quinta, 19 de maio de 2022
Dourados
18°max
min
Campo Grande
17°max
min
Três Lagoas
21°max
min
Acompanhe-nos
(67) 99257-3397
DOURADOS

Construtora se desculpa por acusar conluio entre município e MPE, muda defesa e pede conciliação

10 setembro 2020 - 11h24Por André Bento

Em pedido de retratação formulado no dia 28 de agosto no Procedimento Comum Cível número 0805965-12.2020.8.12.0002, em trâmite na 6ª Vara Cível de Dourados, a Hannah Engenharia e Construção Ltda e os advogados Renata Toller Conde e Leonardo Barbosa de Freitas se desculpam por acusarem conluio entre o MPE-MS (Ministério Público Estadual) e a administração municipal.

Sediada em Campo Grande, essa empresa é proprietária do prédio onde funciona um supermercado instalado na Vila Maxwell e foi acionada judicialmente pela Prefeitura de Dourados no dia 19 de maio. Nesse processo, foi requerida a demolição do trecho da estrutura construído sobre a calçada ou, alternativamente, o pagamento de R$ 444.105,33 para adquirir o passeio público ocupado de forma irregular. (leia sobre)

Como já no dia seguinte o juiz José Domingues Filho negou a tutela de urgência pleiteada pelo autor na busca por uma decisão de efeitos imediatos, o processo seguiu em trâmite com prazos para manifestações dos lados envolvidos nessa demanda.

POSSÍVEL EXTORSÃO

A princípio, em petição juntada no dia 10 de junho, a defesa da construtora apontou “ares de possível extorsão” no processo, alegando que a regularização da área estava encaminhada com a prefeitura através de procedimento administrativo por R$ 290 mil, até o MPE indicar o valor de R$ 444.105,33 após avaliação mercadológica feita por peritos imobiliários. (relembre)

No dia 21 daquele mesmo mês, o município protocolizou impugnação à contestação, assinada por João Luis Ponciano Soares e pelo procurador municipal Márcio Fortini. Eles argumentam que “não há má-fé ou pretensão de enriquecimento ilícito por parte do Município, na medida única que visa resguardar o interesse público, pois, a requerida está utilizando bem público a longa data, sem que mesmo haja uma compensação em favor da comunidade ou mesmo do erário público”. (saiba mais)

ENRIQUECIMENTO ILÍCITO

Foi na impugnação a essa contestação, protocolizada em 17 de agosto pelos advogados da construtora, que houve as afirmações motivadoras do pedido de desculpas. “É extremamente decepcionante notar que a Procuradoria de uma grande Comarca como Dourados, não sabe diferenciar preliminar de mérito, com o mérito da contestação. A contestação da Requerida não possui qualquer preliminar de mérito, e rebateu cada inverdade proferida pelo Requerente e comprovou a má-fé e o conluio do Requerente com o MPE em busca do enriquecimento ilícito em desfavor da Requerida”, disparou na ocasião. (confira)

RESPEITO EXTREMO

Na retratação anexada ao processo em 28 de agosto, empresa e advogados afirmam que a expressão usada para acusar o conluio “é totalmente equivocada e não retrata a convicção” dos mesmos, tampouco da construtora, sendo ela “demais expressões que possam ser interpretadas de forma ofensiva, totalmente dissociadas da realidade dos fatos e da conduta profissional das partes ali mencionadas”

“Ademais, é necessário ressaltar o respeito extremo externado ao Requerente e ao representante do MP, cujas tratativas foram pautadas pela cordialidade e ética profissionais. De tal modo, de forma espontânea, serve a presente, para expressar nossas sinceras desculpas e o pedido formal de retratação quanto as infelizes expressões mencionadas no item supracitado, reiterando a total ausência de dolo ou intenção de macular a conduta das partes ali aludidas”, finaliza a petição.

NOVA DEFESA

Mais recentemente, no dia 4 de setembro, a construtora fez nova petição, desta vez assinada pelos advogados Douglas de Oliveira Santos e Pedro Henrique Carlos Vale. Além de requererem agendamento de audiência conciliatória no processo, pedem que todas as publicações e intimações sejam dirigidas exclusivamente ao advogado Douglas.

Os novos defensores citam que o processo administrativo para regularização da área “com o pagamento de justa indenização em favor da Municipalidade” fluiu, “no entanto, as partes não chegaram a um consenso sobre o valor que deveria ser pago ao Município”, havendo, inclusive, intervenção do MPE.

"Excelência, no presente caso, a Ré desde já requer a designação da audiência de conciliação, ou até mesmo intimação do digníssimo Procurador do Município, para informar se possuiu intenção em compor em relação ao processo em análise. Ademais, a princípio, a presente demanda é daquelas que possibilitam a autocomposição do particular com o Poder Público, haja vista já haver processo administrativo prévio, possibilitando a indenização da área objeto de disputa, pendendo discussão sobre o preço”, argumentam os novos advogados da construtora.

Deixe seu Comentário

Leia Também

REGIÃO

Agente penitenciário preso em operação contra o PCC é demitido

LEI SECA

Fux vota pela manutenção de multa a motorista que recusa bafômetro

Polícia encontra mais de meia tonelada de maconha em milharal
PONTA PORÃ

Polícia encontra mais de meia tonelada de maconha em milharal

BENEFÍCIO

Bolsonaro sanciona Auxílio Brasil com valor mínimo de R$ 400

TRÊS LAGOAS

Mulher tenta matar namorado após ele tentar terminar relação

UFGD

Mostra Radioteatro Experience acontece sábado em Dourados

CAMPO GRANDE

Madeireira é lacrada após denúncias de carga ilegal de madeira

ELEIÇÕES 2022

Após reunião, partidos da 3ª via adiam anúncio de candidato único

GERAL

Após denúncia Procon encontra alimentos vencidos em supermercado

ESTATAL DE ENERGIA

TCU autoriza venda da Eletrobras, a 1ª grande privatização de Bolsonaro

Mais Lidas

PEDRO JUAN CABALLERO

Dupla é executada em pátio de posto de combustíveis

IDENTIFICADO E PRESO

Quarto envolvido em roubo de joalheria saiu de Dourados para dar apoio aos assaltantes

DOURADOS 

Jovens presos por tráfico vendiam drogas para público universitário

FRONTEIRA

Prefeito de Pedro Juan é alvo de atentado a tiros