Menu
Busca sábado, 25 de setembro de 2021
(67) 99257-3397
SAÚDE

André vai a Brasília e pede recursos para hospital de Dourados

11 julho 2014 - 11h31

Para garantir o aumento de R$ 5,5 milhões no teto financeiro do setor médico-hospitalar de Mato Grosso do Sul, com prioridade aos municípios de Campo Grande e Dourados, o governador André Puccinelli e uma comitiva sul-mato-grossense estiveram reunidos com o ministro da Saúde, Arthur Chioro, na tarde desta quinta-feira (10), em Brasília.

Do valor total, R$ 3,5 milhões serão destinados para a Santa Casa de Campo Grande, R$ 1,5 milhão para Dourados - sendo R$ 750 mil para o Hospital Evangélico e R$ 750 mil para a rede municipal - e mais R$ 500 mil para os atendimentos do tratamento fora de domicílio.

“Em novembro de 2013, com o ministro Padilha, fizemos o mesmo pedido. Em maio, com assessor do ministro Chioro, fizemos o mesmo pedido e agora reiteramos com apoio de toda a bancada e dos prefeitos de Dourados e Campo Grande. Pedimos R$ 5,5 milhões a mais por mês para o teto financeiro do Estado, com especificidade: R$ 3,5 milhões para o teto financeiro de Campo Grande, para atender a demanda, principalmente, da Santa Casa de Misericórdia; R$ 1,5 milhão para Dourados, para atender prioritariamente o Hospital Evangélico e R$ 500 mil ficando com o governo estadual para os atendimentos dos tratamentos fora do município, que explodiram no Estado”, informou o governador.

De acordo com Puccinelli, existem 21 municípios de Mato Grosso do Sul que têm gestão plena, que, teoricamente, deveriam atender com recursos próprios, “mas o Estado sempre se pôs ao lado dos municípios para complementar”. Por mês estas localidades recebem do governo federal R$ 42 milhões/mês para o setor de saúde, já o governo do Estado, R$ 6,5 milhões/mês.

Ainda de acordo com Puccinelli, embora tenha este aporte de recurso federal, ele é insuficiente para atender a demanda. As prefeituras e governo do Estado complementando. “É justo que o Ministério da Saúde coloque mais recursos, explicando que foram criados 80 leitos de UTIs com verba do governo estadual”.

O ministro considerou que é importante aumentar o repasse ao Estado. Embora não tenha garantido o valor requisitado por André de R$ 5,5 milhões, se comprometeu a avaliar em quanto é possível aumentar os recursos.

O governador reforçou o posicionamento do ministro. “Ele disse que parte dos R$ 5,5 milhões vai destinar ao Estado e que dará uma resposta até o final deste mês. Pode ser R$ 5 milhões, R$ 4 milhões, R$ 3 milhões, alguma coisa ele fará. Ele se mostrou convencido da necessidade porque já havia estudado. É um pleito pertinente que o Estado faz para acudir seus filhos, os municípios, Dourados e Campo Grande”, afirmou Puccinelli.

###Hospitais
Hoje a Santa Casa tem um repasse mensal de R$ 15,5 milhões (abrangendo União, Estado e Município) e suas despesas somariam R$ 20 milhões, gerando um déficit de R$ 4,5 milhões que inviabiliza, por exemplo, o pagamento dos tributos e de alguns encargos.

De acordo com o presidente da entidade, Wilson Levi Tesleco, o hospital trabalha com uma receita menor do que a despesa, organizando-se para reduzir custeio, sendo que no ano passado a entidade fez a opção de não pagar os tributos para poder manter a instituição operando. “Fomos contemplados com o perdão destes tributos através do Prosus (Programa de Fortalecimento das Entidades Filantrópicas). No entanto, a partir de outubro voltamos a pagar os tributos integralmente, e isso tem apertado o orçamento do hospital. Nós mantivemos as contas em dia até o mês passado. Informamos ao governo do Estado e ao prefeito que a partir de julho as contas da Santa Casa novamente não fechavam”.

Diante desta realidade o presidente da Santa Casa disse que se o repasse de recursos não sair nos próximos dois meses, a entidade “não interrompe o atendimento, mas vai reduzir algumas operações, como as cirurgias eletivas, o atendimento de emergência pode ficar comprometido pela demanda, o ambulatório não tem impacto financeiro relevante no custeio. Muito provavelmente isso vai interferir em cirurgias letivas, o que iria agravar ainda mais a demanda reprimida que é bastante grande na rede”.

Participaram da reunião o prefeito de Campo Grande, Gilmar Olarte; o gestor municipal interino de Dourados, Odilon Azambuja; o senador Waldemir Moka (PMDB); deputados federais Geraldo Rezende e Marçal Filho; os secretários de Saúde do Estado, Antonio Lastória; de Campo Grande, Jamal Salem, e de Dourados, Sebastião Nogueira; o presidente da Santa Casa, Wilson Levi Tesleco e o vice-presidente, Esacheu Cipriano Nascimento.

Deixe seu Comentário

Leia Também

Duas mulheres morrem por Covid-19 em Dourados
PANDEMIA
Duas mulheres morrem por Covid-19 em Dourados
Secretário de Estado de Saúde recebe dose de reforço contra Covid-19
VACINA
Secretário de Estado de Saúde recebe dose de reforço contra Covid-19
NA RÚSSIA
Bia Ferreira atropela rival e garante ouro no Mundial Militar de Boxe
Em nove meses, multas do CCZ superam R$ 1,3 milhão
DOURADOS
Em nove meses, multas do CCZ superam R$ 1,3 milhão
União deve fornecer medicamento de alto custo à criança portadora de Amiotrofia Espinhal Progressiva
União deve fornecer medicamento de alto custo à criança portadora de Amiotrofia Espinhal Progressiva
TRT-MS
Juiz Tomás Bawden toma posse como desembargador do Trabalho na segunda-feira 
FLAGRANTE
Médico denunciado por cobrar cirurgia no SUS tem HC negado no STF
ESTADO
Comitê de Saúde discute uso do pregão eletrônico para compra de medicamentos pelo SUS
JUSTIÇA DO TRABALHO
MS tem mais de 350 audiências em três dias de conciliação e execução trabalhista
ECONOMIA
Microempreendedores têm menos de uma semana para regularizar dívidas

Mais Lidas

DOURADOS
Homem é encontrado morto em casa por funcionária na Vila São Brás
RACISMO
Em SP, DJ Alok recorda exclusão de integrantes do 'Brô MCs' durante show em Dourados 
TRAGÉDIA 
Motociclista morre na BR-163 em Dourados após bater em uma capivara 
DOURADOS
Júri condena jovem que matou amiga com tiro na nuca e alegou 'acidente'