Menu
Busca sábado, 27 de novembro de 2021
Dourados
35°max
19°min
Campo Grande
32°max
21°min
Três Lagoas
35°max
22°min
Acompanhe-nos
(67) 99257-3397
COLUNA

Amplavisão

Manoel Afonso

‘União Brasil’: um partido da conveniência?

Amplavisão

22 outubro 2021 - 07h34

‘UNIÃO BRASIL’: Um partido da conveniência? Uma espécie de fruto de inseminação artificial?  Para questionar sua bandeira basta analisar o currículo de seus principais personagens nacionais. Aqui, a futura sigla não tem empolgado, há dificuldades na atração de lideranças. A deputada Rose Modesto (PSDB) não se entusiasmou com o convite.  

LEMBRANDO... É difícil viabilizar uma nova sigla devido as características políticas do Mato Grosso do Sul. Aliás, na década de 80, investidos em mandatos parlamentares, Leite Schimdt e Rubem Figueiró tentaram sem sucesso implantar o PP. Em 1982 houve mudanças na lei eleitoral pelo presidente João Figueiredo e o PP foi incorporado ao MDB.

DR ULYSSES: ‘Lá em cima’ decepcionado com os ‘paladinos’ da moral do MDB. Na extensa lista, duas lideranças regionais: o ex-prefeito de Maracaju Maurílio Azambuja (de tornozeleira/denunciado por irregularidades) e do ex-governador Puccinelli, sofrendo nova derrota no Judiciário federal.  Pior do que as sentenças é o veredito soberano da opinião pública. 

PREVISÕES: Pela postura do senador Renan Calheiros na CPI da Vacina, parte do MDB ficará com Lula. Há também emedebistas se agrupando em torno de Bolsonaro; quem delire com a candidatura própria e aqueles que apostam na terceira via. Políticos profissionais experientes, eles devem esperar a hora certa para fazer um bom negócio. 

ARTHUR VIRGÍLIO: Tem currículo, impressionou. É bom debatedor. Diplomata de carreira (Instituto Rio Branco), prefeito de Manaus e deputado federal por 3 mandatos cada, senador, líder do Governo FHC na Câmara e seu ministro, coordenou as campanhas presidenciais de Tancredo Neves e Mario Covas. Frase dele na coletiva em Campo Grande: “Num país onde tem democracia não há fome, não falta comida”.

DEPUTADOS & AÇÕES:  Paulo Corrêa:(PSDB):  ajudou a criar programa de emissão de carteiras gratuitas de habilitação de motoristas; prorrogou, a pedido de deputados, a suspensão dos trabalhos da CPI da Energiza.  José Teixeira (DEM): atento as questões ruralistas e do meio ambiente; lamenta a lentidão das obras do aeroporto de Dourados e sugere a ajuda da ministra Tereza Cristina.  Lucas de Lima (Sol): tem projeto obrigando a exibição de vídeos educativos contra as drogas nos cinemas; presente ao lançamento do programa MS+Esporte; aprovado seu projeto que incentiva a propaganda de incentivo a  maior vacinação anti Covid.  João H. Catan (PL): Entregou R$835 mil (do total de Cr$1,8 milhão) em emendas para entidades e setores da gestão pública de Paranaíba; declarada de utilidade pública a Sociedade Abrigo dos Bichos em Campo Grande. Mara Caseiro (PSDB): atendida no pedido de asfaltamento (31 kms) da ‘Estrada da Balsinha’ em Naviraí; pede asfalto na rodovia Bandeirantes-Rio Negro; lançou a campanha ‘Lenço Solidário’ no Outubro Rosa contra o câncer de mama. 

CANSAÇO: “...São muitas as razões para estarmos cansados. Na política então, estamos a ponto de ter de volta a gangue do PT porque a gangue bolsonarista parece pior agora. O Brasil vive seu ocaso político: a classe política é um lixo, a elite sempre oportunista com pitadas de solidariedade gourmet, o pensamento orgânico do PT se prepara para retomar sua hegemonia na máquina de produção de conteúdo...” (Luiz Felipe Pondé)

IMPROVÁVEL: Após a CPI assim é avaliada a chance de condenação imediata ou impeachment do presidente Bolsonaro. Tem a seu favor o procurador geral Augusto Aras e presidente da Câmara Artur Lira. Mas sem mandato, alguns destes casos desceriam para instâncias inferiores - onde promotores e magistrados revoltados com o destino da Lava Jato poderiam mudar o quadro. 

ELEIÇÕES 2022:  Por essa exposição sintetizada o leitor já entendeu a importância  para Bolsonaro se reeleger. Sem mandato perde a blindagem, perde o cacife das barganhas.  No Brasil é assim. Afinal, dos 512 deputados federais ele precisa de 342 para impedir que o pedido de impeachment prospere na Câmara. Muito? Pouco? Depende...

ERRARAM...  Os ex-presidentes Collor de Mello (PRN) e Dilma Roussef (PT) jogaram equivocamente e perderam o cargo. Vale citar o caso do ex-prefeito Alcides Bernal (PP)  de Campo Grande. Não teve o senso político (jogo de cintura) nas relações com a Câmara Municipal. E deu no que deu. Política exige algo mais que prestígio: habilidade.  

AÇÕES PARLAMENTARES:  Gerson Claro (PP): enaltece o investimento de R$120 milhões do Governo Estadual no esporte; presidiu reunião da CCJR que analisou 8 propostas; comemora a emenda de R$1850,00 mil que solicitou ao deputado federal Beto Pereira (PSDB) para a Saúde (compra de ambulância) e Educação de Sidrolândia. Pedro Kemp (PT): proposta sua dá aos trabalhadores da iniciativa pública e privada o direito de se ausentar do serviço para realizar exame da próstata. Neno Razuk (PTB): Sucesso o 1º Leilão que promoveu no dia 16 em prol da Causa Autista rendendo Cr$585.840 mil para as entidades da capital, Dourados e Navirai. Amarildo Cruz (PT): antenado, percorreu regiões atingidas pela tempestade na capital, ouviu a comunidade e encaminhou pedidos à Agepan, Procon e Energisa para restaurar a energia elétrica e outros serviços indispensáveis a vida urbana. José C. Barbosa (DEM): aprovado na CCJR seu projeto denominando Amaro de Souza a ponte no rio Dourados na MS.274;  vigilante, questionou os entraves que estão retardando o final das obras do aeroporto de Dourados.

DESGASTA?  Claro, a resposta depende da ótica de análise. Por quais razões os deputados Bia Cavassa (PSDB), Luiz Ovando (PSL) e Vander Loubet (PT) votaram a favor do projeto que enfraqueceria o Ministério Público? Um tema tão debatido antes na mídia  e que ganha o mesmo espaço após a derrota da proposta.  Quanto aos nossos outros 5 parlamentares (contra o projeto) se livraram de um baita desgaste.  

SALVAÇÃO:  Para as siglas nanicas a ‘Federação dos Partidos’ seria a saída jurídica para fugir do castigo imposto pela clausula de barreira. Sem grana do Fundo Partidário e tempo na TV, caminhariam para a extinção. Embora unidos, esses partidos menores conseguirão manter suas identidades próprias. É diferente das coligações temporárias que só duram até as eleições. 

LINHAS GERAIS:  Essa união de nanicos não ficará restrita só a uma eleição. Precisa durar por no mínimo 4 anos, englobando a eleição presidencial, as candidaturas estaduais e as atuações na Câmara e Senado. Na pratica será difícil manter a fidelidade e a mesma posição diante dos conflitos de interesses nas bases.  Proibido ser parceiro na Assembleia, Câmara, Senado e adversário no município. Aí é que serão elas! 

CONVENHAMOS!  Impressiona a criatividade dos nossos congressistas em encontrar soluções para problemas que possam afetá-los. É o tal corporativismo onde as diferenças partidárias e pessoais são colocadas temporariamente de lado. Quando você pensa que   poderiam se regenerarem, eles retomam as velhas práticas do vale tudo. ‘Meu pirão – primeiro’.   

PARLAMENTARES EM AÇÃO:: Marçal Filho (PSDB): em sessão, homenageou professores, administrativos e gestores da Educação; aprovado seu projeto humanizando o atendimento as mulheres vítimas da violência; sancionada lei contra o ‘stalking’ fruto de seu projeto. Lídio Lopes (Patri): foi ao Acre em missão da Unale onde promoveu o evento da entidade em novembro em Campo Grande. Evander Vendramini (PP): alvo de elogios da sociedade pelo seu projeto contra o oferecimento de empréstimos; sua atuação em defesa do pantanal rendeu-lhe reconhecimento do Governo Estadual. Capitão Contar (PSL); Pede medidas urgentes ao Procon, Agepan e Governo; requer um canal exclusivo da Energisa  para atender aos consumidores atingidos pela tempestade; pede pesagem eletrônica automatizada nas principais rodovias do MS.  Antônio Vaz (Rep):  feliz com aprovação de seu projeto dispondo sobre o prazo de validade do laudo médico pericial do Transtorno do Espectro Autista no âmbito do Estado. Gosta do que faz. 

A FATURA: Foram R$2,3 bilhões a mais que o MS arrecadou com impostos entre janeiro e setembro. De R$9,6 bilhões em 2020 para R$11,9 bilhões; ou seja, 24% de aumento em 2021.  O ICMS foi o responsável por 84,31% de todos os tributos neste período - com crescimento de 26,93% em relação ao mesmo período do ano passado. 

JUSTIFICATIVA: Com a crise do Covid as pessoas não gastaram e o consumo de bens caiu. A retomada da economia em 2021e a explosão de preços do petróleo no mundo aumentaram a arrecadação do ICMS em mais de 30%. Nesta mesma esteira veio a fatura a maior (14,87%) da energia elétrica. Enfim, essa crise sanitária acabou engordando os cofres dos Estados.  

NOVOS TEMPOS: Quando foi que você emitiu ou recebeu o último cheque?  Cheque virou raridade. Os cartões de débito/crédito, as transferências eletrônicas e o PIX ajudam a diminuir o uso dos cheques. Outra consequência: aqueles que faturam descontando os cheques recebidos pelo comércio - antecipando a grana dos ‘pré-datados’ - tiveram o movimento reduzido.  

CORREÇÃO: O candidato do PT Humberto Amaducci obteve no pleito de 2018  10,16% dos votos e não os 4% constantes na edição anterior. E a pergunta da hora: será que mantida a polarização Bolsonaro e Lula em 2022, o atual presidente repetiria os 872.049 votos (65,22%) obtidos no MS contra Fernando Haddad (PT) (465.025 votos) 34,78%?

PILULAS DIGITAIS:

‘E o vento levou...’ em Campo Grande, mas sem direito a Clark Gable e Vivien Leigh.

Renan Calheiros; a caminho da canonização?

Reclamação: Ninguém me apresenta esse tal ‘mar de lama’! Eu queria entrar nele só por meia horinha. 

Eu tenho uma teoria de que a verdade nunca é dita durante o horário comercial. ( Hunter S.Thompson)

A nossa sociedade é essencialmente baseada na glorificação do ego; para ser feliz um sujeito precisa estar acima da massa. (Bernardo Bertolucci)

Sem invenção a vida fica sem graça. Por mais que você escolha não viver, a vida te agarra em alguma esquina.  

O dinheiro é ótimo. Tira a pessoa da pobreza. Mas não tira a pobreza da pessoa. 

Multar quem não usa máscara é fácil. Difícil é prender quem comprou respiradouros super faturados. 

O mundo estaria a salvo se os homens de bem tivessem a mesma ousadia dos canalhas. ( Nelson Rodrigues)

Todos estamos carentes. Tudo é o mínimo para compensar as privações da pandemia. ( Fabricio Carpinejar)

 

Deixe seu Comentário

Leia Também

Discurso: vale menos o conteúdo e mais a comunicação
O fim das coligações assusta os candidatos
MDB: enfraquecido e encurralado no Estado
O relógio está contra Simone Tebet
Marquinhos: protagonista nas eleições em 2022

Mais Lidas

ESTUPRO DE VULNERÁVEL
Jovem é preso após manter relacionamento com menina de 11 anos em Dourados
DOURADOS
Menina diz que mantinha relações sexuais com acusado de estupro desde os 10 anos
AÇÃO CONJUNTA
Dourados terá operação 'Lei Seca' para conter bebedeira no trânsito após final da Libertadores
DOURADOS
Acusado de estupro tem prisão preventiva decretada e é transferido para a PED