Menu
Busca sábado, 23 de março de 2019
(67) 9860-3221

Quatro índios queimados em ataque a bomba estão em estado grave

06 junho 2011 - 14h26

Na madrugada de sábado (04), um ônibus que transportava 30 alunos indígenas da etnia terena foi atacado com pedras e uma bomba caseira - um coquetel molotov. Seis pessoas, incluindo o motorista, sofreram queimaduras. Cinco delas estão internadas na Santa Casa de Campo Grande (MS) e, destas, quatro estão em estado grave. O caso aconteceu no município de Miranda, a 200 quilômetros de Campo Grande.

Os passageiros vivem em várias aldeias espalhadas pela região. O ônibus fazia o trajeto todos os dias e, no momento em que foi atacado, voltava da aula, em direção às aldeias. A bomba atingiu a frente do ônibus. O que está em pior estado é o motorista, Laércio Corrêa, de 27 anos, que sofreu queimaduras na maior parte do corpo, incluindo a cabeça.

A motivação do ataque ainda é desconhecida. Inicialmente, a suspeita era de que a violência tivesse sido praticada por um grupo de índios, em razão de desavenças entre aldeias situadas no município.

O delegado Tiago Macedo, que investiga o caso, adiantou ainda que não existem elementos suficientes para comprovar essa possibilidade, mas que ela não está descartada. Segundo o delegado, há um histórico de conflitos entre aldeias rivais na região. Ele começou a ouvir testemunhas na manhã desta segunda-feira (06).

O cacique Adilson Terena afirmou que não acredita que o ataque tenha sido praticado por índios, pelo fato de o ônibus transportar estudantes das duas aldeias supostamente rivais – Babaçu e Argola. Adilson disse que foi encontrado um chapéu na mata próxima de onde o ônibus foi atacado, e que ele não pertence a nenhum índio.

O dono do chapéu teria sido visto correndo para o matagal logo depois do ataque ao ônibus. De acordo com o cacique, a possibilidade mais plausível é de que o ataque tenha sido feito por pessoas a mando de fazendeiros - que disputam terras com os índios.

Em março deste ano, os Terena ocuparam duas fazendas em Miranda, uma delas a fazenda Petrópolis, do ex-governador de Mato Grosso do Sul, Pedro Pedrossian. A Justiça mandou a polícia tirar os índios de lá. Estima-se que seis mil índios Terena vivam em Miranda.

Deixe seu Comentário

Leia Também

SHOWBIZZ
Após cirurgia, Cleo Pires exibe corpão, faz dancinha e rebate seguidor
TRÊS LAGOAS
Mulher que entrou em briga de casal e matou homem diz que foi acidente
FUTEBOL
Aquidauanense vence o Operário na abertura das quartas do Estadual
DOURADOS
Agehab vai aos bairros para regularização de loteamentos sociais
PONTA PORÃ
Adolescente é apreendida com maconha que levaria para São Paulo
LUTO
Ator e diretor Domingos Oliveira morre aos 83 ans no Rio de Janeiro
FUTEBOL
Paquetá marca, mas Brasil só empata com Panamá em amistoso
BRASIL
Caminhoneiros se mobilizam para nova paralisação, mostra monitoramento
IVINHEMA
Médico veterinário morre em acidente de moto na MS-276
CICLISMO
Desafio das Araras de Mountain Bike abre inscrições para 2ª etapa

Mais Lidas

HU
Dengue hemorrágica causa morte de menino de 11 anos em Dourados
LUTO
Fundadora da ADL, Ruth Hellman morre em Dourados
DOURADOS
Protesto contra a Reforma da Previdência leva centenas ao Centro
DOURADOS
Trio que matou e roubou cabeleireiro é condenado a 62 anos de cadeia