Menu
Busca quinta, 23 de janeiro de 2020
(67) 9860-3221

Polícia Federal investiga Fifasul por lavagem de dinheiro

02 agosto 2006 - 11h58

 A Polícia Federal de Dourados fez uma grandeoperação ontem pela manhã na sede das Faculdades Integradas de Fátima do Sul (Fifasul). A informação é de que os policiais estariam colhendo provas para uma investigação de lavagem de dinheiro, cujo inquérito está em andamento. A Fifasul está respondendo a processo na Justiça Federal por comercialização de diplomas falsos e ainda tem em andamento na Polícia Federal mais dois inquéritos. Um deles é com referência a lavagem de dinheiro e o outro investiga funcionários e diretores da Agência Penitenciária do Mato Grosso do Sul e alguns delegados, que teriam adquirido diplomas na citada faculdade para participar de concursos dentro do Governo do Estado. Essa denúncia surgiu depois que o primeiro inquérito foi concluído e, embora se tratando do mesmo esquema, a Polícia Federal abriu um novo procedimento para investigar exclusivamente esse grupo de servidores estaduais.Com relação à investigação de lavagem de dinheiro, o delegado da PF Bráulio César Galonni não forneceu mais detalhes, mas confirmou que a equipe esteve ontem pela manhã na Faculdade, vistoriando documentos, principalmente ligados ao setor financeiro da empresa. O delegado disse que o inquérito da Agepen já está bastante adiantado, mas o de lavagem de dinheiro ainda está na fase de reunir provas e deve demorar mais algum tempo para ser concluído. Galonni não confirmou se apreendeu documentos ou equipamentos de informática na Fifasul.No primeiro processo de venda de diplomas, a polícia apurou que foram identificados e devidamente apurados pelo menos 75 alunos que possuem títulos de graduação ou pós-graduação por meio da falsificação de históricos escolares e diplomas, realizada pela Fifasul. Alguns dos alunos sabiam da falsidade dos documentos; outros acreditavam em "curso vago" e outros ainda afirmaram ter frequentado aulas, apesar de residirem em locais distantes 800 quilômetros de Fátima do Sul. As investigações concluíram que o período de atuação da quadrilha nesse esquema de falsificação foi entre os anos de 1998 e 2003 e que o valor de um diploma chegava a R$ 5,1 mil, com pagamento facilitado em até 15 vezes. Foram ouvidas no processo 81 pessoas, incluindo os que conseguiram diplomas e aqueles que serviram de testemunhas para a configuração dos crimes citados.Esse processo já está na Justiça Federal e foram denunciados na época (final de 2005), pelo Ministério Público Federal, Sebastião Ribeiro Neto e seu irmão Vilson Sotolani Ribeiro, Maria Conceição da Silva, Maria Aparecida do Amaral, Cícero Rosa dos Santos, Valdenir Saraiva, Nildo Roberto de Andrade e a diretora da Fifasul, Iveli Monteiro, nos artigos 299, por 75 vezes; no artigo 304, por 75 vezes; e ainda no artigo 288, combinados com o artigo 29, todos do Código Penal. Esses artigos estão relacionados aos crimes de falsidade ideológica, uso de documento falso e formação de quadrilha.

Deixe seu Comentário

Leia Também

ECONOMIA
Nelsinho Trad consegue liberação de R$ 26,9 milhões para a área da saúde
COTAÇÃO
Dólar comercial fecha em queda, com expectativa de fim dos cortes de juros
5º RECUO
Brasil repete nota e piora em ranking de corrupção em 2019
CIÚMES
Dona de casa e adolescente mataram e enterraram menina de 13 anos
LOTERIA
Confira as dezenas sorteadas na Mega; prêmio é de R$ 35 milhões
FUGA
Familiares denunciam tortura contra presos recapturados na Fronteira
CORUMBÁ
Bebê de 9 meses é primeiro caso confirmado de chikungunya em 2020
ECONOMIA
Petrobras reduz preço da gasolina e do diesel para as distribuidoras
REGIÃO NORTE
Em 24h, PRF apreende maconha, skunk, munições e produtos contrabandeados
EMPREGO
Marinha abre concurso com 960 vagas para formação de fuzileiros navais

Mais Lidas

UFGD
Aluna branca aprovada em Medicina como indígena aponta engano na inscrição
VILA ROSA
Homem morre após ser atingido por facada no pescoço em bairro de Dourados
EMPREGO
Empresa abre 136 vagas para classificadores de grãos em Dourados e região
CRIME
EXCLUSIVO: Sucessor de Minotauro é trazido para Dourados em meio a crise penitenciária na fronteira