Menu
Busca domingo, 18 de agosto de 2019
(67) 9860-3221

Índios passam fome e bebem água contaminada em Coronel Sapucaia

25 dezembro 2012 - 10h15

#####Por Caroline Maldonado

Mais de 130 indígenas Guarani Kaiowá, do acampamento Kurusu Amba, próximo a cidade de Coronel Sapucaia, estão há quase dois meses sem receber cestas básicas, de responsabilidade da Fundação Nacional do Índio (Funai). Segundo o líder da comunidade, Ismarth Martins, representantes do órgão informaram que o alimento só chegará no dia 27. “É sempre assim, ninguém dá atenção para a gente se alguém de nós não morrer”, disse.

A comunidade está acampada na área de reserva legal da fazenda Auxiliadora desde 2009 enquanto aguardam a demarcação das terras. Ainda assim a comunidade tem uma pequena plantação de feijão, mandioca e milho que ajuda na subsistência das 50 famílias, mas a base da alimentação são as cestas do Governo Federal, que eram distribuídas a cada 15 dias, mas estão sendo entregues em média a cada seis semanas.

Outro problema denunciado pela comunidade é que os peixes e a água do rio Jaguí, que passa pelo acampamento, estão contaminados. “Uma vez por semana os fazendeiros passam agrotóxico na plantação de soja e o avião despeja o veneno aqui em cima de nós também. Os cachorros morrem e as crianças e velhos passam mal, têm vômito, febre e dor de cabeça”, explica Inocêncio Pereira, outo líder do local. A situação piora com a falta de alimentos, que deixa as crianças desnutridas e os velhos enfraquecidos, sucetíveis à tuberculose. No acampamento, sete pessoas estão com a doença.


Da terra tradicional para os “chiqueiros”

Ao falar sobre as cestas básicas, a liderança lembra que tudo seria diferente se o governo demarcasse a terra que eles reivindicam, que abrange as fazendas Madama, Maria Auxiliadora, Mangueira Preta e Fazenda de Ouro, totalizando cerca de 18 mil hectares. Ismarth lamenta a época em que as famílias foram obrigadas a morar nas aldeias criadas pelo Serviço de Proteção ao Índio (SPI), em 1920, que os anciãos chamam de “chiqueiros”. “Meu pai, Bernabé, não foi para o ‘chiqueiro’ e ficou trabalhando na fazenda. Antes ele era o dono da terra e virou peão do fazendeiro”, lembra.

Em 2007 e 2008 a comunidade fez as primeiras tentativas frustradas de retomada da terra tradicional, cujas consequências Arturio Benites e Noé Lopes sentem na pele até hoje. Ambos têm no corpo balas de arma de fogo, que os atingiram durante o confronto. Desde então, quatro lideranças foram assassinadas. A primeira foi a rezadeira Xurete Lopez, baleada em um confronto em 2007. Em junho do mesmo ano, o líder Ortiz Lopez foi assassinado por pistoleiro em seu barraco na frente da mulher e filhas.

Para Ismarth, a demarcação das terras poderia mudar a situação de extrema miséria da comunidade. “Com a devolução da nossa terra, nós vamos ter o que precisamos para viver bem. Nós temos que ter projeto de vida para cada família, ter a lavoura, poder criar os animais, fazer as práticas culturais e dar incentivo para os jovens, porque eles precisam”.

Deixe seu Comentário

Leia Também

INTERNACIONAL
Ministro da Fazenda da Argentina deixa cargo
ESPORTES
Seleção Sub-17: convocados para amistosos na Inglaterra em setembro
MS
Veículo pega fogo e fica totalmente destruído em acidente, na MS-276
MS
Motorista embriagado abandona carro no meio da rua com celular e pistola dentro
CULTURA
III Festival da Canção da UEMS será neste domingo em Dourados
BRASIL
Maior rendimento do FGTS exige atenção na hora do saque
CAMPO GRANDE
Motociclista morre após avançar via preferencial
MS
“Operação Divisa Segura VII” prende foragido da polícia
MS
Criminoso foge e polícia apreende carro “recheado” de maconha
POLÍTICA
Morre, aos 96 anos, o ex-ministro Roberto Herbster Gusmão

Mais Lidas

DOURADOS
Acidente com morte pode ter ocorrido após motociclista ser fechado por carro
BR-163
Passageira morre após homem colidir moto contra placa de sinalização em Dourados
DOURADOS
Homem fica ferido após estouro de equipamento na Cabeceira Alegre
POLÍTICA
PSL lança nome para Prefeitura de Dourados e senadora descarta aliança com tucanos