Menu
Busca quinta, 01 de outubro de 2020
(67) 99659-5905
COLUNA

Saúde

Fernanda Viana

Brasileiro consome sal em excesso, mas não tem consciência disso

E-mail: contatonutrifernanda@gmail.com

16 março 2020 - 00h03

O sódio, principal elemento encontrado no sal, é essencial para que o organismo mantenha o equilíbrio hídrico, o transporte de oxigênio e de nutrientes, e a condução dos impulsos nervosos. Mas a maioria das populações tem consumido historicamente mais sal do que é recomendado, e as autoridades de saúde do mundo todo têm trabalhado para nos convencer a mudar esse hábito.

Para conscientizar a população sobre os riscos do consumo exagerado de sal, o Ministério da Saúde criou em 2011, um programa de cooperação para reduzir o sódio de alimentos em parceria com a Associação Brasileira das Indústrias de Alimentação (ABIA). Graças a essa iniciativa, desde o início do acordo até o final de 2015, mais de 14,9 toneladas de sódio já foram retirados dos produtos processados. A meta é, que até 2020, 28,5 toneladas sejam retiradas da alimentação dos brasileiros.

A falta de consciência é um perigo para a saúde! O consumo excessivo do sal está relacionado ao aumento do risco de doenças crônicas, como hipertensão arterial, doenças cardiovasculares, doenças renais, entre outras. E todas elas, doenças silenciosas que podem matar de forma precoce. 

O consumo diário de sódio recomendado pela Organização Mundial de Saúde (OMS) é de 2000 mg, o que equivale a 5 g de sal por dia (1 colher de chá), enquanto no Brasil o consumo de sal é de aproximadamente de 9 a 12 gramas per capita ao dia.

A maioria das pessoas consome muito sódio pela ingestão de sal, e não consome potássio suficiente. O alto consumo de sódio e a ingestão insuficiente de potássio contribuem para a hipertensão, a qual, por sua vez, aumenta o risco de doenças cardiovasculares e AVC.

Similarmente, pesquisas mostram que a redução do consumo de sal para o nível recomendado (menos de 5g por dia) pode evitar 1,7 milhão de mortes a cada ano.  

Cabe salientar, que a população masculina consome mais sal do que a feminina, em todas as faixas etárias, chegando a ser 30% maior nos homens adultos em relação às mulheres. Muitos desconhecem a quantidade de sal que consomem, sendo a maior parte do sal proveniente de alimentos processados (refeições prontas, carnes processadas como o bacon, salame, queijo e salgadinhos) ou de alimentos consumidos frequentemente em grandes quantidades (como o pão). 

Dentro desse contexto, para reduzir a quantidade de sal, é preciso encontrar alternativas para temperar os alimentos preservando principalmente o seu sabor. Utilizar substitutos do sal acaba sendo uma alternativa para deixar a comida gostosa, menos salgada e mais temperada, como: mix de ervas, óleo de especiaria e sal de ervas. 

No mais, saiba que o ideal é reduzir gradualmente a quantidade de sal/dia para dar tempo às papilas gustativas e ao cérebro para se adaptarem ao novo sabor e, normalmente, ao final de 3 semanas, já se consegue tolerar a alteração do sabor! Reeduque seu paladar e experimente a comida antes de adicionar sal. Prepare os alimentos desde o início em vez de comprar alimentos pré-preparados. Adapte suas receitas prediletas usando metade da quantidade de sal indicada.
 

*Mestranda em Alimentos, Nutrição e Saúde. Possui especialização em Nutrição Esportiva, Terapia Nutricional, Nutrição Clínica e Fitoterapia - CRN3 27940. Escreve para o Dourados News.

 

Deixe seu Comentário

Leia Também

Vitamina D e a automedicação
É possível substituir o arroz em uma dieta brasileira?
Churrasco e saúde
Tempero artificial: como isso afeta sua saúde e nutrição?
Interferência do uso de aparelhos eletrônicos durante as refeições

Mais Lidas

DECIBÉIS
Operação do Gaeco mira fraudes em licitações e cumpre cinco mandados em Dourados
INVESTIGAÇÃO
Policiais do Gaeco fazem nova operação em Dourados
DOURADOS
Gaeco deixa edifício com documentos apreendidos após mais de 5h
CAPITAL
Mulher com mandado de prisão em aberto é executada com oito tiros