Menu
Busca quarta, 19 de junho de 2019
(67) 9860-3221
MEIO AMBIENTE

Pecuarista é autuado em R$ 13 mil por desmatamento ilegal de cerrado

26 outubro 2017 - 09h12Por Da Redação

Durante fiscalização ambiental em propriedades rurais do município de Cassilândia, Policiais Militares Ambientais localizaram uma área de vegetação nativa desmatada ilegalmente.

Os policiais verificaram que o fazendeiro havia desmatado uma área de 13 hectares de vegetação nativa, com uso de um trator de lâminas, sendo derrubadas árvores de grande porte, sem autorização do órgão ambiental.

As atividades foram interditadas e o proprietário da fazenda de 63 anos, residente em Cassilândia, foi autuado administrativamente e recebeu multa administrativa de R$ 12.900,00. Ele também responderá por crime ambiental, que prevê pena de três a seis meses de detenção.

O infrator foi notificado a apresentar um Plano de Recuperação da Área Degradada e Alterada (PRADA) junto ao órgão ambiental estadual.

Deixe seu Comentário

Leia Também

BRASIL
Moro diz ter aceitado ministério para consolidar combate à corrupção
PARANHOS
Veículo roubado em SP é recuperado com quase meia tonelada de maconha
AMBIENTAL
Operação Corpus Christi começa com foco na repressão à pesca predatória
ARTIGO
O que muda com a nova "Lei do pente fino" do INSS
BRASIL
Começa hoje a convocação dos candidatos da lista de espera do Sisu
TV
Ratinho recebe Sergio Moro e exalta ministro: "Único herói brasileiro"
NOVA ANDRADINA
Ao atender portão, homem é surpreendido e morto a facada
BRASIL
Analfabetismo no Brasil cai entre 2016 e 2018 de 7,2% para 6,8%
CAMPO GRANDE
Pai é preso pelo estupro da própria filha de dois anos
ASSEMBLEIA
Sete projetos estão pautados para a Ordem do Dia desta quarta-feira

Mais Lidas

FATALIDADE
Corpo de douradense é encontrado no rio Aquidauana
DOURADOS
Perseguição na Coronel Ponciano termina com homem preso e apreensão de mais de 700kg de maconha
PARAGUAI
Homem escapa de sequestro, mas acaba executado por pistoleiros em posto
RESERVA INDÍGENA
Dois são presos suspeitos pelas mortes de tio e sobrinho em Dourados