Menu
Busca quinta, 17 de janeiro de 2019
(67) 9860-3221
DOURADOS

Justiça negou outros três pedidos de prisão dentro da Operação Pregão

09 novembro 2018 - 17h20Por Da Redação

Foram sete os pedidos de prisão preventiva solicitados junto à Justiça pelo Ministério Público Estadual, da qual apenas quatro acabaram atendidos, todos cumpridos na Operação Pregão, desencadeada no dia 31 de outubro em Dourados.

A ação, que apura fraudes em licitações no município, teve ainda outros 16 mandados de busca e apreensão expedidos. 

João Fava Neto, então secretário de Fazenda da prefeita Délia Razuk (PR), o chefe do departamento de licitação, Anilton Garcia de Souza e o empresário Messias José da Silva, dono da Douraser, uma das empresas envolvidas no suposto esquema, estão na PED (Penitenciária Estadual de Dourados), desde o dia 31. 

Já a vereadora Denize Portollan (PR), que na época atuava como secretária de Educação, foi encaminhada no dia 1º de novembro para o presídio feminino de Rio Brilhante. 

Além dos quatro, o Ministério Público pediu a prisão preventiva de Ivan Félix de Lima, Pedro Brum Vasconcelos Oliveira e Rodrigo Gomes da Silva. Porém, o pedido foi negado pelo Luiz Alberto de Moura Filho.

Conforme a denúncia, que corre em segredo de justiça, quatro empresas são investigadas por participação no esquema. 

A GTX Serviços de Engenharia e Construção Ltda., Energia Engenharia e Serviços, Douraser Prestadora de Serviços de Limpeza e Conservação e a MS Slots Consultoria Técmica. 

As investigações apontam para a realização de cotações em valores elevados e obtidos com empresas de fachada. 

“No intuito de garantir o sucesso da empreitada criminosa, consistente na contratação da empresa previamente ajustada e por preços elevados, utilizam-se das práticas de manipulação de dados, e cancelamentos de licitações, sem qualquer fundamento plausível, além de forçar a realização de dispensas licitatórias”, aponta trecho da denúncia, conforme o Campo Grande News.

A denúncia também aponta que João Fava Neto e Anilton Garcia de Souza criaram no fim de 2016, poucos meses antes de começarem a trabalhar na prefeitura, a empresa MS Slots Consultoria Técnica Ltda.

Para o MP, trata-se de empresa de fachada, para lavagem de dinheiro do esquema. O endereço da empresa é o mesmo endereço residencial de João Fava Neto.

Deixe seu Comentário

Leia Também

PARANHOS
Operação contra traficantes que abasteciam morros cariocas prende dois em MS
CRIATIVIDADE
Conheça a casa flutuante dobrável desenvolvida para vítimas de terremotos
ATENÇÃO
Meteorologia alerta para a possibilidade de chuva forte no fim de semana em MS
BALANÇO
Guarda apreendeu quase 2t de drogas na rodoviária de Dourados em 2018
EMBOSCADA
Dupla morta em atentado foi executada a tiros de pistola 9mm
BRASIL
Brasil bate recorde de mortes violentas em 2017
NOVELA
Nova personagem de Letícia Persiles aparece no presente em ‘Espelho da Vida’
TOMA LÁ, DA CÁ!
Comitiva do PSL com dois parlamentares de MS na China é chamada de "semianalfabeta" por "guru" de Bolsonaro
VINGANÇA
Após execução, fronteira entra em alerta para “guerra sangrenta” por domínio do tráfico
ATAQUE
Jornalista sofre 3º atentado em três anos e tem carro incendiado

Mais Lidas

DOURADOS
Rapaz assassinado em emboscada foi preso por tentativa de furto a caixa eletrônico
NOVA LEI
Multa mínima para quem capturar Dourado na próxima temporada de pesca será de R$ 2,7 mil
INQUÉRITO CIVIL
Denúncia leva MP investigar recursos destinados à Saúde de Dourados
DOURADOS
Seis são apontados por participação em emboscada que matou interno do Semiaberto