domingo, 07 de agosto de 2022
Dourados
29°max
18°min
Acompanhe-nos
(67) 99257-3397
COLUNA

Amplavisão

Manoel Afonso

Imagem e música turbinam as candidaturas

24 junho 2022 - 07h32

TIRO NO PÉ:  A paralização dos ônibus na nossa capital devido ao atraso salarial dos  motoristas (1.200) prejudicará as pretensões de João Rezende (PP), presidente do  Consórcio Guaicurus, pré-candidato à Câmara Federal. Como atrair simpatizantes à sua bandeira corporativista? O clima de descontentamento popular não avaliza tal ousadia.   

A PROPÓSITO: No pleito de 2006 o candidato a deputado estadual empresário Sinval Martins (PAN) obteve 9.557 votos mas perdeu a vaga por 151 votos para o novato Marcio Fernandes (PRTB). Apesar do seu bom conceito moral (ex-presidente da Santa Casa) pesou contra o seu cargo de diretor da Viação Jaguar e da ligação com estigmatizado Consórcio Guaicurus. Decepcionado, desistiu de vez.

COMPLICADO: Alguns cargos públicos e atividades profissionais não proporcionam uma imagem positiva, simpática aos seus titulares junto a comunidade.  Neste rol estão aqueles que envolvem relações fiscais/financeiras e os detentores de concessão de serviços públicos como o desgastado setor de transporte urbano. É o clamor do bolso.

MEMÓRIA: Nesses tipos de atividades não há caridade. Tudo é na base do toma lá-da-cá e ponto final. Um professor, a enfermeira ou outro profissional da área da saúde pública  por exemplo, conseguem cativar facilmente um  segmento da população por suas ações   que beneficiam cidadãos anônimos ( do povo).  É assim que funciona.

OPORTUNISTA: Na política é quem aproveita a oportunidade. Mas não é sinônimo de mau caratismo. Sua boa imagem é construída pelos seus préstimos profissionais ou  no  segmento de sua atividade. Induzido por políticos profissionais, é vítima da mosca azul, achando que repetirá o êxito na vida pública. Mas a política é um palco de delírios, sonhos. 

DEPUTADOS & AÇÕES: Paulo Corrêa (PSDB): presidiu sessão solene homenageando a colônia nordestina com outorga da ‘Comenda Asa Branca’; deu sequência as pautas das sessões ordinárias; prestigiou a inauguração do Hospital Regional de Três Lagoas. Zé Teixeira (PSDB): pede ao Governo a revitalização/duplicação da Av.  Emanuel Pinheiro  (trecho da  MS-147) no Distrito de Culturama; é autor da moção de aplauso ao jornalista Ariosto Mesquita pela sua premiação na mídia do agronegócio.  Lucas de Lima (PDT); seu projeto institui o ‘Dia Estadual do Rasqueado no MS’ a ser comemorado no dia 16 de junho, data de falecimento da cantora Delinha; tem projeto instituindo ensino gratuito da língua inglesa aos profissionais do turismo.  (Marçal Filho) (PSDB): de sua autoria projeto concedendo aos autistas gratuidade no transporte coletivo intermunicipal rodoviário; Governo prepara cadastro para premiar  motoristas sem multas a partir de 2023 em atendimento ao projeto do deputado em 2019. Paulo Duarte (PSB): seu projeto altera a Cavalgada Sul-Mato-Grossense no Calendário de Eventos de Três Lagoas e inclui igual promoção do distrito de Arapuá; estudioso não perde o foco do episódio das lavouras no Pantanal e do escândalo ‘Flex Park’ (estacionamento) na capital.     

CAMPANHA: Sem jingle (ou bordão) ela fica sem sabor, chocha. Com vários pretendentes ao Governo espera-se bons trabalhos com polcas, rasqueados e chamamés. Lembro do peso da obra de Renato Teixeira -  ‘Homem de Miranda’ -  nas campanhas  de  Pedrossian. Candidatura vitoriosa deve ter uma bela foto e uma boa música.  Embalagem, moldura do produto. É o marketing! 

BOM EXEMPLO: O bordão do jingle musical que cai no gosto popular é fator   favorável. Nas últimas eleições municipais em Costa Rica o candidato vitorioso Cleverson dos Santos (PP) usou o bordão ‘Agora é Tchau!’ onde personagens e políticos adversários eram citados na letra da música que viralizou nas redes sociais e caiu no gosto popular.   

CUIDADO!  Parodiando ou não uma música há risco de se pagar indenização pelo  uso. Aliás, o STJ ainda aprecia aquele caso de 2014 envolvendo o candidato Tiririca por usar a música o ‘Portão’, de Roberto e Erasmo Carlos. É preciso atentar ao controvertido  artigo 47 das Lei dos Direitos Autorais que diz: “Livres as paráfrases e paródias que não forem verdadeiras reproduções da obra originária nem lhe implicarem descrédito”. 

DESABAFO de um amigo artista da terra sobre o uso de músicas nas campanhas: “Pelas notícias não faltará dinheiro nas eleições. Nada mais justo de que os partidos, através dos candidatos disponibilizem recursos para investir nesta parte da mídia de campanha. A boa qualidade dos jingles e das músicas beneficiará os candidatos com o retorno nas urnas. ”  

SAUDOSISMO: A cada eleição ouço a tese de que os pleitos de antigamente eram melhores. Bobagem! Sempre tivemos pretendentes bons e ruins. Alguns patéticos até. Sugiro uma consulta na internet a lista de candidatos de eleições anteriores e comparar sem paixões. A conclusão é de que ‘as coisas mudaram - mas para ficar como estão’.   

AÇÕES & DEPUTADO: Neno Razuk  (PL):  tem projeto de lei prevendo atendimento especial em concursos públicos e vestibulares para pessoas com TDAH e dislexia. A proposta segue para CCJR.   Amarildo Cruz (PT): celebra o sucesso do evento de entrega da ‘Comenda Asa Branca’ proposta em parceria com o deputado Paulo Corrêa homenageando a colônia nordestina;  voltou a abordar a política de preços da Petrobras impactando na vida de todos.  Evander Vendramini (PP): propõe o benefício da meia-entrada aos professores da rede pública em estabelecimentos  de lazer e entretenimento; aprovado seu projeto declarando de utilidade pública a Associação de A. Social/Cultural Ebenézer em São Gabriel do Oeste. Mara Caseiro (PSDB): pede reforma da escola estadual em Ponta Porã; requer acesso a tecnologia para expedição de carteira de identidade em Ribas do Rio Pardo; requer ao Estado doação de caminhões de lixo para Caracól. Gerson Claro (PP): presidiu reunião da Comissão de Constituição Justiça e Redação onde 15 matérias receberam parecer favoráveis e duas propostas contra; vem acompanhando as obras de recapeamento e de asfaltamento na região de Sidrolândia e Maracaju.  

‘GALOPEIRA’:  Após Flávio Derzi e Oscar Goldoni, agora é Karlos Bernardo que tentará chegar à Câmara Federal. Apadrinhado do ex-deputado Edson Giroto e do ex-governador André Puccinelli com quem visitou várias cidades, o empresário é diretor  executivo da Universidade Central do Paraguai  e já motivaria ciúmes de Waldemir Moka, outro postulante do MDB ao cargo.

A PROPÓSITO:  São cada vez mais visíveis os sinais da participação efetiva do ex-braço direito de Puccinelli nos bastidores da campanha eleitoral. Tal qual o ex-ministro Zé Dirceu na articulação petista, Giroto tem procurado agir com discrição no contato com lideranças interioranas. Mas vez ou outra surgem notícias e fotos na mídia a respeito.

TORRE DE BABEL:  Deve ser coisa combinada. Se Puccinelli não garante espaço a Simone Tebet no palanque do MDB, o ex-ministro Carlos Marun (MDB) e o ex-deputado Junior Mochi desconversam. Não há  preocupação com a situação de Simone. Puccinelli está – como se diz ‘cuidando apenas da própria vida’. Seria a primeira candidatura de Simone órfã, sem padrinho político. 

REPAGINADA:  Aos olhos do telespectador a pré-candidata Rose Modesto ( União Brasil) ressurgiu   mais elegante, com maquiagem caprichada inclusive, mas sem perder o charme da fala e sorriso fácil – sua marca registrada. A exemplo de Simone Tebet,  insiste na tecla da inserção da mulher na política e em pautas genéricas. Aguarda-se projetos específicos que motivem debates na campanha. 

EDUARDO RIDEL: As avaliações sobre sua postura nesta fase eleitoral  marcadas pelo otimismo crescente.  Claro, correções virão no tempo certo como em outras candidaturas majoritárias. Ouço observações interessantes sobre a capacidade de percepção do pré-candidato, com discurso próprio e disposição física invejável. Já galgou a condição de protagonista nesta ‘peleia’. 

DEPUTADOS  & PROPOSTAS:  Pedro Kemp (PT): defendeu o projeto proibindo a eliminação de candidatos além do número de vagas disponíveis em concursos públicos estaduais para possibilitar a formação de quadro reserva de candidatos.  Capitão Contar (PRTB): Otimista com os resultados previsíveis de seu projeto em tramitação que institui a Semana Estadual de Conscientização sobre a Carga Tributária e que envolve vários segmentos da sociedade civil. Antonio Vaz (REP): propõe a criação do programa que visa maior atenção à saúde mental dos conselheiros tutelares e aos profissionais atuantes na área; alerta sobre a conscientização do público jovem sobre a doação de sangue e medula óssea no Estado. Lidio Lopes (Patri): atento as demandas dos municípios do Cone Sul que ele representa, principalmente nas áreas da saúde e obras públicas; participante ativo das sessões ordinárias do legislativo. José C. Barbosa (PSDB): Sua proposta cria o ‘Dia Estadual do Escrivão’ a ser comemorado anualmente em 5 de novembro; pede retomada das obras do ‘Viaduto do DOF’ na BR 163 em Dourados; pede respeito a nomeação do novo reitor da UFGD, desejando-lhe êxito no cargo.

MARQUINHOS: Como era previsível o senador Nelsinho Trad (PSB) não esconde que abraçará a candidatura do seu irmão. O ex-prefeito de Campo Grande prossegue com suas visitas ao interior e ao seu estilo cauteloso demonstra confiança que irá para o segundo turno. As avaliações de suas chances de êxito hoje são favoráveis. 

VALE TUDO: Antes era a pichação de muros e locais públicos  com denúncias agressivas contra os candidatos. Agora com a internet e o advento do watsApp a guerra  eleitoral assumiu outros contornos. Embora a lei proíba, os excessos já são notórios. Pelo visto a justiça terá muito trabalho no combate ao pessoal especializado neste tipo de ações. Será um Deus nos acuda.

SURPRESA?  As avaliações nesta fase de pré-candidaturas mostram que em Mato Grosso do Sul o desempenho de Lula poderá superar os números de percentuais obtidos pelo petista nos pleitos anteriores. Não é preciso ser especialista para detectar os fatores responsáveis pelo quadro atual e concluir de que não há surpresa alguma, mesmo em cidades que tradicionalmente o anti-petismo imperava. Portanto... 

CENÁRIO:   O país interior está comentando os números da amostra realizada pelo Datafolha confirmando a polarização Lula-Bolsonaro. Os desencontros administrativos do atual governo, a inflação, a Petrobras, os preços dos combustíveis, os escândalos sucessivos  são fatores nacionais que naturalmente estão pesando no eleitor. 

NA PRAIA... O desempenho pífio da pré-candidata Simone Tebet (MDB) no Data folha mostra o equívoco da nossa senadora.  Aliás, a mídia nacional também divulgou as declarações dela admitindo que poderá fazer a opção pelo petista Lula num eventual segundo turno. Esses dois fatos relevantes deixam Simone em situação difícil no cenário político de nosso Estado. 

Ponto final: Pergunte ao seu filho o que ele quer comer apenas se ele for pagar.
( Fran Lebowitz) 

Deixe seu Comentário

Leia Também

Ambiente favorece reeleição dos deputados estaduais

Candidaturas geram expectativa pelos projetos

Convenções: começa a batalha pelo poder

Eleições: Dourados ainda é coadjuvante

O desafio de transferir votos no 2º turno

Mais Lidas

TRAGÉDIA

Mulher que morreu em acidente na BR-463 era agrônoma de Dourados

TRAGÉDIAS

Agosto começa com quatro mortes por acidentes de trânsito em Dourados 

LUTO

Conselho de Agronomia lamenta morte de jovem agrônoma em acidente

TENTAVIVA DE HOMICÍDIO

Susto provocado por cachorro e discussão terminam com ciclista baleado