Menu
Busca quarta, 25 de novembro de 2020
(67) 99659-5905
DOURADOS

Advogada aponta 'fatos novos' e pede liberdade de ex-secretário de Saúde no plantão do TRF

30 dezembro 2019 - 08h45Por André Bento

Uma advogada com registro na OAB (Ordem dos Advogados do Brasil) de Minas Gerais requereu a liberdade do ex-secretário de Saúde de Dourados, o médico Renato Oliveira Garcez Vidigal, preso preventivamente desde o dia 6 de novembro acusado de integrar esquema de fraudes licitatórias e desvio de recursos públicos. Ele foi um dos alvos da segunda fase da Operação Purificação, denominada Nessum Dorma Adsumu.

O habeas corpus foi protocolizado no plantão do TRF 3 (Tribunal Regional Federal da 3ª Região), cujo desembargador Fausto De Sanctis, relator da 11ª Turma, já havia negado pleito semelhante em 26 de novembro. Desta vez, porém, coube à juíza federal Vanessa Vieira de Mello, plantonista, decidir.

Conforme a decisão proferida na tarde de domingo (29), o pedido de liberdade em caráter liminar (decisão de efeitos provisórios e imediatos) foi impetrado pela advogada Jennifer Batista Faria em favor de Renato Oliveira Garcez Vidigal, contra decisão proferida pelo magistrado da 1ª Vara Federal de Dourados que havia negado a revogação da prisão preventiva.

A defensora apontou a “descoberta da prática de depoimentos falsos, perpetrados por testemunhas que disseram sentir-se ameaçadas pelo paciente, cujos conteúdos foram expressamente citados na decretação da preventiva, culminando na oferta de novo pedido de revogação da preventiva,  identicamente negado pelo juízo”.

Conforme a petição, as testemunhas “teriam deliberadamente uniformizado suas versões dos fatos para incriminarem o paciente e alegarem que ele os ameaçava, conforme divulgado na imprensa douradense e ratificado por ‘print’ de conversa via whatsapp”.

Para a advogada, “a circunstância assacada à decretação da custódia cautelar pauta-se em fato extemporâneo à segregação, ocorrido há mais de dois anos, precisamente a alienação da empresa envolta na prática dos possíveis ilícitos”, e “simples ilações não são de molde a tolher a liberdade do cidadão, tratando-se, a prisão cautelar, de medida excepcionalíssima, tanto mais porque ausente condenação passada em julgado”.

No entanto, a juíza plantonista  determinou que o pedido de liberdade seja direcionado à relatoria sorteada, “a quem, inclusive, melhor dirá acerca da própria admissão da presente medida, que, como visto, reprisa pleito de reconsideração já deduzido nos autos do primeiro ‘habeas corpus’ dinamizado”.

“Muito embora se alegue, na exordial, a existência de fato superveniente a amparar a presente impetração, certo é que as circunstâncias ora destacadas na vestibular já restaram levadas ao conhecimento da ilustrada relatoria do primeiro ‘habeas corpus’ agilizado, em sede de pleito de reconsideração tirado do indeferimento da liminar alvitrada, estando, tal requerimento, pendente de apreciação. Para chegar-se a tal conclusão, basta mera consulta ao andamento, no PJ-e, do Processo de nº 5029990-62.2019.4.03.0000, cujos autos acham-se localizados no Gabinete do E. Desemb. Federal Fausto de Sanctis”, detalhou a plantonista.

“Destarte, acredito que o presente remédio heroico não comporta atuação em leito de plantão judiciário. Porquanto, em verdade, o que se almeja, aqui, é a reversão de ato judicial exarado no primeiro ‘habeas corpus’ intentado, com esteio em propalados fatos supervenientes. A dizer, então, que esta ação constitucional nada mais é senão um pleito de reconsideração travestido, convenientemente, de demanda autônoma. E, a teor do disposto no artigo 1º, § 2º, da Resolução 501 do Conselho de Administração desta Corte, não serão admitidos, no plantão judiciário, a reiteração de pedido apreciado no Tribunal ou em plantão anterior, nem sua reconsideração ou reexame. Em idêntica toada, a Resolução CNJ nº 71/2009, art. 1º, § 1º”, acrescentou.

Para essa juíza, “a toda evidência, o conhecimento desta medida, em regime de plantão, poderia vir a burlar expressa vedação contida no citado preceito. E, se contexto de urgência há, impenderá ao interessado diligenciar junto à relatoria respectiva a aquilatação do pedido de reconsideração já agitado naqueles primeiros autos”.

Deixe seu Comentário

Leia Também

RECORDE
Dívida Pública Federal sobe 2,47% em outubro
Dourados confirma 73 casos e internações por Covid sobe 39% em cinco dias
PANDEMIA
Dourados confirma 73 casos e internações por Covid sobe 39% em cinco dias
Três são presos com caminhonete furtada na capital
FLAGRANTE
Três são presos com caminhonete furtada na capital
Obra criada por pesquisadores da Uems concorre ao prêmio Jabuti
COLETÂNEA DE LIVROS
Obra criada por pesquisadores da Uems concorre ao prêmio Jabuti
BRASIL
Pessoas que contrariam covid-19 podem doar sangue após 30 dias
CONTRABANDO
Carga com 450 pacotes de cigarros paraguaios é apreendida em distrito
MULTA DE R$ 124 MIL
Atividade agrícola deixa parte do rio Formoso em Bonito com cor vermelha
DOURADOS
A um mês do Natal, comércio aguarda resposta da prefeitura sobre horário estendido
SEM CHUVA
'Calorão' em Dourados terá máximas de 37°C até o final de semana
PANDEMIA
Política de atenção à saúde mental das vítimas da Covid-19 pode ser instituída em MS

Mais Lidas

VIOLÊNCIA
Mulher esfaqueia ex após discussão em hotel no Centro de Dourados
ENTERPRISE
Operação contra tráfico internacional de cocaína cumpre mandado de prisão em Dourados
CAPITAL
Funcionária de restaurante é presa em flagrante após furtar dinheiro do caixa
CRIME BÁRBARO
Suspeita de esquartejar e colocar corpo de namorado em malas se entrega à polícia