Menu
Busca quarta, 20 de fevereiro de 2019
(67) 9860-3221
ATAQUE NA FLÓRIDA

Ex-aluno abre fogo em escola nos EUA, mata 17 e acaba preso

15 fevereiro 2018 - 06h48Por G 1

Um atirador foi detido nesta quarta-feira, dia 14 de fevereiro, após deixar mortos e feridos em uma escola em Parkland, na Flórida. O xerife do condado de Broward, Scott Israel, disse que 17 pessoas morreram.

Consultada pelo portal G1, a assessoria de imprensa do Itamaraty informou que o Consulado-Geral do Brasil na Flórida disse que não há informações sobre as nacionalidades das vítimas, mas que entre os brasileiros dos quais o consulado tem conhecimento todos estão bem.

Vítimas confirmadas

Segundo Israel, 12 pessoas foram mortas dentro da escola; duas vítimas morreram fora do prédio; uma morreu em uma rua próxima e 2 morreram no hospital.

Além deles, hospitais da região receberam mais 14 pacientes. O suspeito do tiroteio também foi levado ao hospital, sob custódia da polícia.

O atirador foi identificado como Nikolas Cruz, um ex-aluno da Stoneman Douglas High School. Ele tem 19 anos e, segundo as autoridades, tinha sido expulso da escola por motivos disciplinares. Cruz portava um rifle AR-15 e agiu sozinho.

Um alarme de incêndio foi disparado por volta das 14h30, pouco antes do final das aulas, e os tiros começaram em seguida.

O jornal "Miami Herald" conversou com professores e alunos que conhecem Cruz e dizem que ele era considerado uma pessoa problemática, que ameaçava colegas e não tinha autorização para entrar no prédio portando mochilas. Segundo o professor de matemática Jim Gard, o jovem chegou a receber uma solicitação para deixar o local no ano passado.

Reação da Casa Branca

A Casa Branca informou que o presidente Donald Trump foi comunicado rapidamente sobre o caso. O presidente postou uma mensagem sobre o assunto no Twitter. "Nenhuma criança, professor ou qualquer outra pessoa jamais deveria se sentir insegura em uma escola americana", escreveu.

 Área isolada

A polícia de Coral Springs está pedindo que as pessoas continuem evitando a região da Marjory Stoneman Douglas High School. Um hotel nas proximidades foi usado como ponto de encontro entre alunos e seus pais.

Imagens de TV mostraram mais cedo diversos estudantes deixando o prédio, escoltados por agentes da SWAT. Agentes do FBI também estão no local.

Um esquadrão anti-bombas está vasculhando a escola como medida de precaução. Segundo a CNN, os examinadores e policiais só terão acesso à escola depois que essa varredura termine.

Deixe seu Comentário

Leia Também

THETAHEALING
Capital sedia curso sobre cura energética no final de semana
EM BRASÍLIA
Reforma da Previdência deve incluir interesses de estados e municípios, diz Reinaldo Azambuja
SUSTO
Cascavel é capturada em cômodo de casa na Capital; veja vídeo
DARUK
PF prende homem em operação contra pedofilia em MS
BRASIL
MEC vai rever texto da base de formação de professores
ASSEMBLEIA
Cota zero volta a ser debatida com sugestão de autorização para captura de jacarés
CAMPO GRANDE
Veneno em carne crua mata cinco animais na Capital
BRASIL
Gabaritos do Enade 2018 já estão disponíveis no site do Inep
MS
Concurso da Educação: Governo abre prazo para recurso das provas para administrativos
APARECIDA DO TABOADO
MPMS pede que Sanesul substitua tubulação que contenha amianto asbesto

Mais Lidas

CRIME EM 10 DE FEVEREIRO
Acusados de matar jovem a facadas em Dourados se apresentam à polícia
DOURADOS
"Lata de sardinha": universitários sofrem com ônibus lotados para chegar até Universidades
TRÁFICO
Trio é preso com mais de meia tonelada de cocaína
DOURADOS
Polícia busca imagens para chegar a motociclista que atropelou e matou criança