Menu
Busca quarta, 01 de abril de 2020
(67) 9860-3221
COLUNA

Saúde

Fernanda Viana

Substitutos de refeição funcionam?

E-mail: contatonutrifernanda@gmail.com

24 fevereiro 2020 - 00h02

Os substitutos de refeição ganharam força nos últimos anos como uma alternativa prática e rápida de diminuir a ingestão calórica, mas, como tantos outros produtos voltados para esse fim, seu uso exige cuidados. Shakes, sopas, barras e comida em pó, são as diversas formas de produtos que são promovidos como substitutos de refeição para perda de peso.

No contexto atual, o que se come é tão importante quanto quando se come, onde se come, como se come e com quem se come. O uso de substitutos de refeição não leva à mudança de comportamentos alimentares e de hábitos de vida inadequados e pode gerar inúmeros efeitos negativos para a saúde, como: dependência do produto, tontura, náuseas, vômitos, perda rápida de massa muscular magra e perda de eletrólitos.

Muitos não sabem, mas o ponto principal constatado para quem usa substitutos de refeição, é que há um reganho de peso importante após essas intervenções. Ninguém consegue se alimentar de pó e shake por muito tempo. Isso vai contra toda a ciência: a alimentação não é só nutriente, é também emoção, sentimento, prazer, cultura, psicológico e social. É algo que mexe com todos os sentidos do corpo. Alimento não nutre só fisicamente, é um fator importante para a vivência do ser humano.

Nesse sentido, essa prática padroniza as pessoas em termos de ingestão alimentar, não leva em conta os diferentes tipos de obesidade e não considera os riscos à saúde, esquecendo que individualidade é o que interessa, posto que, cada organismo é único, com necessidades nutricionais únicas, deficiências únicas, metabolismo único, desequilíbrios únicos e tendências únicas a desenvolver doenças. 

Ainda mais, estudos científicos apontam para a possibilidade da ocorrência de efeito hepatotóxico após o uso continuo de shakes. Grande parte da população não detém a informação sobre os malefícios causados ao organismo, sendo de extrema importância a divulgação na mídia dessas informações, assim é possível um aumento no controle na liberação de produtos ditos “naturais” e um maior detalhamento da sua composição e esclarecimentos dos efeitos adversos, além do teste toxicológico.

Finalmente, saiba que uso de substitutos de refeição por um longo período de tempo sem prescrição médica ou nutricional, gera malefícios nutricionais e psicossociais em relação à saúde dos indivíduos. Sendo a melhor alternativa para manutenção do corpo saudável, a reeducação alimentar e o convívio social.

*Especialização em Nutrição Esportiva, Terapia Nutricional, Nutrição Clínica e Fitoterapia - CRN3 27940. Escreve para o Dourados News.

 

Deixe seu Comentário

Leia Também

Alimentação durante a quarentena: como driblar a ansiedade?
COVID-19 coronavírus: fuja das fake news que envolvam nutrição
Brasileiro consome sal em excesso, mas não tem consciência disso
Mulheres, dietas e autoestima
Como fortalecer a imunidade através da alimentação?

Mais Lidas

REGIÃO
Ex-assessor de Mandetta é encontrado morto em apartamento na Capital
COVID-19
Primeiro óbito por coronavírus do Estado é registrado em Dourados
DOURADOS
Homem leva surra de populares e é detido por furtar dois veículos em Dourados
COVID-19
MS tem oito confirmações de coronavírus em 24h e suspeitos chegam a 51