Menu
Busca segunda, 15 de outubro de 2018
(67) 9860-3221
LAVA JATO

Carlos Arthur Nuzman é preso suspeito de fraude na escolha da Rio 2016

05 outubro 2017 - 06h37

Agentes da Polícia Federal e do Ministério Público Federal prenderam Carlos Arthur Nuzman, presidente do Comitê Olímpico Brasileiro (COB) e do Comitê Rio 2016, na manhã desta quinta-feira, dia 05 de outubro, na Zona Sul do Rio de Janeiro. Os agentes também tentam cumprir mandado de prisão contra Leonardo Gryner, diretor-geral de operações do comitê Rio 2016.

Nuzman é suspeito de intermediar a compra de votos de integrantes do Comitê Olímpíco Internacional (COI) para a eleição do Rio como sede da Olimpíada de 2016.

A ação é um desdobramento da Unfair Play, uma menção a jogo sujo e que é mais uma etapa da Lava Jato no Rio de Janeiro.

Em março, o jornal francês “Le Monde” havia denunciado que, três dias antes da escolha da cidade, houve pagamento de propina a dirigentes do Comitê Olímpico Internacional.

No mês passado, o Ministério Público Federal (MPF) pediu o bloqueio de até R$ 1 bilhão do patrimônio de Carlos Arthur Nuzman, do empresário Arthur Cesar Soares de Menezes Filho, o "Rei Arthur", e de Eliane Pereira Cavalcante, ex-sócia do empresário. O objetivo, segundo procuradores, era reparar os danos causados pelo trio devido às proporções mundiais da acusação.

Organização criminosa internacional

De acordo com o Ministério Público, as fronteiras internacionais não limitaram a atuação da organização criminosa do ex-governador Sérgio Cabral. Para os procuradores, “trata-se de um esquema altamente sofisticado, que agia internacionalmente com desenvoltura e uma engenhosa e complexa relação corrupta”. Prova disso é que, para alcançar o atual estágio da investigação, o MPF teve que realizar pedidos de cooperação jurídica internacional com nada menos que quatro países diferentes: Antígua e Barbuda, França, Estados Unidos e Reino Unido.

Durante as investigações, o Ministério Público Francês colheu substancioso material para demonstrar que houve compra de votos para escolha da sede dos Jogos Olímpicos de 2016. Um dos votos foi comprado de Lamine Diack, então presidente da Federação Internacional de Atletismo e então membro do Comitê Olímpico Internacional, por meio de seu filho, Papa Massata Diack.

Deixe seu Comentário

Leia Também

HU
Congresso de Ensino vai reunir estudantes e pesquisadores em Dourados
JUSTIÇA
Plano de saúde é condenado por não fornecer medicamento à conveniada
BOMBEIROS
Jacaré-de-papo-amarelo é solto na natureza após ser resgatado
ELEIÇÕES 2018
Eleitores podem solicitar certidão de quitação eleitoral pela internet
MEDICINA
Inscrições para a segunda fase do Revalida 2017 terminam hoje
CARNE FRACA
Polícia Federal indicia Abílio Diniz por organização criminosa
TRÊS LAGOAS
Jovem de 21 anos tem 30% do corpo queimado com soda caustica
BRASIL
Ministro faz apelo ao Congresso para aprovar MP que vence nesta semana
EDUCAÇÃO
Inscrições ao Mestrado Acadêmico em Letras terminam sexta-feira
PESQUISA
Ibope para presidente, votos válidos: Bolsonaro, 59%; Haddad, 41%

Mais Lidas

DOURADOS
Ciclista sofre atropelamento e fica em estado gravíssimo
TRAGÉDIA
Douradense morre em acidente no RS
DOURADOS
Família busca notícias de mulher que abandonou carro e embarcou na rodoviária
DOURADOS
Traficante que atuava com “disk drogas” é preso