Menu
Busca segunda, 19 de novembro de 2018
(67) 9860-3221

Crime no motel: Loura Fatal tinha namorada

18 maio 2011 - 15h00

Os presentes, as viagens, as idas a lugares caros, nenhum dos mimos dados por Fábio Gabriel Rodrigues a Verônica Verone de Paiva, durante os 16 meses de relacionamento dos dois, Ogarantiu ao empresário de 33 anos exclusividade na vida sentimental da estudante de 18.

Em depoimento à delegada adjunta 77ª DP (Icaraí) Juliana Rattes, a loura afirmou estar namorando outros dois rapazes e tendo um caso com uma mulher.
A declaração é a ponta de um nó que a polícia tenta desatar: se houve ou não uma terceira pessoa envolvida no homicídio do empresário, enforcado por Verônica num motel em Itaipu, na Região Oceânica de Niterói, na madrugada do último sábado.

Ontem, imagens do circuito interno do estabelecimento foram divulgadas e mostram um homem dirigindo a picape de Fábio, mas não é possível identificar se é realmente ele ao volante. Um funcionário do motel contou à polícia que entregou as chaves da suíte ao empresário.

Os vários relacionamentos admitidos por Verônica à polícia não chegam a causar espanto em amigos e colegas da loura. Em Itaipuaçu, onde a estudante mora com a família, são assuntos recorrentes a beleza da estudante e a sua fama de namoradeira.

— Ela chamava a atenção por onde passava. Loura, de olhos claros, ninguém resistia! — conta um colega de turma.
Segundo amigos, a estudante teve pelo menos quatro namorados na adolescência e teria chegado a trair alguns deles. Na vizinhança, comenta-se também que o caso com Fábio era do conhecimento de todos, inclusive dos parentes da jovem. Ele a buscava na Escola Municipal João Monteiro, onde Verônica cursa o 9 ano, e a levava para casa. O casal também iria a restaurantes e motéis frequentemente.

— Como os pais permitiram que ela, com 18 anos, saísse com um cara casado? — questiona a publicitária Patrícia Câmara, mãe de uma aluno do Colégio Evolução, onde Verônica estudou.

Na Rua 16, onde mora Verônica, poucos vizinhos conhecem a intimidade da família da jovem. A casa de três andares, antes ocupada por Verônica, a mãe e a irmã, agora está vazia. Uma luz acesa desde domingo denuncia o abandono. A mãe foi vista pela última vez anteontem, quando entrou e saiu da casa rapidamente. Um vizinho antigo conta que não se surpreendeu com o crime:

— Eles são totalmente desestruturados. O pai morreu há um ano e meio. A mãe não fala com ninguém. Era uma tragédia anunciada.
Horas antes de Fábio Gabriel ser enforcado no motel por Verônica, a estudante teria matado aula com amigos no Recanto, em Itaipuaçu, distrito de Maricá. De acordo com amigos, ela ficou das 18h30m até pouco antes das 22h num ponto final de ônibus com mais de dez colegas da Escola Municipal João Monteiro e de outros colégios da região.

Deixe seu Comentário

Leia Também

AGENDA
Bolsonaro se reveza entre Rio, Brasília e São Paulo esta semana
MARCELO PILOTO
Traficante brasileiro é expulso do Paraguai após matar mulher em cela
BR-163
Condutor morre ao colidir carro depois de dormir ao volante
PROCESSO SELETIVO
Guarda Mirim seleciona candidatos para a quarta turma em Dourados
DOIS MESES DEPOIS
Acusados de matar jovem em Dourados serão apresentados hoje
MUNICÍPIOS
Prefeitos devem conversar com Temer sobre mudanças no Mais Médicos
FUTEBOL
Contra Camarões, Brasil realiza amanhã último amistoso do ano em Londres
DANÇA DOS FAMOSOS
Pâmela Tomé, Sérgio Malheiros e Nando Rodrigues são eliminados
ESTRAGOS
Além de queda de árvores, ventos destelharam casas em bairros de Dourados
UFGD
Núcleo de Estudos promove dias 20 e 21 a Semana da Consciência Negra

Mais Lidas

TEMPORAL
Fortes ventos derrubam mais de 30 árvores e deixa rastro de destruição em Dourados
FACADAS
Traficante brasileiro mata namorada dentro de cela no Paraguai
TEMPORAL
Ventos fortes derrubam árvores em Dourados
CACHOEIRINHA
Mulher denuncia e marido é encontrado em ponto de distribuição de drogas