Menu
Busca terça, 25 de junho de 2019
(67) 9860-3221

Metade das mães alimentam seus bebês apenas com leite materno

20 maio 2011 - 09h27

Mesmo com todas as campanhas em prol da amamentação já realizadas no país alertando para o leite materno como o alimento ideal para a criança, o último levantamento do Ministério da Saúde, de 2008, mostra que apenas 41% das mães fornecem exclusivamente o alimento até os seis meses de idade. Este cenário e as consequências da introdução precoce de alimentos complementares serão debatidos hoje, no 68º Curso Nestlé de Atualização em Pediatria, no ExpoUnimed, em Curitiba (PR).

A amamentação exclusiva até os seis meses de vida e combinada, até os dois anos de idade, com outros itens, reduz a incidência de sobrepeso na vida adulta, tanto pela correta formação dos hábitos alimentares, quanto pelo estímulo à produção de hormônios.

“Para dimensionar o impacto da introdução de complementos antes da 17ª semana de vida, o que não é recomendado pela Sociedade Brasileira de Pediatria e pela Organização Mundial da Saúde, temos estudos que revelam que cada mês de retardo na introdução de novos alimentos para bebês entre 2 e 6 meses diminui de 6% a 10% o risco de excesso de peso na vida adulta”, ressalta a Dra. Virginia Resende S. Weffort, professora de Pediatria da Universidade Federal do Triângulo Mineiro e Presidente do Departamento de Nutrologia da Sociedade Brasileira de Pediatria.

Sob o ponto de vista do desenvolvimento infantil, esta prática previne a obesidade em outras etapas da vida, na medida em que o aleitamento materno estimula, por exemplo, a produção dos hormônios grelina e leptina. Ambos regulam o efeito de saciedade, criando um padrão para esta sensação. Nas raras situações em que a amamentação é contra-indicada, a criança deve receber a fórmula infantil adequada, prescrita pelo médico.

Com relação à formação dos hábitos alimentares, a partir dos seis meses, a oferta calórica do leite materno torna-se insuficiente para suprir o metabolismo da criança. O consumo ideal de energia deve ser obtido por meio de uma alimentação complementar adequada, associada à ingestão habitual de leite materno. Os novos alimentos introduzidos na dieta devem ser ricos em energia, proteínas, gorduras e micronutrientes (particularmente ferro, zinco, cálcio, vitamina A, vitamina C e folatos), de fácil consumo e de boa aceitação.

As frutas raspadas ou amassadas, junto com a papa de carne com hortaliças e cereais ou tubérculos (arroz, mandioca, batata, macarrão, etc) são os primeiros alimentos a serem introduzidos na dieta do bebê. Os sucos devem ser dados na quantidade máxima de 100ml por dia. As papas devem ser oferecidas quando a família estiver reunida, na hora do almoço ou do jantar. Deve-se variar os ingredientes, porém é importante manter o equilíbrio, incluindo uma porção de proteína, duas ou três de cereal ou tubérculo, uma de leguminosa (feijão, soja, ervilha, etc), uma de verduras (folhas e verduras) e uma de óleo. A partir dos 9 meses deve-se aumentar progressivamente a consistência dos alimentos até que com 12 meses, receba a refeição semelhante à da família, tendo- se o cuidado de evitar temperos e condimentos.

Imunização

A pediatra alerta ainda para resultados de dois ensaios clínicos e 18 outros estudos recentes, que sugerem que a amamentação exclusiva por seis meses tem várias vantagens em relação à amamentação exclusiva por três a quatro meses seguidos de aleitamento misto, ou seja, com leite materno e leites tradicionais. Estas vantagens beneficiam tanto a mãe, que perde peso de maneira mais ágil, em razão do restabelecimento hormonal, quanto o recém nascido.

As crianças que são amamentadas adoecem com menor frequência, necessitando de menos atendimentos médicos, hospitalizações e medicamentos.

De acordo com a Dra. Virginia Resende S. Weffort, as propriedades do leite materno garantem a primeira imunização do bebê contra doenças infecciosas, pois confere à criança elementos essenciais para o desenvolvimento de sua imunidade, além de propiciar o crescimento e nutrição adequados. “O leite materno é a melhor imunização que a mãe pode oferecer aos seus filhos. É praticamente uma vacina justamente no momento em que a criança está desenvolvendo seu sistema imunológico. Amamentando, são bem menores os riscos de doenças como a diarreia, infeccções respiratórias”, completa.

O bebê diminui consideravelmente o risco de infecção gastrointestinal, já que o leite materno é rico em prebióticos, componentes alimentares com propriedades imunológicas. Ele também estimula o crescimento da microflora não patogênica – que protege o intestino de bactérias.

Deixe seu Comentário

Leia Também

BRASIL
Portaria regulamenta revisão de benefícios do INSS
TRÁFICO
Veículo carregado com drogas é apreendido na região de Dourados
EDUCAÇÃO
Instituto divulga nova chamada e lista de espera para cursos técnicos
PLENÁRIO
Câmara de Dourados aprova LDO para exercício 2020
BRASIL
Presidente do BC: é preciso trabalhar para reduzir os juros do crédito
FRONTEIRA
Homem executado em Ponta Porã era assaltante de bancos no Piauí
POLÍTICA
Câmara não vê ‘interferência’ do MP em anulação de sessões de julgamento
INFORME PUBLICITÁRIO
Viver com segurança em um bairro com acesso monitorado
PONTA PORÃ
Homem capota veículo com mais de 700kg de maconha durante fuga
PROJETO
Aluno afastado por doença poderá receber atendimento educacional no hospital

Mais Lidas

POLÍCIA
Gangue invade festa e esfaqueia três adolescentes em Dourados
HOSPITAL DA VIDA
Jovem morre horas após acidente de moto
DOURADOS
Trans e namorado são presos suspeitos de extorquir cliente após programa
DOURADOS
Jovem morre ao bater moto contra carreta parada no Água Boa