Menu
Busca sexta, 14 de dezembro de 2018
(67) 9860-3221

Servidor federal homoafetivo consegue licença maternidade

27 novembro 2012 - 18h00

Um servidor público federal de Campo Grande, que mantém união homoafetiva, conseguiu na Justiça o direito de licença-maternidade integral em razão da obtenção da guarda judicial conjunta de uma criança de menos de um ano.

Com a tutela antecipada, obtida na segunda-feira (26), o servidor tem direito a licença de 120 dias, prorrogável por mais 60 dias. “Nós entramos com um processo de tutela antecipada na 1ª Vara Federal, pedido que foi negado. Porém, entramos depois com agravo de instrumento e tutela antecipada recursal, o que foi concedido no Tribunal Regional Federal da 3ª Região”, explicou a advogada Tânia Regina Cunha, que acompanha o caso juntamente com o advogado Aldo Ramos Soares.

De acordo com Tânia, somente o servidor federal, lotado no TRE/MS (Tribunal Regional Eleitoral do Estado), terá direito à licença, já que o parceiro trabalha como autônomo, e não é filiado à Previdência.

A licença foi concedida com base no art 2º, § 1º, do Decreto n. 6.690/08. Os advogados se embasaram também em casos semelhantes pelo País, como no Rio Grande do Sul.

Os advogados Tânia e Soares são membros da Comissão dos Direitos dos Idosos e das Pessoas com Deficiência (CODIPED) da OAB/MS. Soares é membro também da Comissão dos Direitos Humados (CDH) da Seccional.

Na decisão, o relator do caso enfatizou em sua decisão:

“O órgão especial deste Tribunal considerou inconstitucional o art. 210 da Lei nº. 8.112/90, por violar o art. 227, § 6º da Constituição da República, que proíbe a discriminação dos filhos, havidos ou não do casamento, ou por adoção, assegurando- lhes os mesmos direitos e qualificações (TRF da 3a Região, MS n. 2002.03.026327-3, Rel. Des. Fed. André Nabarrete, j. 24.11.05). Na oportunidade, restou consignado que a licença é direito também do filho, pois sua finalidade é "propiciar o sustento e o indispensável e insubstituível convívio, condição para o desenvolvimento saudável da criança", razão pela qual a adotante faria jus ao prazo de 120 (cento e vinte dias) de licença remunerada.

Pelas mesmas razões, é razoável a alegação de que importaria em violação à garantia de tratamento isonômico impedir a criança do necessário convívio e cuidado nos primeiros meses de vida, sob o fundamento de falta de previsão constitucional ou legal para a concessão de licença no caso de adoção ou de guarda concedidas a casal homoafetivo".

Deixe seu Comentário

Leia Também

POLÍCIA
DOF treina 41 policiais militares do estado de Goiás
JUSTIÇA
Nova diretoria da Amamsul será empossada nesta sexta-feira
VIOLÊNCIA
Polícia do Rio descobre plano de milícia para matar deputado Freixo
TRÁFICO
Após perseguição traficante é preso com 561 quilos de maconha
SELEÇÃO
Sesc abre vagas de professor temporário com salários de R$ 4,9 mil
ELEIÇÕES 2018
Governador, deputados e senadores serão diplomados hoje
IVINHEMA
Mulher fica presa às ferragens após bater veículo em árvore na MS-141
TEMPO
Sexta-feira de sol com aumento de nebulosidade em Dourados
SHOWBIZ
Bruna Griphao mostra tanquinho trincado em passeio na cachoeira
FUTEBOL
CBF sorteia primeira fase da Copa do Brasil; times de MS pegam paraibanos e mato-grossenses

Mais Lidas

BOAS FESTAS
Operação contra tráfico e roubo termina com cinco presos em Dourados
LUTO
Morre em Dourados empresário dono de tradicional restaurante
MESA DIRETORA
Após polêmicas e ‘novela’, Alan Guedes é eleito presidente da Câmara de Dourados
BOAS FESTAS
Ação conjunta mira traficantes em Dourados