Menu
Busca Quinta, 14 de Dezembro de 2017
(67) 9860-3221
Sertão Campanha - Dezembro2017
OPERAÇÃO MARCAPASSO

PF faz operação contra fraude na compra de próteses em MS e 9 estados

07 Novembro 2017 - 08h25Por G 1

Polícia Federal realiza a operação Marcapasso na manhã desta terça-feira, dia 07 de novembro para investigar um esquema de corrupção que fraudava licitações no Tocantins. Segundo a polícia, o objetivo era a aquisição de medicamentos como órtese, prótese e materiais especiais de alto custo para o sistema de saúde.

Cerca de 330 policiais federais cumprem mandados judiciais, sendo 12 mandados de prisão temporária, 41 de condução coercitiva contra empresários e 84 mandados de busca e apreensão nos estados do Tocantins, Distrito Federal, São Paulo, Goiás, Paraná, Bahia, Ceará, Pará, Mato Grosso e Mato Grosso do Sul. Todos os mandados foram expedidos pela 4ª Vara Criminal Federal de Palmas.

Ainda não há informação das cidades e de quantos mandados são cumpridos em MS.

Ainda conforme a PF, depois das prisões foi descoberto um esquema de corrupção destinado a fraudar licitações do Estado do Tocantins, por meio do direcionamento de licitações.

As investigações apontam que o esquema beneficiava empresas, médicos e empresários do ramo, e ainda funcionários públicos da área de saúde.

As pessoas investigadas poderão responder pelos crimes de corrupção passiva e ativa, fraude à licitação, associação criminosa, dentre outros.

O nome da operação faz alusão a um dos itens mais simbólicos e conhecidos da área de cardiologia, o marca-passo. A polícia disse que esse era um dos equipamentos que integravam editais “fraudados” nas licitações.

Prisões

As prisões dos dois sócios da Cardiomed aconteceram em maio do ano passado. Na época, a empresa estava sendo investigada por fraudar etiquetas de validade de materiais cirúrgicos. Por causa da suposta adulteração nos produtos, as cirurgias no Hospital Geral de Palmas ficaram suspensas.

A empresa foi denunciada pela Secretaria de Saúde depois que funcionários do Hospital Geral de Palmas (HGP) perceberam que os lacres de validade dos produtos estavam adulterados. Segundo a secretaria, a empresa fornecia produtos vencidos, mas falsificada a etiqueta colocando outra data de vencimento.

Os materiais eram usados em pacientes que faziam procedimentos no coração, como angioplastias, cateterismos e implantes de marca-passos, no maior hospital público do Tocantins, o HGP.

Deixe seu Comentário

Leia Também

MARACAJU
Showtec abre em 2018 o circuito dos grandes eventos rurais do País
SAÚDE
Doenças ligadas à gripe matam até 650 mil por ano no mundo, diz OMS
CAMPO GRANDE
Motociclista fica ferido após atropelar e matar duas capivaras em avenida
MUDANÇA
Confraternização de Fim de Ano da UEMS de Dourados tem novo local definido
BRASIL
Laboratórios provocam desabastecimento de remédios para vender mais caro, aponta ministro
NOVA DATA
Temer não terá alta nesta quinta-feira, e posse de Marun é adiada
AQUIDAUANA
Corpo de ex-presidente da OAB é encontrado carbonizado na BR-419
É LEI
Exame de trombofilia para mulheres deve ser oferecido pelo SUS em MS
TRÁFICO
Motorista foge deixando mais de 1,2t de maconha em veículo
BENEFÍCIO
Pagamento do abono Pis/Pasep para nascidos em dezembro começa hoje

Mais Lidas

BARBÁRIE
Acusado de esquartejar mãe é levado para audiência
DOURADOS
Homem encontrado morto estava acorrentado e jogado no rio Dourados
DOURADOS
Juiz manda acusado de esquartejar a mãe para hospital da Capital
DOURADOS
Após denúncia, polícia encontra revólver e pistola com homem