Menu
Busca sábado, 11 de julho de 2020
(67) 99659-5905
DOURADOS

Com crianças fora da escola, pais vão ao CAM exigir “solução definitiva” para o transporte escolar

19 setembro 2019 - 11h02Por Vinicios Araújo

Na manhã desta quinta-feira (19), pais e alunos moradores na região das sitiocas localizadas nas imediações da Embrapa em Dourados, voltaram até o CAM (Centro Administrativo Municipal) para exigir que a Prefeitura apresente uma “solução definitiva” para a falta de transporte escolar, antes fornecido aos estudantes daquela região.

Com escolas há 15 quilômetros de distância e sem condições de levar e buscar os filhos, cerca de 30 pais e responsáveis se mobilizaram para mais uma vez fazer manifestos em frente ao gabinete da prefeita Délia Razuk (sem partido). 

Com faixas, panelas, garrafas e muitas palavras de ordem, os manifestante exigiam soluções, que segundo eles, não estão sendo apresentadas desde que as crianças voltaram das férias e o transporte foi interrompido.

A professora Giane Deniz Scheffer, moradora na sitioca Alvorada, contou ao Dourados News que até o momento as crianças estão sendo impossibilitadas de ir para a escola por conta da distância e a dificuldade dos pais em garantir o acesso. 

“Perdemos o nosso transporte desde depois das férias de julho. O terceiro bimestre fecha sexta-feira e como essas crianças ficam? Não foram pra escola, não tem como fazer prova, perderam o conteúdo. É um absurdo isso, essas crianças todas aqui deveriam estar na escola e não aqui manifestando. Isso é um direito que a gente não deveria estar correndo atrás. É um direito das crianças, é a única coisa que eles da sitioca têm. Não tem direito a nada, só estudar. As escolas são distante mais de 10 quilômetros e os pais não têm condições de levar. E nós só vamos sair daqui com uma solução”, disse.

A educadora e mãe afirma que são cerca de 200 crianças em falta na escola e a perda do ano letivo é certa. “Hoje eu estou triste, estou aqui em tristeza porque eu sei que não há condições das mães levar as crianças para a escola. É tristeza, revolta”, desabafou a contribuinte. 

Geane mora há 20 anos naquela região e disse que nunca esperou passar por essa situação. Ela garante que é a primeira vez que precisa “lutar para garantir o acesso dos filhos à escola”. 

Gislaine Miranda Macena, tem 30 anos, e logo na infância precisou abandonar os estudos para trabalhar. Há quatro anos ela chegou a Dourados apenas com o filho e montou barraco de lona para viver no assentamento Jardim Ouro Fino. 

Na época, a diretora da escola dele chamou a mãe para oferecer um emprego de zeladora, devido às condições difíceis que a família enfrentava. Gislaine levou toda documentação e na hora de se apresentar ao emprego, acabou sendo rejeitada por não ter escolaridade completa. 

Durante o manifesto desta quinta-feira, a mulher relata a preocupação do filho de 13 anos acabar vivendo a mesma realidade. 

“Ele vai perder o ano, ele tem mais de 70 faltas na escola, e eu como mãe vou simplesmente cruzar os braços e deixar que ele cresça, abandone os estudos e lá no futuro vá até a Prefeitura tentar um cargo e ser rejeitado porque não tem formação?”, desabafou.

Gislaine é diarista e atualmente sustenta a família com dois trabalhos por semana. O filho dela estuda na 5ª série da Escola Municipal Franklin Azambuja, 8 quilômetros distante de casa e é preciso enfrentar duas rodovias (BR-163 e BR-164) para ter acesso à unidade. 

A mãe garante que não tem condições de deixar o menino ir sozinho, muito menos levar e buscar ele todos os dias. 

Gladston do Nascimento dos Santos, 32, estava também no manifesto junto do filho, de 11 anos. De férias do trabalho, uma farinheira em Dourados, o pai conseguiu ir até o CAM para cobrar soluções para que o filho tenha condições de estar diariamente frequentando a escola. 

O menino já está há 15 dias sem entrar na sala de aula. Para cuidar do garoto e do filho menor, a mãe das crianças precisou deixar o trabalho em uma rede de supermercados da cidade. 

“O nosso problema é o ônibus, 15 dias sem ir para a escola e eu sei que ele não passa mais. Não posso nem brigar com ele. O ano passado ele foi e passou. A nossa esperança é que o ônibus volte e que logo abra um colégio lá, para resolver esse problema”, contou. 

O QUE A PREFEITURA DIZ?

Segundo o Procurador Geral do Município, Sérgio Henrique Pereira Martins de Araújo, a situação da indisponibilidade de transporte escolar na região das sitiocas se dá devido à falta de manutenção na frota própria do município. 

O serviço foi licitado e está com pregão programado para o início do próximo mês. Ele estima que os ônibus voltem a trafegar naquela localidade em cerca de 20 dias. 

No entanto o prazo é inviável para os pais, que já reconhecem a iminente possibilidade dos filhos terem o ano letivo comprometido. 

Sérgio afirmou ao Dourados News, que apesar do serviço ser importante para aquela comunidade, não é uma obrigação legal da gestão devido a urbanização daquela área. Ele definiu o serviço como “trabalho assistencial” da prefeita Délia Razuk. 

“Aquela região foi urbanizada na antiga gestão e isso impede que a nossa terceirizada para o transporte escolar rural preste o serviço. Ainda sim a prefeita mobilizou a frota própria do município para garantir esse acesso, no entanto foram necessárias manutenções e a licitação para o serviço ficou parada, mas até o próximo mês já será realizado pregão para contratação”, explicou.

O procurador ainda afirmou que se caso os pais quiserem mandar os filhos para escola, há sim condições já que o transporte público tem linhas de ônibus no bairro. 

No entanto a afirmação é refutada pelos responsáveis dos menores sob a afirmativa de que o ônibus não leva até a porta de casa, e que muitas crianças pequenas não poderiam ficar em risco no coletivo público da concessionária Viação Dourados.

Deixe seu Comentário

Leia Também

LOTERIA
Sorteio da Mega pode pagar R$ 40 milhões neste sábado
DOURADOS
Mulher é presa tentando entrar na PED com maconha em tênis
NORTE DO PAÍS
Caminhoneiro de MS morre após acidente no Pará
FIQUE EM CASA
Douradenses da Full House Band fazem live "solidária" neste sábado
JÓQUEI CLUBE
Homem é preso com pistola e munições durante operação em Dourados
DOURADOS
Casal é preso com mais de 11kg de maconha em barreira sanitária
NEGÓCIOS & CIA
Modelo de Negócio: Qual o melhor para sua empresa?
PANDEMIA
Pesquisadores veem medidas sem efeito e sugerem lockdown em Dourados
MORTE A ESCLARECER
Homem morre no HV após ser encontrado caído ao lado de moto
AVIAÇÃO CIVIL
Voos comerciais retornam neste domingo a Dourados

Mais Lidas

ACIDENTE DE TRABALHO
Douradense morre após ser atingido na cabeça por peça de elevador de 20kg
PANDEMIA
Pneumologista é o terceiro médico a morrer por covid-19 em Dourados
DOURADOS
“Ele não conseguiu terminar o último plantão”, diz esposa de médico vítima da Covid
DOURADOS
Decreto é alterado e agora autoriza delivery e drive-thru para bares e conveniências