Menu
Busca quinta, 21 de novembro de 2019
(67) 9860-3221
CORUMBÁ

Médico suspeito de cobrar R$1 mil por cirurgia do SUS continua atendendo

13 julho 2019 - 19h00Por G 1

O médico de Corumbá, suspeito de cobrar R$ 1 mil para fazer cirurgia de retirada de um pólipo do útero custeada pelo SUS (Sistema Único de Sáude), alegando que não iria "botar a mão no útero por R$ 24" continua atendendo no hospital da cidade. De acordo com o diretor técnico do hospital, Manoel João da Costa, até o momento a direção não tem motivos para afastar o médico, que é contratado:

"Por enquanto nós temos uma denúncia e aí eu [não posso] fazer juízo dele e julgá-lo nesse momento sem nada palpável e sem o conselho de ética estar atuando, não temos como tomar nenhuma providência em relação a esse afastamento ou não", declara.

De acordo com Manoel, o principal a ser preservado no caso será o direito da paciente:

"A gente precisa apurar os fatos, então, se existir um mecanismo legal, o jurídico aciona a direção clínica e a direção clínica encaminhará provavelmente esse caso para o Conselho de Ética que provavelmente deve encaminhar para o Conselho Regional de Medicina, dando amplo direito de defesa ao médico e preservando, logicamente, o principal que é o direito do paciente".

O caso aconteceu no mês de abril, quando a mulher de 26 anos procurou a maternidade da Santa Casa de Corumbá com uma hemorragia. Foi constatado que ela precisaria retirar um pólipo do útero e o médico que deveria fazer a cirurgia pelo Sistema Único de Saúde (SUS), disse que faria mediante o pagamento de R$ 1 mil.

O casal gravou uma conversa em que uma voz, supostamente do médico, diz que estava cobrando aquele valor porque receberia R$24 :

"Eu não faço pelo SUS, tá? Por motivo simples. O SUS paga R$ 24 pra fazer isso. Eu não vou botar a mão no útero de mulher desse tamanho com cinco cesáreas anteriores por R$ 24". O interlocutor altera a voz quando fala sobre a característica física da paciente.

Ela não pagou o valor pedido pelo médico e foi embora do hospital.

Alguns dias após o ocorrido, como a hemorragia não passou, ela procurou o hospital da Marinha em Corumbá onde soube que corre o risco de perder o útero:

"Se eu tivesse feito o procedimento certo, no momento certo, eu não teria que ter que perder meu útero hoje. [...] Sou uma mulher muito nova, uma menina de 26 anos perder um útero assim é uma coisa assim, absurda", declara.

A reportagem tentou falar com o médico novamente na manhã deste sábado, dia 13 de julho, mas ele não atendeu às ligações. Durante o único contato realizado após a denúncia, o médico negou que tenha cometido alguma ilegalidade e disse que não tinha mais nada a declarar.

Entenda o caso

O médico de Corumbá é suspeito de cobrar R$ 1 mil para fazer cirurgia de retirada de um pólipo do útero pelo SUS. A paciente, de 26 anos, e o marido gravaram conversa com ele e registraram boletim de ocorrência na Polícia Civil. O profissional diz que não houve ilegalidade e que aguarda as citações jurídicas.

De acordo o boletim de ocorrência, a paciente deu entrada na maternidade da Santa Casa de Corumbá no dia 23 de abril, dizendo estar com dores e sangramento no útero. Lá, o médico, depois de dizer que ela estava com "frescura", afirmou que seria preciso uma operação para retirada de um pólipo e que cobraria pelo procedimento.

"Aí, foi quando ele começou com uma história de que o SUS pagava muito pouco para ele. [...] E que, se ele me pagasse esse mesmo valor, eu iria fazer faxina na casa dele. Eu fiquei, assim, perplexa com essa história", conta a jovem, que prefere não se identificar.

Já internada pelo SUS, a paciente disse que ficou sem reação e que, após a chegada do marido, foi com ele até o consultório do médico, no próprio hospital, onde gravaram a conversa.

"...eu posso manter ela com a cirurgia pelo SUS e a gente faz acerto à parte. Em dinheiro, sem recibo e antecipado, tá? [...] Eu posso tentar te ajudar. Isso te custaria mil reais, tá? [...] Só que isso é ilegal, tá? Mas eu tenho duas opções: ou o ilegal ou eu não faço".

Após a conversa com o médico, a jovem tentou registrar boletim de ocorrência na Polícia Civil, mas, segundo ela, o investigador que a atendeu afirmou que não havia crime na situação relatada. O registro policial só foi feito dia 9 de julho, na Delegacia de Atendimento à Mulher, pelo crime de corrupção passiva.

A TV Morena procurou pelo médico no hospital no horário em que ele deveria estar trabalhando, no entanto, ele não estava. Por telefone e sem saber que estava sendo gravado, afirmou ter conversado com a paciente, mas negou o conteúdo.

"...não conheço esse áudio. Mas eu sei exatamente o que foi dito lá dentro e não houve nenhuma colocação nesse sentido de ilegalidade", disse.

Ministério da Saúde

Sobre o caso, o Ministério da Saúde disse em nota que a gestão do SUS é tripartite, cabendo à União as diretrizes das políticas de saúde e aos estados e municípios a execução dos serviços, bem como a responsabilidade de toda a organização da Rede de Assistência à Saúde. "O Ministério não é responsável pela contratualização de médicos e servidores, e sim, os gestores locais", diz a nota.

Estado e município

A Secretaria Estadual de Saúde disse que tomou conhecimento do caso por meio da TV Morena e ressalta que repudia tal atitude médica.

A Secretaria de Saúde de Corumbá disse que vai acompanhar a investigação que será feita pelo hospital/maternidade.

Deixe seu Comentário

Leia Também

RIO BRILHANTE
Homem é preso tentando pagar conta de água com dinheiro falso
MATO GROSSO DO SUL
Nota MS Premiada é aprovada em 1ª discussão na Assembleia
AMAMBAI
Equipe indígena participa pela segunda vez dos Jogos Escolares da Juventude
BRASIL
Senadores podem apoiar PEC para disciplinar prisão em 2ª instância
DOURADOS
Homem é preso e multado em R$ 7 mil por pássaros em gaiolas
EDUCAÇÃO
MEC anuncia três escolas militares em Mato Grosso do Sul
LEGISLATIVO
Assembleia recebe três projetos do Poder Executivo
ESTRUTURA DE GOVERNO
Governo Presente continua reuniões durante a tarde em Dourados
DOURADOS
“Nota Dourada” é aprovada pela Câmara e deve ser lançada pela prefeita ainda este ano
SAÚDE PÚBLICA
“Estamos completamente em dia com Dourados”, diz Geraldo sobre repasses

Mais Lidas

TENTATIVA DE FEMINICÍDIO
Ex esperou mulher chegar de curso para tentar matá-la no Estrela Verá
DOURADOS
Corregedoria abre sindicância para apurar ação da Guarda que terminou em morte
DOURADOS
Secretaria de Saúde contrata pessoal para limpeza com salários de R$ 1 mil a R$ 1,4 mil
JÚRI POPULAR
Primeira tentativa de feminicídio do ano ocorre às vésperas de julgamento por crime de 2018