Menu
Busca sábado, 07 de dezembro de 2019
(67) 9860-3221
DOURADOS VENEZUELANA

Para não perder controle e auxiliar em questões burocráticas, associação quer realizar censo venezuelano em Dourados

15 agosto 2019 - 08h23Por Vinicios Araújo

Sendo a 2ª cidade que mais recebeu venezuelanos durante a Operação Acolhida, do Governo Federal, Dourados deve em breve ter um censo que reunirá todas as informações do grupo refugiado. Conforme estimativa da associação Dunamis Multicultural, cerca de 1200 a 1500 venezuelanos vivem na maior cidade do interior de Mato Grosso do Sul. 

Encabeçada por imigrantes, a organização tem o propósito de identificar o número real de refugiados morando no município e atestar as condições em que essas pessoas estão vivendo. Com isso, será possível oferecer apoio em burocracias e assistência nas necessidades do dia a dia. 

A presidente da Dunamis, Rosana Daza, veio da Venezuela com o marido e duas filhas pequenas em 2015. A família chegou a Itaquiraí/MS e posteriormente a se mudou para Dourados pois o esposo da venezuelana, que é cubano, iria iniciar os estudos de doutorado em agronomia. 

De lá pra cá a situação do país da imigrante só piorou e o número de refugiados aumentou de forma exponencial. Em todo mundo já são cerca de 4 milhões de pessoas fora do território venezuelano, massacrado pela inflação e pela violência urbana. 

“A principal função é auxiliar na burocracia, mas queremos também tomar a cultura como parte de inserção nesse trabalho. Não podemos fazer nada sem considerar o brasileiro. O que gostaríamos com essa associação é auxiliar obviamente os venezuelanos, mas também contribuir em conhecimento com o douradense, para que eles conheçam a nossa cultura, quem nós somos, nossos costumes. É um trabalho para integração mesmo”, explica Rosana. 

Para levantar esses dados, a venezuelana pretende inicialmente ‘bater de porta em porta’ em todas as organizações que contribuíram para a operação Acolhida, levantando os dados que eles possuem para a partir disso desenvolver o censo. 

“Queremos ser um intermediário. Não queremos ser independentes, queremos somar. A ajuda dessas organizações é fundamental e queremos nos unir auxiliando nesse contato. Isso é para organização, centralização das nossas necessidades”, afirma. 

Conforme a associação já conseguiu identificar, os principais bairros que abrigam essa comunidade são Jardim Maracanã, Jardim Flórida e Parque Alvorada.

Deixe seu Comentário

Leia Também

FUTEBOL DE MS
MPE notifica federação e clubes da Capital ficam sem estádio para jogar
ECONOMIA
Mapa identifica recuo no preço da carne bovina na primeira semana de dezembro
CAMPO GRANDE
Identificado assaltante morto após confronto com a polícia
FUTEBOL
Prêmio Brasileirão 2019 reunirá craques na próxima segunda
CAMPO GRANDE
Projeto de ciêcias leva escola a economiza 2 mil litros de água por mês
DOURADOS
Previsão climática aponta possibilidade de chuva a partir de domingo
DOURADOS
Cantata de Natal convida a seguir ensinamentos de Jesus Cristo
AQUIDAUANA
Mulher acaba ferida após briga entre irmãos
COMER BEM
Restaurante Senhoritta oferece espaço climatizado para confraternizações
LOTERIA
Mega-Sena pode pagar prêmio de R$ 3 milhões

Mais Lidas

POSSE
Delegado de MS assume comando de associação nacional
CONCESSÃO
MS 306: melhoria da logística gera desenvolvimento econômico para Mato Grosso do Sul
AGENDA LEGISLATIVO
Última reunião do Parlamento Jovem e Cantata de Natal marcam a semana
BRASIL
Prêmio Capes vai distribuir R$ 5 mil para os primeiros mil colocados