Menu
Busca sábado, 19 de janeiro de 2019
(67) 9860-3221

Após 25 anos como arcebispo, Dom Vitório quer dedicar-se ao trabalho pastoral

04 maio 2011 - 15h12

Durante coletiva de imprensa nesta manhã (4), o arcebispo de Campo Grande, Dom Vitório Pavanello, comunicou oficialmente o nome de seu sucessor, Dom Dimas Lara Barbosa, nomeado pelo Santo Padre o Papa Bento XVI e divulgado às 6h de hoje. Dom Dimas tem o prazo de dois meses para assumir o título, a partir desta quarta-feira.

Já em tom de despedida, Dom Vitório agradeceu a todos que trabalharam pela Igreja Católica nos últimos anos, pediu orações para o novo arcebispo da Capital e lembrou de momentos marcantes ao longo de sua trajetória à frente da diocese.

Dom Vitório deixa a diocese após mais de 25 anos como o representante oficial da Igreja Católica na Capital, tendo sido nomeado em dezembro de 1986. Ele foi o segundo arcebispo de Campo Grande.

Agora, Pavanello assume a posição de bispo emérito na Igreja, o que corresponde a uma aposentadoria de suas atribuições oficiais como chefe.

“Não serei mais governo. Agora serei silêncio. Só irei me pronunciar sobre alguma questão se houver pedido do novo bispo, do contrário não quero me pronunciar”, afirmou.

Após tantos anos dedicados a administração da diocese da Capital, estando a frente de 41 Paróquias e cerca de 300 comunidades, Dom Vitório disse ter deixado muitas vezes o trabalho pastoral de lado, e agora, quer dedicar-se a oração e ao trabalho de evangelização.

“Quero rezar, pedir perdão das minhas falhas e ajudar nos trabalhos de pastorais, de evangelização. Principalmente, quero ajudar nas confissões, ser um orientador espiritual para que quiser ir até mim para conversar, ler a bíblia, rezar. Mas estarei sempre disposto para demais atribuições que o bispo me delegar”, afirmou.

Pavanello ainda declarou que após deixar a arquidiocese pretende dedicar um tempo para a reflexão, além da oração, sobre os anos de trabalho. “É sempre bom fazer um exame dos acertos e erros. Aquilo que foi bom, louvado seja Deus, agora o que não foi é pedir perdão e trabalhar no que for possível”, conclui.

Antes de assumir a diocese da Capital, Dom Vitório foi bispo de Corumbá por quatro anos. Ele ressalta que o “poder nunca me subiu a cabeça, pra mim sempre foi um serviço” e ainda revela que há mais de 20 anos não tira férias.

“Nunca usufruí do direito de férias, que os bispos tem de um mês. Sempre que viajei também estava em missão”, conta. O projeto para os próximos meses inclui visitas aos seus familiares, no estado de Santa Catarina, e uma viagem de peregrinação a Terra Santa.

Mesmo aposentado, Dom Vitório garantiu que pretende continuar morando em Campo Grande, onde uma casa está sendo construída para ele. “Os padres muito caridosos estão fazendo a casa, mas creio que acharam que eu não ia sair também rápido e a casa ainda não ficou pronta”, brinca.

O bispo ficará morando provisoriamente em um seminário, construído recente no bairro Jardim Seminário.

Deixe seu Comentário

Leia Também

SHOWBIZZ
Cleo Pires arrasa de topless na praia e comenta o bronze: "torrada na foto"
SATURAÇÃO
Operação reforça abordagens a suspeitos e veículos na fronteira
JORNAL NACIONAL
Coaf aponta que Flávio Bolsonaro recebeu 48 depósitos suspeitos em 1 mês
IVINHEMA
Colisão envolvendo carreta e caminhão deixa motorista ferido
BALANÇA COMERCIAL
Com US$ 102 bi, agronegócio bate recorde de exportação em 2018
NOVA ANDRADINA
Polícia encontra 70 litros de cachaça artesanal com detentos em presídio
DE OLHO NO CÉU
Madrugada da próxima segunda-feira terá eclipse lunar total
CAMPO GRANDE
Ladrões são flagrados roubando telhado de empresa industrial
JUSTIÇA
Dois são condenados por falsificar documento para obter CNH
DE GRAÇA
Estão abertas as inscrições para aula de zumba na UFGD

Mais Lidas

POLÍCIA
Rapaz é preso acusado de realizar ‘disk-droga’ em Dourados
FAKE NEWS
Eleandro Passaia é chamado para depor em caso de morte de jogador Daniel
DOURADOS
Investigado por corrupção, Idenor Machado volta a ser preso
DOURADOS
Polícia não encontra e João Fava Neto é considerado foragido da Justiça