Menu
Busca quinta, 13 de dezembro de 2018
(67) 9860-3221
MEIO AMBIENTE

PMA deflagra a Operação Pacificador, priorizando combate a pesca predatória

10 outubro 2017 - 08h58

A Polícia Militar Ambiental (PMA) deflagrou, a partir das 7h30 desta terça-feira, dia 10 de outubro, com encerramento na próxima segunda-feira (16.10), às 7h30, a Operação Pacificador 67, realizada de forma unificada por todas as Unidades da Polícia Militar do Estado, contando com efetivo de 362 homens.
 
No dia 1º de outubro, a Polícia Militar Ambiental iniciou a operação pré-piracema de reforço à fiscalização nos rios do Estado, com o intuito de prevenir e reprimir a pesca predatória, tendo em vista a proximidade do período de piracema e, portanto, quando vários cardumes já se encontram formados. Por esta razão, a quantidade de turistas e pescadores aumenta, exatamente em razão das facilidades de captura do pescado neste período. A Operação Pré-piracema se estenderá até o dia 6 de novembro.
 
Com o feriado prolongado nesta semana, a fiscalização, que já está sendo efetuada com bastante intensidade, inclusive com vários pescadores presos nos últimos dias, será reforçada nos rios, com uso de todo efetivo administrativo durante a Operação Pacificador 67.
 
FECHAMENTO DA PESCA EM MT (1º DE OUTUBRO)

Devido ao fechamento da pesca nos rios de Mato Grosso, no dia 1º de outubro, o Comando da PMA priorizará a fiscalização na divisa com esse Estado, no rio Correntes, bem como nas áreas mais longínquas do Pantanal, como Foz do rio Piquiri, rio São Lourenço, Cuiabá e Paraguai. Esses locais já são pontos extremamente preocupantes em que a PMA tem mantido fiscalização preventiva constante. Agora, com o fechamento da pesca no Estado vizinho, com certeza haverá um aumento no número de pescadores na região, no lado de Mato Grosso do Sul, o que faz com que haja a necessidade de mais policiais.
 
Os comandantes das 25 subunidades empregarão todo o efetivo no trabalho de fiscalização em suas respectivas áreas de atuação. Todo efetivo administrativo, que já foi reduzido para a operação pré-piracema, será utilizado na operação. Quatro equipes da sede (Campo Grande) estarão itinerantes, fiscalizando todos os tipos de crimes e infrações ambientais, em contato com as equipes de rios, para a movimentação de presos e materiais para as delegacias, caso aconteçam prisões em flagrante.
 
PREVENÇÃO E REPRESSÃO AO TRÁFICO DE PAPAGAIOS

Durante esta operação, continua a atenção especial também ao crime de tráfico de animais silvestres, em virtude deste período crítico relativo ao tráfico de papagaios. Este é um período preocupante para a PMA com relação ao tráfico de animais silvestres, pois de agosto a dezembro é o período de reprodução do papagaio, que é a espécie mais traficada no Estado.

Outros crimes ambientais serão combatidos e prevenidos, tais como: desmatamento e carvoarias irregulares, com visitas às propriedades rurais, transporte ilegal de produtos perigosos, além de combate a todos os crimes contra a fauna e flora.
 
OPERAÇÃO PACIFICADOR/67

Em todas as operações, a PMA tem prevenido e reprimido crimes de outra natureza adversa à ambiental, dentro de sua função constitucional de Polícia Militar. Nesta operação não será diferente. Crimes como o tráfico de drogas, de armas, contrabando, descaminho, furto e roubo de veículos, porte e posse ilegal de arma, entre outros serão combatidos.

Na última operação, no ano passado com nome de Padroeira do Brasil, a PMA autuou 18 por pesca ilegal e mais 10 por outras infrações ambientais e aplicou R$ 246,7 mil em multas

ALERTA AOS PESCADORES

A PMA alerta para que as pessoas que praticarão a pesca, que cumpram as leis, pois mesmo com a pesca aberta, várias atitudes são crimes, inclusive com as mesmas penalidades de pescar em período de piracema. Exemplo: Pescar com petrechos, ou com método de pesca proibidos, em quantidade superior à permitida, ou em local proibido e capturar pescado com tamanho inferior ao permitido. Na parte criminal, conforme a Lei Federal 9.605/1998, a pessoa pode ser presa, algemada, encaminhada à Delegacia de Polícia, onde é autuada em flagrante delito, podendo sair sob fiança caso não seja reincidente, e ainda ter todo o produto da pesca, barcos, motores e veículos apreendidos. Na reincidência não há fiança. Na parte administrativa, o Decreto Federal 6514/2008, que regulamenta a parte administrativa da Lei 9605/98, prevê multas de R$ 700 a R$ 100 mil reais e mais R$ 20 reais por quilo do pescado irregular.
 
Sabe-se que a cada ano há um aumento da sensibilização ecológica da população, que além de conservar melhor os recursos naturais, tem denunciado as pessoas que insistem em infringir a legislação ambiental. A confiança que a população tem na PMA tem feito com que as denúncias aumentem vertiginosamente a cada ano.
 
 

Deixe seu Comentário

Leia Também

DOURADOS
Hemocentro atenderá no feriado de aniversário da cidade
EMPREGO
UEMS abre concurso para professores em quatro cidades de MS
MODA
Blazer colorido: formalidade em qualquer ocasião
CAMPO GRANDE
Cocaína é apreendida em fundo falso de carro de passeio
QUINTA DO CHOCOLATE
Bolo de chocolate molhadinho com calda de manga
MEIO AMBIENTE
Medidas de contenção de erosão são tomadas para preservar rios de Bonito
UEMS
Auditório do campus de Dourados terá capacidade para mais de 800 lugares
SUSTENTABILIDADE
Centro cultural é construído com restos de andaime e pedras
DOURADOS
Ventania derruba fios de energia e morador reclama da demora em solucionar o problema
DOURADOS
Mesa Diretora da Câmara será votada hoje

Mais Lidas

DOURADOS
Idoso é preso por abusar de criança durante três anos: “ela fazia porque gostava”
REGIÃO
Rapaz é encontrado enforcado às margens da MS-156
DOURADOS
Jovem que matou namorada e filha é indiciado por duplo feminicídio
PANTANAL
Homem rodeado por jacarés é resgatado de riacho em MS