Menu
Busca quarta, 17 de outubro de 2018
(67) 9860-3221

OAB/MS prepara parecer técnico sobre salário de vereadores

05 dezembro 2012 - 18h45

A OAB/MS vai elaborar um parecer técnico para averiguar a legalidade do aumento do salários dos vereadores de Campo Grande. Na terça-feira (5), a Câmara Municipal reajustou os vencimentos em 61,97%, a partir de janeiro de 2013, quando cada um dos 29 legisladores da cidade passará a receber R$ 15.031 mensais; hoje o salário é de R$ 9.280.

O objetivo da Seccional é realizar uma análise jurídica da legalidade do reajuste, que vem sendo questionado por diversos setores da sociedade. A OAB/MS iniciou a confecção do estudo após pedido de providência recebido através de denúncia.

“É preciso analisar a legalidade do aumento, sob o ponto de vista constitucional”, afirmou o advogado e secretário-adjunto eleito da Seccional, Jully Heyder da Cunha Souza, que faz parte da Comissão Especial de Acompanhamento das Denúncias de Corrupção da OAB/MS.

A Seccional também analisa o reajuste tendo como base a LRF (Lei de Responsabilidade Fiscal), que veda expressamente o aumento da despesa com pessoal nos cento e oitenta dias anteriores ao final do mandato.

A OAB/MS prepara um laudo técnico para verificar possíveis ilegalidades no reajuste. Se houver, a Ordem não se furtará em tomar as medidas necessárias para restabelecer a ordem jurídica, seguindo seu estatuto.

Segundo os parlamentares campo-grandenses, o índice de reajuste foi baseado na legislação em vigor que permite que o teto salarial do vereador seja de até 75% da remuneração de deputado estadual que hoje é de R$ 20.042 que resulta em R$ 15.031.

O modo como o reajuste foi efetuado também será analisado pela Seccional. A OAB/MS vai averiguar como foi feito o processo dentro da Câmara, o trâmite e aprovação.

Transparência
Para a Seccional, o momento é oportuno para a Câmara divulgue os gastos totais com cada parlamentar. "É direito da população, que paga esse salário, saber o impacto do reajuste no Orçamento, e também o que cada vereador recebe, não só de salário, mas também de verba de gabinete, auxílios e assessores”, opinou Jully Heyder.

Além dos salários, cada vereador recebe por mês R$ 8,4 mil de verba indenizatória, o chamado “gastos de gabinete”.

A Câmara pode até ter embasamento legal para o reajuste, porém deveria se questionar se há realmente necessidade do aumento, pois é uma medida notadamente impopular que somente se justificaria por relevantes interesses da própria sociedade.

“E também vemos que é o momento da sociedade se organizar, para ter uma voz efetiva no debate de questões desta natureza”, frisou Heyder, lembrando que a ação da Seccional foi motivada por um pedido de providência do “Movimento Voluntário”.

Deixe seu Comentário

Leia Também

UAU
Natália Casassola posa seminua em sessão de fotos sensuais
CORUMBÁ
Rapaz defende mulher em briga de casal e acaba assassinado;
ESPORTES
MS garante vaga na série A do Brasileiro de Futebol para Amputados
SAÚDE
Desafios na prescrição de agrotóxicos é tema de palestra em Dourados
UEMS
Núcleo de Línguas abre inscrições para provas de proficiência
SOLIDARIEDADE
Amambai se une na busca por idoso de 86 anos desaparecido
PROSEGUR
Oito brasileiros são condenados por mega-assalto no Paraguai
TRÁFICO
Jovens são flagrados com droga que seria entregue no Guarujá
ELEIÇÕES 2018
Denúncias de fraude em urnas serão registradas on-line
FUTEBOL
STJD nega recurso e Sassá está fora da final da Copa do Brasil

Mais Lidas

DOIS DIAS DEPOIS
Servidora pública é encontrada nos fundos de residência que estava para alugar
DOURADOS
Cinco anos após crime, acusados pela morte de vendedor douradense vão a júri popular
DOURADOS
Familiares continuam na busca por mulher desaparecida e criticam falsos alertas
FLAGRANTE
Polícia fecha “distribuidora” de drogas em Dourados