Menu
Busca quarta, 23 de janeiro de 2019
(67) 9860-3221

OAB/MS prepara parecer técnico sobre salário de vereadores

05 dezembro 2012 - 18h45

A OAB/MS vai elaborar um parecer técnico para averiguar a legalidade do aumento do salários dos vereadores de Campo Grande. Na terça-feira (5), a Câmara Municipal reajustou os vencimentos em 61,97%, a partir de janeiro de 2013, quando cada um dos 29 legisladores da cidade passará a receber R$ 15.031 mensais; hoje o salário é de R$ 9.280.

O objetivo da Seccional é realizar uma análise jurídica da legalidade do reajuste, que vem sendo questionado por diversos setores da sociedade. A OAB/MS iniciou a confecção do estudo após pedido de providência recebido através de denúncia.

“É preciso analisar a legalidade do aumento, sob o ponto de vista constitucional”, afirmou o advogado e secretário-adjunto eleito da Seccional, Jully Heyder da Cunha Souza, que faz parte da Comissão Especial de Acompanhamento das Denúncias de Corrupção da OAB/MS.

A Seccional também analisa o reajuste tendo como base a LRF (Lei de Responsabilidade Fiscal), que veda expressamente o aumento da despesa com pessoal nos cento e oitenta dias anteriores ao final do mandato.

A OAB/MS prepara um laudo técnico para verificar possíveis ilegalidades no reajuste. Se houver, a Ordem não se furtará em tomar as medidas necessárias para restabelecer a ordem jurídica, seguindo seu estatuto.

Segundo os parlamentares campo-grandenses, o índice de reajuste foi baseado na legislação em vigor que permite que o teto salarial do vereador seja de até 75% da remuneração de deputado estadual que hoje é de R$ 20.042 que resulta em R$ 15.031.

O modo como o reajuste foi efetuado também será analisado pela Seccional. A OAB/MS vai averiguar como foi feito o processo dentro da Câmara, o trâmite e aprovação.

Transparência
Para a Seccional, o momento é oportuno para a Câmara divulgue os gastos totais com cada parlamentar. "É direito da população, que paga esse salário, saber o impacto do reajuste no Orçamento, e também o que cada vereador recebe, não só de salário, mas também de verba de gabinete, auxílios e assessores”, opinou Jully Heyder.

Além dos salários, cada vereador recebe por mês R$ 8,4 mil de verba indenizatória, o chamado “gastos de gabinete”.

A Câmara pode até ter embasamento legal para o reajuste, porém deveria se questionar se há realmente necessidade do aumento, pois é uma medida notadamente impopular que somente se justificaria por relevantes interesses da própria sociedade.

“E também vemos que é o momento da sociedade se organizar, para ter uma voz efetiva no debate de questões desta natureza”, frisou Heyder, lembrando que a ação da Seccional foi motivada por um pedido de providência do “Movimento Voluntário”.

Deixe seu Comentário

Leia Também

SAÚDE
Menino de 5 anos é diagnosticado com leishmaniose em Campo Grande
ECONOMIA
Aéreas brasileiras transportaram 103 milhões de passageiros em 2018
COXIM
Mulher não consegue falar com marido que é encontrado morto pela filho
UFGD
Concursos para docentes e técnicos divulgam candidatos isentos
ECONOMIA
Secretaria de Fazenda publica valor atualizado de Uferms para fevereiro
FORÇAS ARMADAS
Polícia recupera pistola de uso restrito desaparecida desde 2016
APRENDIZES-MARINHEIRO
Marinha abre inscrições para concurso com 1 mil vagas em todo país
ANASTÁCIO
Homem agride e furta dinheiro mãe para comprar bebida alcoólica
TELEVISÃO
Vanderson sai da casa para depor e é desclassificado do BBB19
CORUMBÁ
Homem é autuado por maus tratos a cavalo

Mais Lidas

POLÍCIA
Homem morre após ser atropelado por Mini Carregadeira em Dourados
BRASILÂNDIA
Dono de casa de prostituição é preso por tráfico de mulheres
ENERGISA
Consumidores podem recorrer ao valor da conta de energia sem sofrer corte no fornecimento
TRÁFICO
Carga de cocaína apreendida na BR-463 poderia render até R$ 47 milhões no Brasil