Menu
Busca quarta, 20 de junho de 2018
(67) 9860-3221

Campo Grande é a 1ª cidade do País a ter uma Lei que exige profissionais da odontologia nas UTIs

03 janeiro 2013 - 16h40






Agora é Lei e a população ficará mais segura! Foi promulgada a Lei Complementar nº 5.184/12, de autoria dos vereadores Mario César e Paulo Siufi, que dispõe sobre a obrigatoriedade da presença de profissionais de odontologia nas Unidades de Terapia Intensiva, no município de Campo Grande.



Com a medida, os profissionais da odontologia vão integrar as equipes multidisciplinares que atuam nas UTIs. “Esse á uma conquista da odontologia. Campo Grande é a primeira cidade do Brasil a ter uma Lei que garante a presença desses profissionais nas unidades de terapia intensiva”, afirma o presidente do CRO-MS (Conselho Regional de Odontologia de MS), Francisco Grilo.



A presença de profissionais da odontologia nas UTIs ainda vai ajudar na redução de casos de infecção hospitalar. Um dos principais cuidados para se evitar a transmissão de microorganismos nesses ambientes e que ainda não são adotados é a higienização da boca. "A iniciativa vem para deixar ainda mais completa as equipes dos hospitais. Os cuidados com a saúde bucal dos pacientes ajudam a evitar a proliferação de bactérias e consequentemente contribui no tratamento dos pacientes", destaca o vereador Mário César.



Estudos realizados no Brasil pela Associação Nacional de Biossegurança (Anbio) trazem números alarmantes: em média, 80% dos hospitais não fazem o controle adequado. O índice de infecção hospitalar varia entre 14% e 19%, podendo chegar, dependendo da unidade, a 88,3%. Ainda conforme o estudo, cerca de cem mil pessoas morrem por ano em decorrência das infecções. A Organização Mundial da Saúde (OMS), por sua vez, estima que as infecções hospitalares atinjam 14% dos pacientes internados no país.



Uma das infecções mais comuns é a pneumonia, que pode ser facilmente prevenida por meio do acompanhamento do Cirurgião-Dentista. “Essa infecção acontece por meio da aspiração da saliva. Sem a higienização da boca, em 48 horas já acumulam placas bacterianas que vão ocasionar a pneumonia”, explica a Cirurgiã-Dentista, presidente da Comissão da Odontologia Hospitalar do CRO-MS, Juliana Santiago Setti.



A especialista afirma que uma infecção bucal pode além de alterar resultados dos exames, agravar o quadro clínico do paciente. “A boca é algo muito delicado e que deve receber atenção. Um problema com infecção pode até desencadear algumas patologias como a diabetes e insuficiência cardíaca”, explica.



A Lei Complementar nº 5.184/12 foi promulgada nessa segunda-feira (31).

Deixe seu Comentário

Leia Também

OPORTUNIDADES
Quer trabalhar? Confira as vagas disponíveis em Dourados
DOURADOS
Estagiária tem carteira levada por bandidos ao sair do Hospital da Vida
GERAL
IEL promove aula inaugural do PQF 2018 na Capital e outros dois municípios
OLIMPÍADA DO CONHECIMENTO
Senai do Estado prepara equipes para seletivas Mundial das Profissões na Rússia
COMPLICAÇÃO APÓS CIRURGIA
Juiz aposentado e ex-diretor da Agepen, Ailton Stropa, morre em São Paulo
CAMPEONATO
Dois jogos fecham 3ª rodada do Sub-17 nesta quarta-feira
Em Dourados no estádio da Leda, o Operário AC recebe o Ivinhema
DOURADOS
Adolescente apresenta RG falso, mas acaba preso com maconha em mala
ORDEM DO DIA
Deputados devem analisar dois Projetos de Lei nesta quarta-feira
DOURADOS
Homem é flagrado nu sobre menina de 7 anos
TELEVISÃO
Vinícius não consegue reproduzir prato de Paola e é eliminado do Masterchef

Mais Lidas

DOURADOS
Dupla é presa por tentativa de homicídio contra vendedor de espetinhos
TRAGÉDIA
Vítimas fatais de acidente na BR-262 são identificadas
FRONTEIRA
Pecuarista é executado a tiros durante emboscada
DEFRON
Traficante condenado a mais de 12 anos é preso em Dourados