sexuais com cadela e vai para a delegacia

DOURADOS

Mulher 'ostenta' pistola em bairro e acaba presa por porte ilegal

DOURADOS

Após perturbação de sossego, idosa registra queixa contra vizinho