Menu
Busca quinta, 28 de maio de 2020
(67) 99659-5905

Após 20 anos, aldeia de Dourados tem novo capitão

05 janeiro 2010 - 12h33

Após 20 anos sob comando do guarani-kaiowá Luciano Arévalo, a aldeia Bororó, que junto com a aldeia Jaguapiru forma a reserva indígena de Dourados, tem novo capitão, Cesar Isnarde, eleito pela comunidade para mandato de quatro anos. O capitão é uma espécie de chefe político da aldeia, mas não tem respaldo da Funai e do MPF (Ministério Público Federal) que defendem a concentração da liderança nos caciques – líderes espirituais dos índios.

Isnarde assume a liderança política da aldeia com a missão reduzir os índices de criminalidade na Bororó. Com cerca de 5.500 índios, a aldeia tem alto índice de homicídios, consumo de drogas e de álcool e tráfico. Em entrevista nesta terça-feira à rádio Grande FM, ele prometeu se aliar à Funai para levar atendimento aos índios e cobrar das autoridades políticas uma solução para a falta de policiamento na aldeia.

iniciaCorpo("12;11;14;12;16;13;18;14");

Deixe seu Comentário

Leia Também

CORREIOS
Cadela encontra droga avaliada em R$ 200 mil em encomendas despachadas
ECONOMIA
Senado Federal aprova MP do aumento salário mínimo para R$ 1.045
CORUMBÁ
Cinco funcionários são presas acusadas de venda e receptação de tijolos
PROTOCOLOS
Comitê de ações da UEMS publica Plano de Biossegurança Institucional
POLÍTICA
Planalto teme que quebra de sigilo repercuta na cassação de Bolsonaro
CAPITAL
Homem acusado de esfaquear a mãe e um amigo da ex-mulher é preso
REMÉDIO CONTRA MALÁRIA
França proíbe uso da hidroxicloroquina para tratamento da Covid-19
PONTA PORÃ
Ambiental autua homem em R$ 15 mil por maus-tratos a animais
DATAFOLHA
Para 61% dos que viram reunião, Bolsonaro quis interferir na PF
POLÍCIA
Idosa é agredida após ter a casa invadida por morador de rua

Mais Lidas

DOURADOS
Paciente com suspeita de coronavírus afasta mais de 20 profissionais da saúde no HV e UPA
PANDEMIA
Dourados é "campeã" de casos de coronavírus em MS pelo 3º dia consecutivo
PANDEMIA
Dourados investiga morte com suspeita do novo coronavírus
DOURADOS
Empresários cobram de Délia prova científica para justificar toque de recolher