Menu
Busca quarta, 18 de julho de 2018
(67) 9860-3221

Índios passam fome e bebem água contaminada em Coronel Sapucaia

25 dezembro 2012 - 10h15

#####Por Caroline Maldonado

Mais de 130 indígenas Guarani Kaiowá, do acampamento Kurusu Amba, próximo a cidade de Coronel Sapucaia, estão há quase dois meses sem receber cestas básicas, de responsabilidade da Fundação Nacional do Índio (Funai). Segundo o líder da comunidade, Ismarth Martins, representantes do órgão informaram que o alimento só chegará no dia 27. “É sempre assim, ninguém dá atenção para a gente se alguém de nós não morrer”, disse.

A comunidade está acampada na área de reserva legal da fazenda Auxiliadora desde 2009 enquanto aguardam a demarcação das terras. Ainda assim a comunidade tem uma pequena plantação de feijão, mandioca e milho que ajuda na subsistência das 50 famílias, mas a base da alimentação são as cestas do Governo Federal, que eram distribuídas a cada 15 dias, mas estão sendo entregues em média a cada seis semanas.

Outro problema denunciado pela comunidade é que os peixes e a água do rio Jaguí, que passa pelo acampamento, estão contaminados. “Uma vez por semana os fazendeiros passam agrotóxico na plantação de soja e o avião despeja o veneno aqui em cima de nós também. Os cachorros morrem e as crianças e velhos passam mal, têm vômito, febre e dor de cabeça”, explica Inocêncio Pereira, outo líder do local. A situação piora com a falta de alimentos, que deixa as crianças desnutridas e os velhos enfraquecidos, sucetíveis à tuberculose. No acampamento, sete pessoas estão com a doença.


Da terra tradicional para os “chiqueiros”

Ao falar sobre as cestas básicas, a liderança lembra que tudo seria diferente se o governo demarcasse a terra que eles reivindicam, que abrange as fazendas Madama, Maria Auxiliadora, Mangueira Preta e Fazenda de Ouro, totalizando cerca de 18 mil hectares. Ismarth lamenta a época em que as famílias foram obrigadas a morar nas aldeias criadas pelo Serviço de Proteção ao Índio (SPI), em 1920, que os anciãos chamam de “chiqueiros”. “Meu pai, Bernabé, não foi para o ‘chiqueiro’ e ficou trabalhando na fazenda. Antes ele era o dono da terra e virou peão do fazendeiro”, lembra.

Em 2007 e 2008 a comunidade fez as primeiras tentativas frustradas de retomada da terra tradicional, cujas consequências Arturio Benites e Noé Lopes sentem na pele até hoje. Ambos têm no corpo balas de arma de fogo, que os atingiram durante o confronto. Desde então, quatro lideranças foram assassinadas. A primeira foi a rezadeira Xurete Lopez, baleada em um confronto em 2007. Em junho do mesmo ano, o líder Ortiz Lopez foi assassinado por pistoleiro em seu barraco na frente da mulher e filhas.

Para Ismarth, a demarcação das terras poderia mudar a situação de extrema miséria da comunidade. “Com a devolução da nossa terra, nós vamos ter o que precisamos para viver bem. Nós temos que ter projeto de vida para cada família, ter a lavoura, poder criar os animais, fazer as práticas culturais e dar incentivo para os jovens, porque eles precisam”.

Deixe seu Comentário

Leia Também

NO DIA DA MASSA
Macarrão integral com legumes
ESTADO DE ATENÇÃO
Umidade do ar chega a 21% em mais um dia seco em Dourados
ESPORTE AMADOR
Copa Cachoeirinha de futebol de campo começa em agosto
ARQUITETURA VERDE
Casa tem teto verde e paredes vazadas
MARACAJU
Carga com 45 mil pacotes de cigarros contrabandeados é apreendida
COTAÇÕES
Dólar fecha em queda, de olho no rumo da taxa de juros dos EUA
SAÚDE
Pacientes do SUS vão receber notificações de consulta pelo celular
MAGISTRATURA
Juiz de Dourados é promovido a desembargador do TJMS
ALERTA
Gripe mata mais duas pessoas em uma semana no MS
Óbitos foram nas cidades de Campo Grande e Naviraí
ELEIÇÕES 2018
TSE vai fiscalizar uso de dinheiro vivo nas eleições

Mais Lidas

DUPLO HOMICÍDIO
Duas pessoas são assassinadas em Dourados
DOURADOS
Dupla em Corsa branco teria executado homens em Sitioca
DUPLO HOMICÍDIO
Polícia identifica uma das vítimas de assassinato em Dourados
DOURADOS
Acusado de matar mecânico confessa assassinato de homem no Flórida