Menu
Busca quarta, 20 de janeiro de 2021
(67) 99257-3397
DOURADOS

Construtora se desculpa por acusar conluio entre município e MPE, muda defesa e pede conciliação

10 setembro 2020 - 11h24Por André Bento

Em pedido de retratação formulado no dia 28 de agosto no Procedimento Comum Cível número 0805965-12.2020.8.12.0002, em trâmite na 6ª Vara Cível de Dourados, a Hannah Engenharia e Construção Ltda e os advogados Renata Toller Conde e Leonardo Barbosa de Freitas se desculpam por acusarem conluio entre o MPE-MS (Ministério Público Estadual) e a administração municipal.

Sediada em Campo Grande, essa empresa é proprietária do prédio onde funciona um supermercado instalado na Vila Maxwell e foi acionada judicialmente pela Prefeitura de Dourados no dia 19 de maio. Nesse processo, foi requerida a demolição do trecho da estrutura construído sobre a calçada ou, alternativamente, o pagamento de R$ 444.105,33 para adquirir o passeio público ocupado de forma irregular. (leia sobre)

Como já no dia seguinte o juiz José Domingues Filho negou a tutela de urgência pleiteada pelo autor na busca por uma decisão de efeitos imediatos, o processo seguiu em trâmite com prazos para manifestações dos lados envolvidos nessa demanda.

POSSÍVEL EXTORSÃO

A princípio, em petição juntada no dia 10 de junho, a defesa da construtora apontou “ares de possível extorsão” no processo, alegando que a regularização da área estava encaminhada com a prefeitura através de procedimento administrativo por R$ 290 mil, até o MPE indicar o valor de R$ 444.105,33 após avaliação mercadológica feita por peritos imobiliários. (relembre)

No dia 21 daquele mesmo mês, o município protocolizou impugnação à contestação, assinada por João Luis Ponciano Soares e pelo procurador municipal Márcio Fortini. Eles argumentam que “não há má-fé ou pretensão de enriquecimento ilícito por parte do Município, na medida única que visa resguardar o interesse público, pois, a requerida está utilizando bem público a longa data, sem que mesmo haja uma compensação em favor da comunidade ou mesmo do erário público”. (saiba mais)

ENRIQUECIMENTO ILÍCITO

Foi na impugnação a essa contestação, protocolizada em 17 de agosto pelos advogados da construtora, que houve as afirmações motivadoras do pedido de desculpas. “É extremamente decepcionante notar que a Procuradoria de uma grande Comarca como Dourados, não sabe diferenciar preliminar de mérito, com o mérito da contestação. A contestação da Requerida não possui qualquer preliminar de mérito, e rebateu cada inverdade proferida pelo Requerente e comprovou a má-fé e o conluio do Requerente com o MPE em busca do enriquecimento ilícito em desfavor da Requerida”, disparou na ocasião. (confira)

RESPEITO EXTREMO

Na retratação anexada ao processo em 28 de agosto, empresa e advogados afirmam que a expressão usada para acusar o conluio “é totalmente equivocada e não retrata a convicção” dos mesmos, tampouco da construtora, sendo ela “demais expressões que possam ser interpretadas de forma ofensiva, totalmente dissociadas da realidade dos fatos e da conduta profissional das partes ali mencionadas”

“Ademais, é necessário ressaltar o respeito extremo externado ao Requerente e ao representante do MP, cujas tratativas foram pautadas pela cordialidade e ética profissionais. De tal modo, de forma espontânea, serve a presente, para expressar nossas sinceras desculpas e o pedido formal de retratação quanto as infelizes expressões mencionadas no item supracitado, reiterando a total ausência de dolo ou intenção de macular a conduta das partes ali aludidas”, finaliza a petição.

NOVA DEFESA

Mais recentemente, no dia 4 de setembro, a construtora fez nova petição, desta vez assinada pelos advogados Douglas de Oliveira Santos e Pedro Henrique Carlos Vale. Além de requererem agendamento de audiência conciliatória no processo, pedem que todas as publicações e intimações sejam dirigidas exclusivamente ao advogado Douglas.

Os novos defensores citam que o processo administrativo para regularização da área “com o pagamento de justa indenização em favor da Municipalidade” fluiu, “no entanto, as partes não chegaram a um consenso sobre o valor que deveria ser pago ao Município”, havendo, inclusive, intervenção do MPE.

"Excelência, no presente caso, a Ré desde já requer a designação da audiência de conciliação, ou até mesmo intimação do digníssimo Procurador do Município, para informar se possuiu intenção em compor em relação ao processo em análise. Ademais, a princípio, a presente demanda é daquelas que possibilitam a autocomposição do particular com o Poder Público, haja vista já haver processo administrativo prévio, possibilitando a indenização da área objeto de disputa, pendendo discussão sobre o preço”, argumentam os novos advogados da construtora.

Deixe seu Comentário

Leia Também

ESPORTES
Brasil sofre primeira derrota, mas avança no Mundial de Handebol
IMUNIZAÇÃO
Confira a distribuição das doses de vacina contra a Covid-19 por município em MS
Brasil tem 1,1 mil mortes por Covid-19 registradas em 24 horas
PANDEMIA
Brasil tem 1,1 mil mortes por Covid-19 registradas em 24 horas
REGIÃO
Homem é preso após descumprir medidas protetivas em Bataguassu
CÂMARA DOS DEPUTADOS
Maia reafirma preocupação com a compra de vacinas pelo governo
ESPORTES
São Paulo acerta retorno de artilheira do último Brasileirão Feminino
ECONOMIA
Acordos especiais renegociaram R$ 81,9 bi da dívida ativa na pandemia
CRIME ORGANIZADO
Operação cumpre oito mandados em MS e em outros dois estados
SAÚDE
Farmacêuticos e farmácias podem ser estratégicos na vacinação contra a Covid
ECONOMIA
Dólar sobe pela terceira sessão seguida e fecha a R$ 5,34

Mais Lidas

DOURADOS
Promotor vê preconceito em comentários contra vacina para índios e denuncia à PF
DOURADOS
Mulher é presa acusada de dar cobertura para assaltantes que rendiam família
DOURADOS
Em ação conjunta, polícia deflagra operação para investigar crimes
TRAGÉDIA
Casal morre após caminhonete colidir contra carreta na BR- 163