Menu
Busca quinta, 24 de setembro de 2020
(67) 99659-5905
CONFLITO INDÍGENA EM CAARAPÓ

MPF denuncia sete trabalhadores à Justiça por falso testemunho

09 novembro 2017 - 14h35Por Da Redação

O Ministério Público Federal (MPF) em Mato Grosso do Sul, por meio da Força-Tarefa Avá Guarani, denunciou à Justiça Federal de Dourados sete funcionários de uma cooperativa instalada em Caarapó, por terem faltado à verdade em depoimento prestado ao órgão em setembro de 2016.

No depoimento, eles após confirmarem estar trabalhando na data, negaram ter presenciado movimentação anormal nas dependências da empresa na manhã de 14 de junho de 2016, data do ataque à comunidade indígena Tey Kuê, na Fazenda Yvu, que deixou morto o indígena Clodioldo Adileu Rodrigues de Souza, 20, e oito feridos.

A indagação foi feita com a finalidade de apurar o ajuste prévio dos investigados nos atos violentos registrados na referida comunidade indígena “para o fim de constituir, organizar e integrar milícia particular, grupo ou esquadrão, com a finalidade de praticar crimes contra indígenas, tal como homicídio, lesão corporal, constrangimento ilegal, dano qualificado, ou qualquer outro necessário à expulsão dos índios da área denominada 'Fazenda Yvu', pelo uso imoderado da força e à revelia dos poderes constituídos”.

A versão apresentada pelos denunciados é incompatível com o depoimento de outras duas testemunhas e com os dados extraídos dos aparelhos celulares apreendidos mediante autorização judicial.

Segundo elas, aproximadamente 70 pessoas e 40 caminhonetes aportaram no pátio da empresa na referida data, onde permaneceram por pouco mais de uma hora e partiram, em comboio, sentido Amambai. Dados extraídos dos celulares apreendidos revelam, em conversa pelo aplicativo Whatsapp, que produtores rurais marcando encontro na sede da cooperativa para as 8h do dia 14 de junho de 2016.

A prática configura crime previsto no artigo 342 do Código Penal, que consiste em fazer afirmação falsa, negar ou calar a verdade como testemunha em processo judicial ou administrativo. De acordo com o MPF, “os denunciados, dolosamente e cientes da reprovabilidade de suas condutas, negaram e calaram a verdade sobre fato juridicamente relevante, na qualidade de testemunha, em processo administrativo”.

Deixe seu Comentário

Leia Também

CORONAVÍRUS
Brasil se aproxima de 140 mil mortes por Covid; curvas sobem em 8 estados
RIO DE JANEIRO
Candidato a novo mandato, Crivella é declarado inelegível pelo TRE
POLÍCIA
Homem de 40 anos é preso por porte ilegal de arma de fogo
ONLINE
Em evento digital, UEMS discutirá negacionismo e revisionismo da História
CORUMBÁ
Grávida tenta entregar cebola “recheada” com maconha em presídio
DOURADOS
Mulher que levaria droga para MT é presa na rodoviária
IBOPE
Governo Bolsonaro tem aprovação de 40% e reprovação de 29%, diz pesquisa
REGIÃO
Caminhonete “recheada” com maconha capota na MS-164
PEDRO JUAN
Dona de clínica onde estudante morreu paga fiança com caminhão
CAMPO GRANDE
Salão terá que indenizar cliente que sofreu queimadura no couro cabeludo

Mais Lidas

DOURADOS
Carro carregado com calhas capota após colisão e mulher fica ferida
PARANÁ
Traficante Elias Maluco é encontrado morto em presídio federal
PEDRO JUAN
Terror na fronteira: três veículos de luxo são incendiados em pontos distintos
PANDEMIA
Prefeitura e MPE entram em acordo para retorno das aulas presenciais na rede privada