Menu
Busca quinta, 23 de janeiro de 2020
(67) 9860-3221
MS

Governo do Estado inicia pavimentação do segundo trecho da MS-223, entre Figueirão e Costa Rica

10 agosto 2019 - 16h05Por Governo MS

Cumprindo compromissos com a região Nordeste do Estado, o governador Reinaldo Azambuja autorizou o início da obra de pavimentação do segundo trecho da rodovia MS-223, entre os municípios de Figueirão e Costa Rica. A chegada da infraestrutura rodoviária abrirá uma nova fronteira agropecuária, com a introdução de lavouras de grãos associadas à pecuária e cana-de-açúcar, hoje predominantes naquele torrão do Estado.

“No que depender da nossa gestão, se estava isolado, não estará mais”, afirmou o governador Reinaldo Azambuja, ao lançar em 2018 a obra aguardada há décadas pelo setor produtivo e moradores daquela região. Enquanto o projeto estava em processo de licitação, a rodovia, que era intransitável, recebeu revestimento de cascalho executado pela Agesul (Agência Estadual de Gestão de Empreendimentos), garantindo trafegabilidade o ano todo.

A ordem de serviço para pavimentação e drenagem de 28,5 km da rodovia foi assinada pelo governador e também pelo secretário estadual de Infraestrutura (Seinfra), Murilo Zauith, e imediatamente a construtora contratada, a Vale do Rio Novo, iniciou a sua execução. Máquinas e operários se concentram na saída de Figueirão para Costa Rica preparando o primeiro lote a ser asfaltado, com previsão de conclusão da obra em 18 meses.

Visita à obra

No primeiro trecho em execução desde abril deste ano, a partir de Costa Rica, são 32,5 km, com cerca de 15% pavimentados e 32% de serviços concluídos em terraplenagem e drenagem. Nessa frente, o trajeto original da rodovia foi alterado, cortando lavouras de cana-de-açúcar e reduzindo curvas e o trecho em 2 km. O investimento total da obra é de R$ 84 milhões, recursos do Fundersul (Fundo de Desenvolvimento do Sistema Rodoviário de MS).

A MS-223 corta os dois municípios, interligando-se à MS-306, na divisa do Estado com Goiás, e com as BR-359 e MS-217, em Coxim. Com a chegada da infraestrutura viária nos 61 km em obras, o acesso à Costa Rica, partindo de Campo Grande – ou vice-versa -, encurta o caminho em 80 km trafegando pela MS-436, passando por Camapuã, trecho de 150 quilômetros já pavimentados. Hoje, a rota usada é o contorno pelas rodovias BR-060 e MS-306.

O início da pavimentação dos últimos 28,5 km foi acompanhado pelo secretário-adjunto de Infraestrutura, Luis Roberto Martins de Araújo, diretores da Seinfra e da Agesul (Agência Estadual de Gestão de Empreendimentos) e pelos prefeitos de Figueirão, Rogério Rosalin, e de Camapuã, Delano de Oliveira Huber. Presentes também vereadores de Figueirão e engenheiros da obra, que contratou 150 trabalhadores, a maioria do município.

Divisor de águas

O investimento garantido pelo Governo do Estado amplia a malha viária estadual pavimentada e abre uma nova opção de escoamento da produção regional – boi, grãos, milho, cana-de-açúcar e algodão. Para o prefeito de Figueirão, Rogério Rosalin, a ligação por asfalto com Costa Rica será um divisor de águas para o seu município. “Vai diversificar a nossa produção, hoje baseada na pecuária, e nos deixará ao lado de São Paulo, principal mercado”, disse.

Para o secretário-adjunto Luis Roberto Martins de Araújo, é uma obra estratégica do ponto de vista da logística. “Com certeza, vai alavancar o escoamento da produção da região, gerando desenvolvimento, mais empregos”, pontuou, durante a inspeção ao trecho Costa Rica-Figueirão. “Além de fomentar a economia de vários municípios, o asfalto reduzirá distâncias e tempo, incidindo no barateamento do frete e custo de produção”, completou.

Ao destacar o empenho do governador Reinaldo Azambuja na estruturação viária do Estado, integrando regiões isoladas, o prefeito de Camapuã, Delano Huber, afirmou que o asfalto da MS-223 coloca seu município como corredor de escoamento de produção e acesso aos estados vizinhos e a Campo Grande. “Essa logística vai mudar uma economia essencialmente pecuária, trazendo desenvolvimento e riquezas para uma região que deixou de ser deserta”, frisou.

Deixe seu Comentário

Leia Também

ECONOMIA
Confiança do empresário é a maior desde junho de 2010, diz CNI
EVENTO
Turismo do MS é apresentado ao mercado norte-americano
BRASIL
STJ definirá se transportador pode perder veículo em razão do transporte, por terceiro, de mercadoria sujeita à mesma pena
BRASIL
Governo aguarda ajuste do TCU para contratar militares da reserva
MS
Viciados levam polícia até boca de fumo repleta de objetos roubados
BRASIL
Ministério da Saúde descarta caso de Coronavírus no país
DOURADOS
Clube de tiro promove show de comédia de nível nacional pelo segundo mês consecutivo
JANEIRO
Em média, uma pessoa contraiu dengue a cada dois dias em Dourados
STF
Fux extingue processo em que Suzane Richthofen buscava suspender publicação de biografia não autorizada
ESTADO
Mãe será indenizada após esperar liberação do corpo da filha por oito meses

Mais Lidas

UFGD
Aluna branca aprovada em Medicina como indígena aponta engano na inscrição
VILA ROSA
Homem morre após ser atingido por facada no pescoço em bairro de Dourados
EMPREGO
Empresa abre 136 vagas para classificadores de grãos em Dourados e região
CRIME
EXCLUSIVO: Sucessor de Minotauro é trazido para Dourados em meio a crise penitenciária na fronteira