Menu
Busca quinta, 28 de maio de 2020
(67) 99659-5905
TERROR

Ataques a mesquitas deixam 49 mortos e 48 feridos na Nova Zelândia

15 março 2019 - 06h46Por G 1

Ataques simultâneos a duas mesquitas em Christchurch, na Nova Zelândia, deixaram 49 mortos e 48 feridos nesta sexta-feira, dia 15 de março, informou a primeira-ministra Jacinda Ardern.

Ao menos quatro pessoas envolvidas nos ataques foram detidas: três homens - dos quais um seria australiano - e uma mulher. A polícia local informou, porém, que não está descartada a hipótese de que outros agressores estejam envolvidos e, portanto, foragidos.

O Conselho de Saúde do Distrito de Canterbury informou que 12 feridos estão em estado grave e em cirurgias. Entre os 48 feridos há crianças e adultos.

Um dos alvos do ataque contra a comunidade muçulmana foi a mesquita de Linwood, que estava lotada com mais de 300 pessoas, no subúrbio de Linwood, em Christchurch.

Um homem usou um rifle automático para atingir os fieis e transmitir o massacre, ao vivo, pela internet. O vídeo mostrou ele atirando sem parar enquanto caminhava.

Segundo testemunhas, o atirador usava capacete, óculos e um casaco em estilo militar. Ele entrou no prédio dez minutos após o início das orações, que começaram às 13h30 (hora local). Foi descrito como branco, loiro, magro e de baixa estatura.

Outra mesquita atacada foi a Masjid Al Noor, ao lado do Parque Hagley. Relatos indicaram novo tiroteio no local.

Dos 49 mortos até agora, 48 morreram baleados nas mesquitas e um foi levado com vida, mas morreu em um hospital. Não foi divulgado ainda as identidades das vítimas.

A polícia confirmou que localizou um carro-bomba estacionado na Strickland Street, a cerca de 3 km do Hagley Park.

A primeira-ministra Jacinda Ardern disse que esse é "um dos dias mais sombrios e sangrentos da história do país". "Esse tipo de violência não tem lugar na Nova Zelândia". Ela definiu o ataque como "um ato de violência sem precedentes na Nova Zelândia".

Ardern afirmou ainda que um dos atiradores é um cidadão australiano. Os quatro suspeitos sob custódia não estavam em nenhuma lista de observação por parte da polícia.

Ahmad Al-Mahmoud, de 37 anos, que rezava quando os disparos começaram, disse ao site Stuff que ele e outros fiéis quebraram vidros de janelas da mesquita para conseguirem escapar.

Pessoas que moram e trabalham na região dos ataques foram orientadas a permanecer dentro dos prédios e não circular pelas ruas até o final da tarde (horário local).

Os policiais também esvaziaram a Cathedral Square, onde um grupo de estudantes realizava uma manifestação pedindo ações contra o aquecimento global.

Todas as escolas de Christchurch foram fechadas e os pais dos alunos receberam mensagens avisando que seus filhos estão em segurança. Cerca de 750 crianças e adolescentes foram afetados.

Várias estradas da cidade, entre elas Blenheim Rd, Moorhouse Ave e Brougham St, foram fechadas e seguem em monitoramento.

A polícia orientou para que todas as mesquitas do país fechassem suas portas até novo aviso.

Deixe seu Comentário

Leia Também

DATAFOLHA
Rejeição a Bolsonaro aumenta após vídeos de reunião ministerial, afirma pesquisa
PESCA PREDATÓRIA
Policiais apreendem redes de pesca e anzóis de galho em rios de MS
BRASIL
Covid-19: planos de saúde incluirão mais 6 exames na lista obrigatória
8H ÀS 12H
Três agências da Caixa abrem em Dourados neste sábado para saque de auxílio
DOURADOS
MP pede extinção de processo contra casal acusado de "furar" quarentena
PANDEMIA
Dourados registrou um caso de Covid-19 a cada 1h30 nos últimos dez dias
MERCADO DE TRABALHO
Quase 7 mil postos de trabalho são fechados somente em abril em Mato Grosso do Sul
POLÍTICA
TJ absolve ex-deputado estadual em caso de “servidora fantasma”
MATO GROSSO DO SUL
Beneficiários são notificados por abandono, locação e cedência de unidades habitacionais
DOURADOS
Plano de saúde é condenado por não fornecer medicamento a gestante

Mais Lidas

DOURADOS
Paciente com suspeita de coronavírus afasta mais de 20 profissionais da saúde no HV e UPA
PANDEMIA
Dourados é "campeã" de casos de coronavírus em MS pelo 3º dia consecutivo
PANDEMIA
Dourados investiga morte com suspeita do novo coronavírus
DOURADOS
Empresários cobram de Délia prova científica para justificar toque de recolher