Menu
Busca sexta, 19 de outubro de 2018
(67) 9860-3221

Barulho excessivo nas festas de final de ano pode afetar audição

05 dezembro 2012 - 18h30

As festas de final de ano já estão chegando e, nesta época, são comuns os fogos de artifício, buzinas e carros de som com altos volumes - além do som alto dentro das casas, apartamentos, restaurantes - tudo para celebrar a entrada do novo ano com muita alegria. Mas todo esse barulho pode prejudicar a audição, se as pessoas estiverem próximas à fonte do ruído.

“Ficar longe dos fogos de artifício, carros de som e caixas de som nas festas pode evitar que a audição sofra algum dano. Esses equipamentos têm uma potência alta, que permite ouvi-los a uma grande distância. Então, o melhor é manter-se um pouco mais afastado”, aconselha a fonoaudióloga Isabela Gomes, da Telex Soluções Auditivas.


De acordo com a Sociedade Brasileira de Otorrinolaringologia (SBORL), a exposição a sons intensos é a segunda causa mais comum de deficiência auditiva. O excesso de barulho, ao longo do tempo, pode levar à surdez. “A exposição de pelo menos meia hora por dia em lugares muito barulhentos – não significando somente lugares fechados, mas também nas ruas, em trios elétricos, festas e micaretas – pode contribuir para a perda auditiva gradual, pois os ruídos elevados são capazes de afetar diretamente a audição", lembra a fonoaudióloga da Telex.


Além de danos à audição, ansiedade, alterações de humor, irritabilidade e hipertensão arterial também são consequências de um longo tempo de exposição ao som alto. De acordo com a especialista, ruídos acima de 85 decibéis já são prejudiciais. Quanto mais repetitivo ou mais alto for o barulho, maior será o dano às células ciliadas da cóclea (órgão responsável pela audição sensorial).

“Um ruído próximo a 85 decibéis equivale a um grito”, compara Isabela Gomes. Ao longo do tempo, o indivíduo percebe que está perdendo a audição - e esse tempo pode ser aos 35, 40, 50 ou 60 anos, de acordo com a predisposição do indivíduo e a exposição a esses ruídos.


Em shows, boates e baladas, a música alta atinge normalmente mais de 100 decibéis, o que é muito prejudicial aos ouvidos. Segundo o England’s Royal National Institute of Deaf, três em cada quatro frequentadores assíduos de boates e danceterias estão sujeitos e desenvolver surdez precoce.


Muitas pessoas já podem ter alguma alteração na audição e não perceber de imediato o problema. Por isso, Isabela Gomes aconselha a consulta a um médico otorrinolaringologista uma vez ao ano; e nos casos de surdez genética, é essencial fazer logo o diagnóstico. “O mais importante é procurar um otorrinolaringologista para avaliar se há alguma perda ou complicação e se existe a necessidade de solicitar exames complementares, mais específicos”, conclui a especialista.

Deixe seu Comentário

Leia Também

UAU
Mariana Goldfarb relembra foto em que aparece nua na praia
ELEIÇÕES 2018
Jair Bolsonaro afirma que não vai a debates no segundo turno
FRONTEIRA
Homem de 43 anos e o filho de 11 são assassinados a facadas
DISPUTAS
Jogos Escolares e da Juventude iniciam confronto no fim de semana
LICITAÇÕES
Decretada emergência em três cidades por estragos de chuva
HOMICÍDIO
Juiz decide levar a júri popular réu que provocou acidente com morte
ECONOMIA
Riqueza das famílias brasileiras encolheu US$ 380 bilhões em 1 ano
ACADÊMICOS
UFGD é campeã estadual dos Jogos Universitários Brasileiros
JUSTIÇA
Concessionária e montadora são condenadas por problemas em moto
PARANAÍBA
Mulher descobre gravidez um dia antes do parto e perde bebê

Mais Lidas

MARACAJU
Empresário douradense e filho morrem em acidente na BR-267
DOURADOS
Afogamento de africano ocorreu após apostar garrafa de cachaça com colega
DOURADOS
Mulher é condenada a 12 anos de prisão pela morte do ex-marido
DOURADOS
Corpo de homem que morreu afogado em lago é encontrado