Menu
Busca sábado, 25 de setembro de 2021
(67) 99257-3397
CUIDADOS

Combinar cirurgias plásticas não é o mais indicado

17 setembro 2014 - 11h08

Um fenômeno que tem crescido ao longo dos últimos anos em todos os continentes é a associação de diferentes cirurgias plásticas em diversas áreas do corpo, na mesma operação. Para se ter ideia, dado divulgado pela Sociedade Americana de Cirurgiões Plásticos (ASPS) afirma que 42% de todos os norte-americanos que se submeteram a plástica realizaram dois ou mais procedimentos ao mesmo tempo.

Por aqui, não há números oficiais, porém o Dr. Márcio Castan, cirurgião -plástico de Porto Alegre, confirma que o brasileiro também é adepto a intervenções simultâneas, mas alerta: algumas precauções devem ser levadas em consideração antes de enfrentar várias cirurgias de uma só vez.

O especialista acredita que os avanços tecnológicos e científicos são as principais razões que fizeram os procedimentos simultâneos tornarem febre no mundo. Inclusive, esse tema é bastante debatido nos eventos do setor, o que levou a Sociedade Brasileira de Cirurgia Plástica (SBCP), por exemplo, lançar uma cartilha com dicas para manter a segurança dos procedimentos. Uma das orientações que esse manual faz diretamente aos médicos é sobre o longo período que pode demandar na sala de cirurgia ao associar procedimentos.


Tempo na mesa de cirurgia

"Para garantir a segurança, o tempo cirúrgico não deve ultrapassar quatro horas, pois pode haver maior risco de infecções, riscos anestésicos, maior perda sanguínea, riscos de complicações cardiovasculares, bem como o cansaço da equipe", diz Márcio. Além disso, o paciente pode sentir incômodo em várias áreas, dificultando, desta forma, que as orientações pós-operatórias sejam seguidas corretamente, além de poder prejudicar o período de cicatrização.

A recomendação da comunidade médica, portanto, é realizar um procedimento por vez, pois cada um tem peculiaridades próprias. Entretanto, a combinação de cirurgias em um único ato operatório pode, sim, ser acordada entre o médico e o paciente, desde que haja possibilidade técnica, associada aos bons resultados dos exames pré-operatórios do paciente.

"Não há nada que proibida determinadas cirurgias combinadas que se complementam como, por exemplo, um lifting facial e a blefaroplastia (intervenção cirúrgica plástica em pálpebra); ou ainda a lipoaspiração e a abdominoplastia; lipoaspiração com gluteoplastia de aumento, abdominoplastia e mamoplastia de aumento ou redutora e assim por diante", observa o cirurgião.

O especialista ainda reforça que, além de um procedimento potencializar o resultado do outro e deixar o paciente mais satisfeito, normalmente há benefícios econômicos para o paciente, pois há somente um único ato operatório, uma anestesia e, principalmente, a concretização de dois ou mais sonhos de uma só vez.

Deixe seu Comentário

Leia Também

BONITO
Mulher é autuada em R$ 5 mil por desmatamento ilegal em área protegida
ANEEL
Conta de energia continua com bandeira vermelha em outubro
CAPITAL
Haitiano invade delegacia, detona viatura e dá prejuízo de R$ 25 mil
Inova Unigran inicia o evento "Investimento & Startup" na terça-feira
GERAL
Inova Unigran inicia o evento "Investimento & Startup" na terça-feira
Mulher inventa roubo de carro alugado e acaba autuada ao registrar BO
REGIÃO
TJ/MS implementará 100% dos serviços presenciais no dia 18 de outubro
VIOLÊNCIA
Homem volta com foice após falhar ao tentar matar homem a tiros
EDUCAÇÃO
UEMS realiza palestra sobre 'Leitura e Literatura para bebês e crianças'
BATAYPORÃ
Polícia Civil prende mulher condenada por tráfico de drogas
BRASIL
Ministro anuncia dose de reforço contra Covid a profissionais de saúde

Mais Lidas

DOURADOS
Homem é encontrado morto em casa por funcionária na Vila São Brás
RACISMO
Em SP, DJ Alok recorda exclusão de integrantes do 'Brô MCs' durante show em Dourados 
TRAGÉDIA 
Motociclista morre na BR-163 em Dourados após bater em uma capivara 
DOURADOS
Júri condena jovem que matou amiga com tiro na nuca e alegou 'acidente'