Menu
Busca terça, 20 de agosto de 2019
(67) 9860-3221

A polícia e as vítimas de confronto, por Dirceu Cardoso

09 janeiro 2013 - 16h35


A resolução da Secretaria da Segurança Pública de São Paulo que impede os policiais de socorrer feridos, especialmente os vitimados em confronto, é uma faca de dois gumes. Se, por um lado, garante atendimento especializado e preserva a cena pericial do acontecido, por outro, representa uma demora a mais no socorro pois, em vez de levar a vitima na sua viatura, que já se encontra no local, o policial agora tem de chamar o Samu ou o resgate dos Bombeiros para que aquelas equipes especializadas se desloquem de suas bases. Isso demora algum tempo, maior ou menor, dependendo da distância a ser percorrida pelos paramédicos e das condições do tempo e do trânsito. Se for um paciente esvaindo-se em sangue, esse tempo pode representar a diferença entre a vida e a morte.


Socorrer as vítimas é procedimento normal de trabalho da policia, que o faz como o braço da sociedade presente ao local dos acontecimentos. Esse procedimento causa questionamentos, principalmente quando se discute a possibilidade de violência policial. Mas, até por tradição, aos olhos do povo, é inadmissível e desumano ver uma vítima caída ao solo, ao lado de uma viatura policial, à espera da chegada do socorro. É preciso ver, no conjunto das ocorrências, - ouvidos especialistas da área - o que é mais produtivo e de interesse da sociedade. Para os policiais que cometem excesso, já existem os regulamentos e a Corregedoria, enquanto para a vítima, que pode morrer por falta de remoção, não restará mais nada.


A atividade policial envolve riscos constantes tanto à população quanto aos próprios policiais, pois a polícia só é chamada ou age quando existem problemas e condutas fora do controle. Sua presença tem a finalidade de restabelecer a ordem pública. Daí a importância do treinamento e constante conscientização do agente policial para a sua finalidade no teatro social. Ele é o primeiro garantidor da ordem e, muitas vezes, tem de agir com energia e até força equivalente à transgressão a ser enfrentada.


Que o governo pretenda dar atendimento especializado aos feridos, não há que se contestar. Mas esse propósito administrativo não pode representar um desonroso “pito” ao policial que, até agora, foi treinado para socorrer e levar as vítimas encontradas até o pronto socorro mais próximo. Se do episodio restar essa imagem punitiva, não será difícil a tropa, sentindo-se sem a necessária retaguarda da corporação, preocupada com a repercussão de seus atos, cair em apatia e passar a atuar apenas em atividades-padrão, evitando os confrontos e perseguições, que podem resultar em sanções disciplinares. Não há nenhuma lei ou regulamento que obrigue o policial a abordar ou perseguir suspeitos. Ele o faz por experiência e vivência. Se deixar de fazer, o governo não receberá mais queixas relativas à violência policial mas, em contrapartida, a marginalidade, hoje combatida, estará livre para agir.


É importante ter claro que a polícia é apenas um instrumento do Estado. Enquanto cidadão, o policial vive os mesmos problemas enfrentados por toda a população. Quando age profissionalmente, o faz seguindo regulamentos e determinações de seus superiores hierárquicos. Se age por conta própria, é punido disciplinarmente. Logo, não levará vitimas aos hospitais porque essa é a nova ordem do governo...


Tenente Dirceu Cardoso Gonçalves – dirigente da ASPOMIL (Associação de Assist. Social dos Policiais Militares de São Paulo) aspomilpm@terra.com.br

Deixe seu Comentário

Leia Também

BRASIL
Jennifer Lopez exibe bumbum e esbanja boa forma em novo clique de maiô cavado
ARTIGO
Quando dessecar a braquiária para semeadura da soja?
BRASIL
Chileno aguarda decisão sobre extradição na Superintendência da PF
FUTEBOL AMADOR
Santo Antônio e Panambi estreiam com vitória no Interdistrital
PREVENÇÃO
Operação Impacto III vistoriou entidades de MS com objetivo de coibir desvios de armas e munições
FLAGRANTE
Veículo carregado com contrabando é apreendido
AGENDA
Semana da Justiça pela Paz em Casa terá ações educacionais e mutirão em MS
APARECIDA DO TABOADO
Adolescente é apreendido traficando crack em MS
BRASIL
Bolsa Família começa a pagar R$ 2,6 bilhões para beneficiários
CAMPO GRANDE
Idoso é encontrado morto dentro de casa em bairro da Capital

Mais Lidas

NO PARANÁ
Douradense morre ao ser prensado por caminhão em laticínio
DOURADOS
Acusado de participação no sequestro de família douradense se apresenta à polícia
DOURADOS
Em ato de filiação ao PSL, reitora temporária diz não ter prazo para deixar comando da UFGD
MS-376
Veículo fica completamente destruído e homem morre em acidente entre Vicentina e Fátima do Sul