segunda, 04 de julho de 2022
Dourados
32°max
15°min
Acompanhe-nos
(67) 99257-3397
COLUNA

Amplavisão

Manoel Afonso

Pesquisas: Caos beneficia André e Nelsinho

16 outubro 2015 - 10h48
FRIGIDEIRA Bumlai pode estar afivelando malas para a pior viagem de sua vida rumo à Curitiba para enfrentar o juiz Sergio Moro. Nesta altura da vida não há coração ‘setentão’ que aguente esse estresse. Juízo e ambição devem ser proporcionais.

A PROPÓSITO A aceitação da denúncia do MPF não significa culpabilidade, é claro. Mas o novo capítulo envolvendo o pessoal do Hospital do Câncer corroe a credibilidade dos ‘cuidadores’ da nossa saúde. Mas lembro: a justiça divina é implacável.

CONFIRA: Realizada pela Vale Consultoria e Assessoria, entre 1/15 deste mês, ouvindo 1.356 pessoas nas 7 regiões, a pesquisa para a prefeitura da capital traz números interessantes que desvendam o atual cenário eleitoral para 2016.

REJEIÇÃO (estimulada): Zeca do PT 24,53, Bernal 17,32; André 13, Nelsinho 8, Tereza Naime e Marum 7,37, Marquinhos 4,57. Na expontânea: Zeca do PT 21,41: Olarte 11,26; Bernal 9,47, Nelsinho 5,33; André 4,57, Marquinhos 3,33.

PREPARADOS: André 10,4; Nelsinho 8,26; Marquinhos 6,33; Bernal 3,26; Zeca do PT 1,62, Delcídio 0,59, Giroto 0,44; Rose 0,44; Ayache 0,29; Beto Pereira, Tereza Naime, Tatá Marques 0,15 e Carlos A. Assis 0,07. Indecisos 45,36.

CENÁRIO-1 André 21; Nelsinho 20; Bernal 18, Marquinhos 15, Zeca 6; Rose 4, Ayache 3. Cenário 2: Marquinhos 34, Bernal 23, Rose 7, Zeca 6, Giroto 6, Ayache 4. Cenário 3: Marquinhos 30, Bernal 26, Rose 9, Giroto 8, Zeca 7, Ayache 4.

OBSERVAÇÕES Patente a rejeição ao nome de Zeca do PT, confirmando-se a tradição anti-petista do eleitorado da capital. Fraco o desempenho da vice governadora Rose, ensejando a busca de um outro nome com apoio oficial do PSDB.

DESTAQUE Impressiona o prestígio de Nelsinho tanto na espontânea como em dois cenários estimulados. Na espontânea só perdeu para André. Na primeira estimulada segue André de perto e na segunda situação sem André, bate Bernal por 34 a 23.

OS NÚMEROS ainda mostram o potencial de Marquinhos. Na expontânea perde para André, Nelsinho e Bernal, mas na estimulada sem André e Nelsinho, vence Bernal de 30 a 26. Isso demonstra que ele atrairia também eleitores de outros candidatos.

E MAIS... Para o eleitor, saúde (41%), buracos (29%), segurança (22%) e lixo (17%) são os maiores problemas. As alternativas de solução seriam: novo líder (18%), troca do prefeito ( 12%), o retorno de André (10%), a volta de Nelsinho (5,5%).

AYACHE Chegou aos 4 pontos na pesquisa. Pode ser beneficiado pelos 18% daqueles que entendem como solução o surgimento de um novo líder. Mas seu desafio maior é acabar com o estigma de que seria o plano B dos petistas para chegar ao poder.

TENDÊNCIAS: Salvo um hecatombe no percurso, o eleitor da capital já tem seus parâmetros de escolha para 2016. Tende a rejeitar o PT e novos nomes do cenário, além de não botar fé na capacidade de Bernal em reverter o desastre como prefeito.

PERCEBE-SE também, pelos percentuais mostrados, que há uma certa identidade entre os eleitores de André, Nelsinho e Marquinhos. É possível que no 2º turno, com aval de Azambuja, um deles dispute com Bernal, apoiado pelo PT e Cia.

A QUESTÃO: Onde Bernal buscará apoio político da forma como governa? Até o PT admite: a convivência é difícil. Paulo Pedra é – a priori – o único agente do governo com alguma inserção na sociedade. Mas sem autonomia e a varinha mágica.

O ELEITOR é pratico, quer resultados imediatos sem nhénhénhém. Quem foi seduzido pela fala de Bernal já admite que fez bobagem. Lembra das gestões de André e Nelsinho e conclui que era feliz e não sabia. As comparações são inevitáveis e cruéis.

ARREMATE: Como Bernal tem pouco mais de 6 meses para se recuperar, a tendência é que tenhamos uma campanha comparativa. Lembro: Azambuja está próximo de Nelsinho e Marquinhos, distanciando-se cada vez mais de Bernal.

OAB-ELEIÇÕES Mansur 29,17%; Júlio Cesar 17,78%; Afeifer 13,35%; Gervásio 11,07%; Jully Heider 7,71%; Lázaro Gomes 4,57%; nenhum 2,9% e não responderam 9,1%. A pesquisa é do IPEMS. Votam 12 mil advogados, sendo 7 mil na capital.

DIFERENTE da polarização tradicional dos pleitos anteriores, nesta eleição os grupos se dispersaram por razões diversas, próprias dos advogados. Mas negociações mostram que ao final poderemos ter um enxugamento de candidaturas. É esperar.

DOURADOS Polo de 38 municípios nas áreas médica, educacional, prestação de serviços, comercial e tem14 usinas de álcool num raio de 100 kms. Tem 210 mil habitantes, 30 mil estudantes e 60 mil pessoas em trânsito diário.

ANIMADOR Ela se recupera do ‘efeito Artuzzi’. Dourados e São B. do Campo são as duas únicas cidades interioranas com duas universidades públicas. Pelos indicadores econômicos só perde para Macaé (RJ) em cidades do porte médio do país.

O PROJETO é que Dourados tenha maior representação política no contexto. As ações de Murilo mostram isso: o fortalecimento político para que a região possa pleitear uma das duas vagas no senado em 2018. Um projeto que vai ganhando forma.

‘QUE SITUAÇÃO!’ As vezes penso que nossos desembargadores não transitam pelas ruas da capital. Quanto a Bernal, deve usar helicóptero. O Judiciário precisa decidir sobre o imbróglio que está literalmente acabando com a capital. Até quando isso?

“Tenho lealdade canina ao presidente Lula. Todo mundo sabe disso”. ( Zé Dirceu)


Deixe seu Comentário

Leia Também

André reagirá às provocações de Marquinhos?

Imagem e música turbinam as candidaturas

Eleições: Novas forças ameaçam velhas lideranças

Pré-candidatos: mais semelhanças do que diferenças

O potencial e desafios dos pré-candidatos

Mais Lidas

DOURADOS

Idosa cai em golpe do falso sequestro, mas polícia consegue impedir transferência bancária

DOURADOS

Drogado, homem acaba preso após agredir filha e esposa

REGIÃO

Droga apreendida em veículo que capotou é avaliada em 1,5 milhão

RIO BRILHANTE

Caso de homem encontrado morto dentro de residência é investigado