Menu
Busca quinta, 23 de maio de 2019
(67) 9860-3221
OPERAÇÃO PHANTOM

Detento dava "curso online" para quadrilha de furto a banco

14 março 2019 - 20h50Por Da Redação

Última fase da Operação Phantom da Delegacia Especializada de Repressão a Roubo a Bancos, Assaltos e Sequestros (Garras) da Polícia Civil desmanchou uma organização criminosa especializada em furtar bancos, na manhã de hoje, dia 14 de março, em Campo Grande, Chapadão do Sul e Dourados. De acordo com informações do jhornal Correio do Estado, as instruções para o roubo eram dadas por um preso, de dentro do Presídio de Segurança Máxima, por meio de vídeos repassados por WhatsApp.

De acordo com o Delegado João Paulo Sartori, um dos responsáveis pela investigação, o grupo é responsável pela maioria dos furtos a instituições financeiras e caixas eletrônicos, que tem como comando máximo Melrison da Silva, que estava preso no Presídio de Segurança Máxima, na Capital. “Ele é o mandante intelectual de mais de 90% das ações de bancos na modalidade forte no estado de Mato Grosso do Sul”, disse Sartori.

Ao todo, a operação cumpriu 25 mandados de prisões desde novembro, sendo 10 nesta quinta-feira. Um dos investigados foi preso com 10 kg de maconha, em Chapadão do Sul e um foi preso com 300 g de pasta base de cocaína, na Capital.

Ao todo são 39 pessoas presas, entre mandantes intermediários e executores. Algumas delas tem filiação com o Primeiro Comando da Capital (PCC), inclusive Melrison.

O Garras contou com a colaboração do Batalhão de Choque da Polícia Militar, da Delegacia de Polícia de Chapadão, do Ministério Público, por meio dos Grupos de Atuação Especial de Combate ao Crime Organizado (Gaeco).

HISTÓRICO

Em 2015, foram registrados oito ações de furtos em bancos no Estado, feitos por uma mesma quadrilha, que foi presa. Entre os envolvidos está Melrison, que começou a repassar as técnicas para cortar caixas eletrônicos e desativar alarmes.

“O Melrison começou a difundir, em vídeos no WhatsApp, de como cortar caixa e também desativar alarme, por isso tivemos esse salto de 30 ações em 2018”, contou o delegado Fábio Peró, que acompanhou a investigação desde 2015.

Além de MS, o grupo também cometeu crimes em Paraná, São Paulo, Acre e alguns estados do Nordeste.

PHANTOM

O termo que nomeia a operação, em inglês, significa fantasma, em tradução livre,  e se refere ao modus operandi da organização criminosa nos furtos. “Eles vestem uma manta térmica, para não serem detectados, e rastejam até a central de alarmes para poder desativar e efetuar os furtos”, revelou Peró.

Além de agências bancárias, o grupo também assaltava farmácias e lotéricas. Na logística do bando, os bancos eram alvo nos fins de semana e feriados prolongados e os demais estabelecimentos em dias de semana.

Melrison, o mentor da organização, e os demais da mandantes intermediários serão encaminhados para o Sistema Penitenciário Federal. “Os líderes serão pleiteados para presídios federais, na tentativa de cessar essas ações em instituições financeiras”, concluiu Sartori.

Deixe seu Comentário

Leia Também

POLÍTICA
Bolsonaro volta a defender mudanças na CNH e fim dos radares
CAMPO GRANDE
Jovem grávida é agredida, desmaia e acorda sendo estuprada
UNIGRAN
Jornada de Psicologia vai abordar trajetos e conquistas em 20 anos de história
MEIO AMBIENTE
Conciliação: danos ao Rio da Prata serão reparados por responsáveis
TRÊS LAGOAS
PMA realiza Educação Ambiental a 50 alunos de escola pública
JUDICIÁRIO
Maioria no STF vota para enquadrar homofobia como crime de racismo
DOURADOS
Servidora da UEMS lança livro sobre Letramento Digital nesta sexta
RIBAS DO RIO PARDO
Homem é preso e confessa que estuprava a sobrinha de 9 anos
SELEÇÃO
Marinha abre concurso para 90 vagas para o Corpo Auxiliar de Praças
JUSTIÇA
Integrante do PCC é condenado a 15 anos por esquartejar rival

Mais Lidas

POLÍCIA
Após pescaria, marido encontra desconhecido na frente de casa e ameaça mulher com arma em Dourados
DOURADOS
Preso em operação estava sob monitoramento por assalto
PEDRO JUAN
Três suspeitos de chacina na fronteira são presos pela polícia paraguaia
PEDRO JUAN
Seis morrem e uma criança fica ferida após ataque de pistoleiros na fronteira