Menu
Busca segunda, 18 de fevereiro de 2019
(67) 9860-3221
OPERAÇÃO MARCAPASSO

PF faz operação contra fraude na compra de próteses em MS e 9 estados

07 novembro 2017 - 08h25Por G 1

Polícia Federal realiza a operação Marcapasso na manhã desta terça-feira, dia 07 de novembro para investigar um esquema de corrupção que fraudava licitações no Tocantins. Segundo a polícia, o objetivo era a aquisição de medicamentos como órtese, prótese e materiais especiais de alto custo para o sistema de saúde.

Cerca de 330 policiais federais cumprem mandados judiciais, sendo 12 mandados de prisão temporária, 41 de condução coercitiva contra empresários e 84 mandados de busca e apreensão nos estados do Tocantins, Distrito Federal, São Paulo, Goiás, Paraná, Bahia, Ceará, Pará, Mato Grosso e Mato Grosso do Sul. Todos os mandados foram expedidos pela 4ª Vara Criminal Federal de Palmas.

Ainda não há informação das cidades e de quantos mandados são cumpridos em MS.

Ainda conforme a PF, depois das prisões foi descoberto um esquema de corrupção destinado a fraudar licitações do Estado do Tocantins, por meio do direcionamento de licitações.

As investigações apontam que o esquema beneficiava empresas, médicos e empresários do ramo, e ainda funcionários públicos da área de saúde.

As pessoas investigadas poderão responder pelos crimes de corrupção passiva e ativa, fraude à licitação, associação criminosa, dentre outros.

O nome da operação faz alusão a um dos itens mais simbólicos e conhecidos da área de cardiologia, o marca-passo. A polícia disse que esse era um dos equipamentos que integravam editais “fraudados” nas licitações.

Prisões

As prisões dos dois sócios da Cardiomed aconteceram em maio do ano passado. Na época, a empresa estava sendo investigada por fraudar etiquetas de validade de materiais cirúrgicos. Por causa da suposta adulteração nos produtos, as cirurgias no Hospital Geral de Palmas ficaram suspensas.

A empresa foi denunciada pela Secretaria de Saúde depois que funcionários do Hospital Geral de Palmas (HGP) perceberam que os lacres de validade dos produtos estavam adulterados. Segundo a secretaria, a empresa fornecia produtos vencidos, mas falsificada a etiqueta colocando outra data de vencimento.

Os materiais eram usados em pacientes que faziam procedimentos no coração, como angioplastias, cateterismos e implantes de marca-passos, no maior hospital público do Tocantins, o HGP.

Deixe seu Comentário

Leia Também

UNIGRAN
Cuidados com a beleza aumentam procura por clínicas de estética
CONTRABANDO
Três carros são apreendidos com produtos do Paraguai
ECONOMIA
Preço da gasolina em Dourados tem nova queda, aponta ANP
DOURADOS
Um ano após pedido de demissão, ex-secretário de Délia retorna à prefeitura
GERAL
Centro alerta sobre revogação da exigência da emissão do Registro Aduaneiro
TRÁFICO DE DROGAS
Homem é preso com mais de 40kg de maconha na BR-060
CAMPO GRANDE
Ciclista suspeito de estar bêbado é atropelado e morre
ECONOMIA
Mercado reduz projeção de crescimento da economia para 2,48% em 2019
DOURADOS
“Buracão da Federal” dá prejuízo a motoristas em via movimentada
EDUCAÇÃO
230 mil estudantes da Rede Estadual de Ensino retornam às aulas nesta segunda-feira

Mais Lidas

TRAGÉDIA
Motociclista atropela, mata criança de 1 ano em Dourados e foge do local
DOURADOS
Após denúncia anônima, Polícia fecha “boca de fumo” no jardim Itália
POLÍCIA
Para defender a mãe de agressão, adolescente mata padrasto a tiros
DOURADOS
Motorista tenta desviar de outro veículo e bate carro em árvore