Menu
Busca quinta, 19 de abril de 2018
(67) 9860-3221
BANNER CRA
LAVA JATO

Carlos Arthur Nuzman é preso suspeito de fraude na escolha da Rio 2016

05 outubro 2017 - 06h37

Agentes da Polícia Federal e do Ministério Público Federal prenderam Carlos Arthur Nuzman, presidente do Comitê Olímpico Brasileiro (COB) e do Comitê Rio 2016, na manhã desta quinta-feira, dia 05 de outubro, na Zona Sul do Rio de Janeiro. Os agentes também tentam cumprir mandado de prisão contra Leonardo Gryner, diretor-geral de operações do comitê Rio 2016.

Nuzman é suspeito de intermediar a compra de votos de integrantes do Comitê Olímpíco Internacional (COI) para a eleição do Rio como sede da Olimpíada de 2016.

A ação é um desdobramento da Unfair Play, uma menção a jogo sujo e que é mais uma etapa da Lava Jato no Rio de Janeiro.

Em março, o jornal francês “Le Monde” havia denunciado que, três dias antes da escolha da cidade, houve pagamento de propina a dirigentes do Comitê Olímpico Internacional.

No mês passado, o Ministério Público Federal (MPF) pediu o bloqueio de até R$ 1 bilhão do patrimônio de Carlos Arthur Nuzman, do empresário Arthur Cesar Soares de Menezes Filho, o "Rei Arthur", e de Eliane Pereira Cavalcante, ex-sócia do empresário. O objetivo, segundo procuradores, era reparar os danos causados pelo trio devido às proporções mundiais da acusação.

Organização criminosa internacional

De acordo com o Ministério Público, as fronteiras internacionais não limitaram a atuação da organização criminosa do ex-governador Sérgio Cabral. Para os procuradores, “trata-se de um esquema altamente sofisticado, que agia internacionalmente com desenvoltura e uma engenhosa e complexa relação corrupta”. Prova disso é que, para alcançar o atual estágio da investigação, o MPF teve que realizar pedidos de cooperação jurídica internacional com nada menos que quatro países diferentes: Antígua e Barbuda, França, Estados Unidos e Reino Unido.

Durante as investigações, o Ministério Público Francês colheu substancioso material para demonstrar que houve compra de votos para escolha da sede dos Jogos Olímpicos de 2016. Um dos votos foi comprado de Lamine Diack, então presidente da Federação Internacional de Atletismo e então membro do Comitê Olímpico Internacional, por meio de seu filho, Papa Massata Diack.

Deixe seu Comentário

Leia Também

EVENTO
UFGD convida estudantes para Diálogos sobre Assistência Estudantil
NOVA ANDRADINA
Acidente com linha de cerol deixa motociclista gravemente ferida
JUSTIÇA
Paciente ganha direito de fazer exame para tratamento de câncer
ITAPORÃ
Ciclista atropelado na MS-156 era morador em Dourados
ECONOMIA
Dólar fecha em alta e volta a encostar em R$ 3,40
O dólar fechou em alta nesta quinta-feira (19), voltando a se aproximar de R$ 3,40, após cair por três dias consecutivos. O dia foi marcado pela agenda esvaziada, o que jogou a atenção dos investidores para a cena política local.
TRÁFICO DE DROGAS
Acampamento ‘distribuidor’ de droga é destruído na fronteira
CAMPO GRANDE
Feto abandonado em quintal de residência é alvo de investigação da polícia
CARGA TRIBUTÁRIA
Simplificação do PIS/Cofins deve ir ao Congresso em maio, diz ministro
FACILIDADE
Banco Central estuda criar sistema de pagamento instantâneo
BARBÁRIE
Tio e sobrinhos são condenados em mais de 55 anos de prisão por matar homem a pedradas

Mais Lidas

ITAPORÃ
Mortos em troca de tiros após assalto eram de Dourados
SEGURANÇA PÚBLICA
Em comunicado, PCC convoca integrantes para “alerta geral”
TENSÃO EM MS
Presos tentam impedir pente-fino na PED, mas agentes fazem ‘limpa’
DOURADOS
Após invadir Ceim, dupla ameaça vigia de morte e rouba equipamentos