Menu
Busca segunda, 21 de maio de 2018
(67) 9860-3221
Clube Indaiá - Janeiro 2018

Ladrão processa vítima por lesões corporais e danos morais

03 junho 2011 - 15h11

Uma ação em tramitação no Fórum Lafayette, em Belo Horizonte, leva às últimas conseqüências a máxima segundo a qual a Justiça é para todos - todos mesmo.

O pedido de um assaltante, preso em flagrante e que decidiu processar a vítima por ter reagido durante o assalto, provocou surpresa até mesmo nos meios jurídicos e foi classificado como uma "aberração" pelo juiz Jayme Silvestre Corrêa Camargo, da 2ª Vara Criminal, que suspendeu a ação.

Não satisfeito, o advogado do ladrão, José Luiz Oliva Silveira Campos, anuncia que vai além da queixa-crime, apresentada por lesões corporais: pretende processar, por danos morais, o comerciante assaltado.
O motivo: seu cliente teria sido humilhado durante o roubo.

Wanderson Rodrigues de Freitas, de 22 anos, se sentiu injustiçado e humilhado porque apanhou do dono da padaria que tentava assaltar. O crime ocorreu no mês passado, na Avenida General Olímpio Mourão Filho, no Bairro Planalto, Região Norte de BH.

Por volta das 14h30 de uma terça-feira, Wanderson chegou ao estabelecimento e anunciou o assalto. Ele rendeu a funcionária, irmã do proprietário, que estava no caixa. Conseguiu pegar R$ 45.

No entanto, quando ia fugir, foi surpreendido pelo dono da padaria, um comerciante de 32 anos, que prefere ter a identidade preservada.

"Estava chegando, quando vi minha irmã com as mãos para o alto. Já fui roubado mais de 10 vezes nos sete anos que tenho meu comércio.

Quatro dias antes de esse ladrão aparecer, tinha sido assaltado. Não pensei duas vezes e parti para cima dele. Caímos da escada e, quando outras pessoas perceberam o que estava acontecendo, todos começaram a bater nele também. Muitos reconheceram o ladrão como autor de outros assaltos da região", conta o comerciante.

Ele diz ainda que, para render a irmã, Wanderson escondeu um pedaço de madeira debaixo da blusa, fingindo ter uma arma.

"Pensei que fosse um revólver. Quando a vi com as mãos para o alto, arrisquei minha vida e a dela.Mas estava revoltado com tantos crimes e quis defender meu patrimônio.

Trabalhei 20 anos para conseguir comprar esta padaria. Nada foi fácil para mim e nunca precisei roubar para viver. Na confusão, chamamos a polícia e ele foi preso em flagrante por tentativa de assalto "á mão armada", conta.
Fonte: Caarapó News

Deixe seu Comentário

Leia Também

SELEÇÃO
UFGD encerra inscrições para técnicos especializados em Libras
FUTEBOL
Novo vence Sinop por 2 a 1 e continua vivo na Série D
INSS
Pedidos de aposentadoria por telefone e internet começam hoje
COSTA RICA
Gerente de fazenda morre ao bater de frente em caminhão na MS-306
TEMPO
Segunda-feira de sol com algumas nuvens em Dourados; não chove
AOS 57 ANOS
Luiza Tomé ostenta corpão em rede social
AGENDA
Assembleia homenageia Força Expedicionária e debate Escola sem Partido
PREOCUPAÇÃO
Defesa Civil do Estado avalia impactos da cheia do Pantanal nas áreas ribeirinhas
FUTEBOL DE BASE
Definidos confrontos da segunda fase da Copa Mirim “João Ângelo Rocha”
EDUCAÇÃO
Novo convênio permitirá que brasileiros usem nota do Enem em Portugal

Mais Lidas

BR-163
Caminhonete carregada com maconha é encontrada abandonada em posto de Dourados
CAMPO GRANDE
Chefe de quadrilha investigada pela PF foge de presídio
PEDRO JUAN
Mulher é executada a tiros na fronteira
DOURADOS
Mão cortada denuncia homem que quebrou porta de vidro para furtar loja no Centro