Menu
Busca quinta, 17 de outubro de 2019
(67) 9860-3221
CAPITAL

Pai que atirou no filho diz que ele exigia R$ 200 mil para fazer Medicina

24 junho 2019 - 20h05Por Da redação

Ouvido nesta segunda-feira, dia 24 de junho, Eder Lincoln Gonçalves da Cunha, que atirou contra o filho durante uma briga no último sábado (22), afirmou que a vítima exigia R$ 200 mil para fazer medicina no Paraguai. No dia do crime, ele teria atacado o pai, que conforme a defesa de Eder, atirou com o intuito de assustar o filho. O rapaz foi atingido, socorrido e encaminhado para a Santa Casa de Campo Grande, mas não aguardou atendimento médico.

Eder se apresentou nesta segunda-feira na 1ª Delegacia de Polícia Civil de Campo Grande – com a arma usada no crime, onde foi ouvido pela delegada Daniella Kades. Em interrogatório ele confessou que atirou para assustar o rapaz, que estava em um momento de fúria contra o pai. “Ele relatou que mesmo após ferido pelo tiro, o filho o atacava e chegou a pegar facas, mas foi contido pelo pai, que resolveu sair do local quando a vítima relatou que havia chamado a Polícia Militar”, explicou Daniella.

Após, Eder fugiu em uma caminhonete e seguiu até a cidade de Sidrolândia na casa de familiares, onde fez contato com o advogado José Roberto da Rosa. Depois de ser ouvido pela delegada, o suspeito foi liberado.

A Polícia Civil deve ouvir testemunhas e familiares nos próximos dias, também tentar acesso às câmeras de segurança do local onde aconteceu o crime.

Durante apresentação, o suspeito também apresentou laudos que comprovam que o filho – que morava com o pai – fazia tratamento psiquiátrico. Cerca de 30 dias antes da data do crime, conforme as informações da defesa, o rapaz teria fugido da clínica que fazia tratamento e foi para a casa da mãe – que chegou a pedir medida protetiva contra o ex-marido. “Ele nem entendeu o motivo da medida, já que não tem contato com ela há anos”, relatou José Roberto.

Brigas antigas

Conforme a defesa, Eder chegou a contratar segurança particular, após inúmeras ameaças que vinha recebendo do filho. “Ele queria dinheiro para fazer medicina no Paraguai e como o pai negou, motivou toda a situação”, afirmou o advogado. Conforme a polícia, há boletins de ocorrência de ameaça, lesão corporal e violência doméstica na relação familiar.

Ainda, de acordo com a polícia, em 2013 o filho de Eder teria tentado atropelar policiais civis e foi baleado na região do tórax. O rapaz foi socorrido na ocasião, mas fugiu do hospital. Ele foi condenado a seis anos pelo crime.

No entanto, em meio a tantas brigas, a Polícia Civil informou que Eder tentava ser um pai presente na vida do filho, mas ele apresentava “mudanças de humor e agressividade contra o pai”.

Dívida de R$ 2 milhões

A defesa de Eder afirmou que não existe dívida de R$ 2 milhões no nome do filho. “Existe sim uma divida de uma empresa, que não tem envolvimento com o filho dele e muito menos chega a esse valor”, confirmou o advogado. Ele ainda afirma que o filho recebia salário de R$ 2,8 mil por mês, para trabalhar na empresa família, mas vivia exigindo dinheiro do pai.

O advogado José Roberto afirma que o pai não tinha intenção de matar o filho. “Ele atirou para cima para assustar. Continuou sendo atacado pelo filho, mas não chegou a usar a arma, tanto que fez apenas um único disparo. Iremos alegar a legítima defesa, após ter acesso aos laudos médicos da vítima, para saber, de fato, onde o tiro pegou e qual a gravidade da lesão”, confirmou. A arma usada no crime, um revólver calibre 38, seria herança de família, legalizada e estaria no inventário do pai de Eder.

Outra versão

O filho disse ao site Midiamax que teria ido até o local para cobrar uma dívida de aluguel, quando acabou sofrendo o atentado pelo próprio pai. Em data anterior, a vítima já havia registrado boletim de ocorrência

contra o autor por ameaça.

No dia 11 de junho, o jovem procurou a delegacia, onde relatou que tinha uma relação conturbada com o pai e que o mesmo o teria ameaçado por telefone dizendo: “Se você aparecer aqui vou te encher de bala”. O imóvel em questão, conforme consta no registro policial, pertence aos dois.

Ainda conforme informações do boletim de ocorrência, o jovem foi expulso da casa pelo seu pai e desde então não podia mais ficar lá e estaria desabrigado. Ele relata ainda no boletim de ocorrência, que o pai possuía arma de fogo e, inclusive, andava armado.

Deixe seu Comentário

Leia Também

UEMS
Terminam hoje as inscrições do workshop “Redação de Patentes - Além dos Guias”
JUDICIÁRIO
Supremo julga nesta quinta-feira prisão após segunda instância
DINHEIRO NOVO
Pagamento do Pis/pasep aos nascidos em outubro começa nesta quinta
SÃO PAULO
Carreta carregada com material bélico do Exército tomba na divisa com MS
TEMPO
Quinta-feira de sol com aumento de nebulosidade em Dourados
INVESTIMENTO
MEC vai liberar mais R$ 43 milhões para 96 obras em universidades
UEMS
Semana Técnica de Computação acontece de 21 a 25 de outubro
SAÚDE
Senado aprova obrigação de exame em 30 dias para diagnóstico de câncer
FERRAMENTA
Banco do Brasil lança cartão para escolas públicas comprarem merenda
UFGD
Centro de Formação abre 50 novas vagas para Cursinho Pré-vestibular

Mais Lidas

POLÍCIA
Irmãos são detidos após polícia encontrar droga no Jardim Flórida
DOURADOS
Ciclista morre no HV após ser atropelado por ônibus
DOURADOS
UPA passa a atender apenas casos de urgência e emergência
EXPULSÃO
Chefão do narcotráfico é entregue à Polícia Federal brasileira