Menu
Busca terça, 11 de dezembro de 2018
(67) 9860-3221
ECONOMIA

Exportação de industrializados de MS registra alta há 8 meses consecutivos

10 novembro 2017 - 09h42Por Da Redação

A receita com as exportações de produtos industrializados de Mato Grosso do Sul registra alta há 8 meses consecutivos e já acumula, de janeiro a outubro deste ano, o montante de US$ 2,49 bilhões, o que representa um crescimento de 13% na comparação com o mesmo período do ano passado, quando atingiu o patamar de US$ 2,19 bilhões, conforme levantamento do Radar Industrial da Fiems (Federação das Indústrias de Mato Grosso do Sul). Apenas na comparação de outubro de 2016 com outubro de 2017, a receita com a exportação de produtos industriais aumentou em 35%, saindo de US$ 215,3 milhões para US$ 290,4 milhões.
 
Já em relação à participação relativa, no mês de outubro, a indústria respondeu por 75% de toda a receita de exportação de Mato Grosso do Sul, enquanto no acumulado do ano, na mesma comparação, a participação ficou em 61%. Na avaliação do coordenador da Unidade de Economia, Estudos e Pesquisas da Fiems, Ezequiel Resende, de janeiro a outubro, os principais destaques ficaram por conta dos grupos “Celulose e Papel”, “Complexo Frigorífico”, “Açúcar e Etanol”, “Extrativo Mineral”, “Óleos Vegetais”, “Couros e Peles” e “Siderurgia e Metalurgia”, que, somados, representaram 98,1% da receita total das vendas sul-mato-grossenses de produtos industriais ao exterior.
 
O grupo “Celulose e Papel” somou US$ 829,9 milhões de receita de janeiro a outubro, apresentando uma pequena variação positiva de 0,28% em relação ao mesmo período de 2016, quando as vendas atingiram US$ 827,6 milhões. O resultado alcançado é resultado, principalmente, pelo aumento das compras realizadas pela Holanda, França e Alemanha, sendo que esse último surge como novo mercado para a celulose de Mato Grosso do Sul.
 
No “Complexo Frigorífico”, a receita de exportação de janeiro a outubro de 2017 alcançou o equivalente a US$ 779,3 milhões, aumento de 19% sobre igual período de 2016, quando o total ficou em US$ 653,1 milhões. O crescimento observado se deu pelo aumento de 9% no preço médio da tonelada, que passou de US$ 2.530 em 2016 para US$ 2.758 em 2017, e pelo aumento de 10% no volume de carnes comercializadas. “Outro fator importante se deve ao aumento das importações realizadas pelos Estados Unidos após a abertura de seu mercado para a carne brasileira in natura”, acrescentou Ezequiel Resende.
 
Outros grupos
 
O grupo “Açúcar e Etanol” apresentou como receita de exportação de janeiro a outubro de 2017 o montante de US$ 443,5 milhões, indicando aumento de 43% sobre igual período do ano passado, quando a receita foi de US$ 310,2 milhões. Resultado influenciado principalmente pelo aumento das compras realizadas por Malásia, Estônia, Egito, Argélia, Bangladesh, Geórgia e Iraque, que somados apresentaram incremento de US$ 186,3 milhões, e pela elevação do preço médio da tonelada do açúcar de cana, único produto do grupo com registro de vendas ao exterior no acumulado deste ano.
 
No grupo “Extrativo Mineral”, a receita de exportação acumulada de janeiro a outubro de 2017 alcançou o US$ 176,6 milhões, demonstrando aumento de 49% sobre o mesmo período de 2016, quando as vendas foram de US$ 118,6 milhões. O resultado é reflexo da alta de 85% no preço médio da tonelada do minério de manganês, que em 2017 está em US$ 139,57 contra US$ 75,28 em 2016 e pela alta de 24% no preço médio da tonelada do minério de ferro que em 2017 está em US$ 31,75 contra US$ 25,69 em 2016.
 
Em relação ao grupo “Óleos Vegetais”, o período de janeiro a outubro de 2017 fechou com receita equivalente a US$ 99,7 milhões, indicando queda de 17% sobre o mesmo intervalo de 2016, quando as vendas foram de US$ 120,5 milhões, tendo a Tailândia e Indonésia como principais responsáveis pela redução observada, com uma retração nas compras equivalente US$ 30,7 milhões. Quanto aos compradores, os principais até o momento são Tailândia, com US$ 41,9 milhões ou 42,1%, Indonésia, com US$ 22,6 milhões ou 22,7%, Holanda, com US$ 11,8 milhões ou 11,9%, Coréia do Sul, com US$ 8,1 milhões ou 8,2%, e França com 6,3 milhões ou 6,3%.
 
Já no grupo “Couros e Peles” a receita de exportação de janeiro a outubro de 2017 totalizou o equivalente a US$ 85,3 milhões, resultando em redução de 7% sobre igual período de 2016, quando as vendas foram de US$ 91,2 milhões. Esse resultado foi influenciado principalmente pela diminuição das compras efetuadas pela China, Holanda, Hong Kong e Vietnã, que somados apresentaram redução de US$ 19,7 milhões.
 
Encerrando, o grupo “Siderurgia e Metalurgia” fechou o período de janeiro a outubro de 2017 com receita equivalente a US$ 26,5 milhões, aumento de 86% na comparação com o mesmo período de 2016, quando as vendas foram de US$ 14,2 milhões. O crescimento foi influenciado, principalmente, pela elevação das compras feitas pela Argentina, que proporcionou receita adicional de US$ 16,4 milhões.

Deixe seu Comentário

Leia Também

COOPERATIVISMO
Sicredi encerra campanha institucional de 2018 com filmes sobre Natal e Ano Novo
MANDATO TAMPÃO
Prefeito e vice de Caarapó serão diplomados e empossados nesta terça
PROVAS
Enem será reaplicado hoje e amanhã para 2,7 mil estudantes
FRONTEIRA
Polícia paraguaia prende mulher brasileira que abandonou recém-nascido
DOURADOS
Formandos de Gastronomia da Unigran inovam e criam gastrobar para o TCC
DOURADOS
Mais de 23 mil famílias já retiraram o kit distribuído pela Seja Digital
DOURADOS
Menor é apreendida na rodoviária com 16kg de maconha
ESTADO
Governador faz entregas de R$ 36 milhões em obras da MS-178 e habitação em Bonito
RURAL
IBGE estima queda de 5,5% na safra de grãos deste ano
DOURADOS
Votação da Lei Orçamentária Anual é adiada, mas deve ocorrer ainda esta semana

Mais Lidas

DOURADOS
Criança morre no HV três dias após ser atropelada na Cachoeirinha
PREGÃO
Vereadora presa desde outubro tenta retomar cargo na Câmara de Dourados
CHAPADÃO DO SUL
Avião agrícola cai e mata piloto em cidade de MS
DOURADOS
Criança morta após acidente de trânsito teve órgãos levados para SP e Campo Grande