Menu
Busca terça, 21 de maio de 2019
(67) 9860-3221

Após roubo de dados, Comissão apela por mais segurança online

29 novembro 2012 - 17h45

O roubo de dados sigilosos de autoridades, desvendado pela operação “Durkhein” da Polícia Federal, demonstra a necessidade de políticas públicas de segurança virtual em Mato Grosso do Sul, e em todo país. Essa é a posição de Leopoldo Fernandes da Silva Lopes, presidente da Comissão de Direito Eletrônico (CODE) da OAB/MS.

De acordo com a Polícia Federal, que deflagrou a operação no início desta semana, uma autoridade foi vítima em MS, o desembargador Júlio Roberto Siqueira Cardoso, do TJ/MS (Tribunal de Justiça do Estado).

“O sistema de segurança dos bancos de dados ainda precisa ser melhorado, não temos políticas públicas neste sentido”, comentou Lopes. “Vale um apelo para que haja uma preocupação maior com a segurança online, tanto para os usuários, quanto para os órgãos públicos e privados”, frisou o presidente da CODE.

Um passo importante, segundo Lopes, é a vigência da lei que acrescenta no Código Penal a tipificação de crimes cibernéticas, já batizada de "Lei Carolina Dieckmann" – em referência ao roubo de fotos íntimas da atriz. “Acredito que a lei ajude a incentivar os governos a investirem em políticas públicas que tratem deste tipo de segurança (na internet)”, comentou o advogado.

A “Operação Durkhein”, que mobilizou delegados e 400 agentes federais, resultou até agora na prisão de 27 pessoas (de um total de 33 prisões temporárias) e no cumprimento de 87 mandados de buscas. Segundo informações da PF, agentes encontraram contas do desembargador Cardoso em poder da quadrilha e descobriu-se, também, que o sigilo telefônico dele foi quebrado. O desembargador foi uma das 180 vítimas da quadrilha identificadas até agora, mas calcula-se que pode chegar a 10 mil o número de pessoas afetadas.

Segundo o Leopoldo Lopes, os autores dos crimes podem ser enquadrados na “Lei Carolina Dieckmann”, assim como no Código Penal. “Se usaram as informações obtidas para obter vantagens pessoais, pode ser enquadrado em estelionato”, exemplificou o presidente da CODE.

Deixe seu Comentário

Leia Também

SHOWBIZZ
Sabrina Sato posa em ensaio de moda praia: "de boa já com o biquíni"
NOVA ANDRADINA
Polícia fecha "boca de fumo" chefiada por adolescente de 17 anos
PGR
Procurador de Mato Grosso do Sul disputa sucessão de Raquel Dodge
ENERGIA ELÉTRICA
Aneel reajusta valor das bandeiras tarifárias; maior é de 50% na amarela
PANTANAL
Empresários realizam encontro da pesca em apoio a cota zero
BRASIL
Senado aprova regulamentação da profissão de cuidador de idosos
CRIME AMBIENTAL
Paranaense é autuado em R$ 12 mil por armazenamento de madeira ilegal
CONCURSO
IBGE lança edital com 209 vagas de recenseador e agente censitário
CAPITAL
Travesti é suspeita de matar vendedor de 48 anos com 14 facadas
SELEÇÃO
UEMS abre inscrições para processo seletivo de professores temporários

Mais Lidas

ITAPORÃ
PM da reserva morre em acidente próximo a ponte do Rio Santa Maria
DOURADOS
Comissão vota contra o próprio parecer e Idenor se salva de cassação
EDUCAÇÃO
Inscrições do Encceja 2019 começam nesta segunda-feira
DOURADOS
Ex-líder da prefeita Délia Razuk é alvo de pedido de cassação