Menu
Busca quarta, 30 de setembro de 2020
(67) 99659-5905
ECONOMIA

Coamo inaugura fábricas e coloca Dourados na rota da industrialização

25 novembro 2019 - 13h05Por Adriano Moretto

Com capacidade para processar 3 mil toneladas de soja diariamente e refino de 720 toneladas/dia de óleo de soja, a Coamo deu início às atividades em seu parque industrial em Dourados. Durante solenidade realizada na BR-163, onde estão instaladas as fábricas, autoridades destacaram a planta da cooperativa, uma das maiores na América Latina para o esmagamento do grão. 

Os investimentos no local chegaram a R$ 750 milhões. A pedra fundamental foi lançada em dezembro de 2016. 

Para o governador Reinaldo Azambuja (PSDB), a chegada da Coamo ao Estado gera divisas econômicas sem tamanho, além de colocar Dourados na rota da industrialização. 

“Aqui hoje nós temos um dos maiores esmagadores de soja da América Latina e passamos de uma região produtora e exportadora de soja para transforma-la em outros produtos. Geramos emprego, agregamos valor e fazemos a economia forte”, disse durante a cerimônia. 

Para a ministra da Agricultura, Tereza Cristina, o momento do agro no país tem se destacado. Além de citar a abertura de divisas que o governo federal tem conseguindo com outros países para receber produtos brasileiros, ela destacou os benefícios da indústria instalada pela cooperativa no interior de Mato Grosso do Sul. 

“A Coamo está agregando valor a esse grão abençoado, que é a soja”, disse, para completar em seguida. “Os agricultores são responsáveis pela paz no país, diante da fartura produzida por aqui e mandar nossos produtos a 180 países. A cada quatro pratos de comida servido no mundo, um é de nossa responsabilidade”, resumiu. 

O presidente da cooperativa, José Aroldo Gallassini, contou a trajetória da Coamo ao longo dos anos e citou o crescimento de cooperados, hoje, atualmente na casa de 29 mil, relevando o volume de produção de soja na região como fundamental para a instalação das fábricas. “Fizemos um estudo e isso mostrou que existia viabilidade”, pontuou. 

Já a prefeita Délia Razuk destacou a união de forças da classe política a empresarial. "Com certeza outros investimentos chegarão à nossa cidade pelos mesmos caminhos da cooperação, do trabalho conjunto, do respeito e da parceria".

A indústria

Em operação, as indústrias de Dourados geram 300 empregos diretos. O complexo terá capacidade de processamento de 3 mil toneladas de soja por dia e de refino de 720 toneladas de óleo de soja/dia. 

Serão produzidas 11 milhões de caixas de óleo refinado por ano, o que dá uma média de 8,5 garrafas por segundo.

Uma das metas da cooperativa com a nova planta é facilitar a chegada de produtos com sua marca até clientes finais de estados do Centro-Oeste e Sudeste.

A Cooperativa Agroindustrial conta com instalações em três estados – Paraná, Santa Catarina e Mato Grosso do Sul – e tem um quadro de oito mil funcionários.


 

Deixe seu Comentário

Leia Também

PONTA PORÃ
Foragido da Justiça de 19 anos sofre tentativa de homicídio na fronteira
PRESIDENTE INVESTIGADO
STF tira do plenário virtual discussão sobre depoimento de Bolsonaro
TRÁFICO
Traficante de disk-droga é preso com porções de cocaína, moto e dinheiro
AJUDA
Caixa detalha calendário de pagamentos do auxílio emergencial extensão
CAPITAL
Hóspede é encontrado morto dentro de banheiro de hotel
FUTEBOL
CBF divulga tabela da 16ª à 20ª rodada; Fla fará dois jogos em 50 horas
REGIÃO
Polícia desarticula grupo que agia em cidades da região do Vale do Ivinhema
MADEIRA
Queimadas no Pantanal destroem oito pontes nas MS-243 e MS-195
BONITO
Vítima de estelionato arma emboscada e ajuda a prender golpista
TECNOLOGIA
Aplicativo do Detran-MS recebe atualização para serviços pelo celular

Mais Lidas

REGIÃO
Homem que disse ter encontrado mulher morta volta atrás e confessa feminicídio
LAGUNA CARAPÃ
Homem sente falta de esposa, vai procurar e a encontra morta em poço
DOURADOS
Disputa pela prefeitura tem dois milionários e total de bens chega a R$ 13 milhões
CAPITAN BADO
Ataque de pistoleiros a veículo deixa dois mortos na fronteira